Jorge Jesus reconhece fadiga dos jogadores no Flamengo em meio a maratona

Comentários()
Alexandre Vidal / Flamengo
O treinador português se viu obrigado a não contar com o que tem de melhor, e começa a ver seus atletas mais fatigados em meio a maratona de jogos

Além de ter colocado o Flamengo para jogar o seu melhor futebol em décadas, classificado o time para a semifinal da Libertadores após 35 anos e liderando de forma isolada o Campeonato Brasileiro, Jorge Jesus também introduziu a expressão “colocar toda a carne no assador” para explicar que escalaria, sempre que possível, 100% de suas forças na Série A, independentemente da situação no certame continental. Passou o tempo, e agora JJ se vê obrigado a controlar um pouco o ritmo do seu “churrasco”.

Acompanhe o melhor do futebol ao vivo ou quando quiser: assine o DAZN e ganhe um mês grátis para experimentar

Após as lesões sofridas por Arrascaeta (esta mais grave) e Filipe Luís, e em meio aos desfalques próximos de Gabigol e Rodrigo Caio (devido aos jogos da seleção brasileira), o treinador já não poderá contar com alguns de seus grandes destaques nas próximas semanas, mas o desgaste físico causado pela sequência de jogos começa a preocupar o português. Ainda que de maneira tímida.

Nas últimas semanas, o elenco rubro-negro viajou para Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre e Chapecó. Em meio aos jogos pelo Brasileirão, enfrentou o Grêmio em um duelo difícil na capital gaúcha – no primeiro encontro da semifinal da Libertadores, que terminou empatado em 1 a 1.

Mais artigos abaixo

Para piorar a situação, o colombiano Orlando Berrío teve diagnosticado uma entorse no tornozelo e pode aumentar a lista de desfalques. Reinier, titular na vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense, que manteve o Rubro-Negro na liderança e aumentou a vantagem em relação ao Palmeiras para cinco pontos, também virá a ser desfalque eventual por causa da seleção olímpica.

Contra a Chape, Filipe Luís, Arrascaeta e Gabigol (suspenso) não jogaram. Jesus teve que mexer no time, mas também mudou um pouco do discurso, agora mais preocupado em relação ao desgaste físico dos atletas.

“Eles sentiram alguma fadiga, o que é normal (...) Antes do jogo, perguntei a todos como estava. Alguns disseram que estavam fadigados, mas queriam jogar. Há o respeito pelo Brasileiro”, disse ao fim do jogo.

Fechar