Ex-Palmeiras relata momentos difíceis na última temporada: "sofri com depressão e pensei em me matar"

Comentários()
Web
"Churry" Cristaldo enfrentou dias ruins em passagem pelo Vélez Sarsfield

Jonathan Cristaldo leva uma nova vida no Racing. Depois de passar um primeiro semestre sem clube, o atacante argentino se diz como novo ânimo depois de temporada dura em 2017. Ele revelou, inclusive, que lidou com um estado de depressão.

"Tive pensamentos obscuros. Muitos. Me lembro de uma vez em que estava dirigindo e sofri um ataque de pânico. Pensei em forçar um acidente com o carro. Pensei em me matar", disse o "Churry" em entrevista ao diário Olé.

Cristaldo atuou no Palmeiras entre 2014 e 2016, fazendo parte dos elencos que conquistaram a Copa do Brasil em 2015 e o Brasileirão no ano seguinte. Ficou marcado entre a torcida alviverde por seu bom humor e boas atuações saindo do banco de reservas.

Jonathan Cristaldo | Palmeiras(Foto: Getty Images)

Negociado com o Cruz Azul do México, foi emprestado para Monterrey e Vélez Sarsfield e chegou a negociar com a Ponte Preta, mas recuou do negócio alegando problemas pessoais.

"Estive três meses parado, sem fazer nada. Não era um profissional. Tinha muitos problemas pessoais, familiares, com amigos. Isso também influenciou bastante. Depois, quando fazia pré-temporada (no Vélez), comecei a me sentir muito melhor. Até que na terceira partida me lesionei e não recuperei minha forma física", explicou Cristaldo. "Minha fuga era comer e às vezes beber um pouco demais. Me sentia deprimido. Nunca achei que passaria por isso, não desejo isso a ninguém."

GFX Cristaldo

Questões mentais são assuntos pouco discutidos no futebol. Recentemente, o brasileiro Neymar passou por situações parecidas ao chegar no Santos, segundo revelou em entrevista ao UOL Esporte em 2017, e ainda não retornou aos gramados. O argentino ainda aproveitou para ressaltar a importância de buscar ajuda profissional.

"Minha psicóloga me ajudou muito. Estou muito agradecido. Não tinha vontade de levantar da cama, não queria treinar. Não saía de casa ou via meus amigos", relatou Cristaldo. "Recuperei a alegria, me sinto um profissional novamente. Venho treinar com vontade. Agora aproveito as pequenas coisas."

Fechar