Insatisfeito, Felipão diz que mudará quase todo o time do Palmeiras

Comentários()
Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Treinador cobrou identidade de Carlos Eduardo e pediu foco a Deyverson

O Palmeiras venceu a sua primeira partida na temporada, mas isso não significa que Felipão tenha ficado satisfeito. Em entrevista coletiva após o triunfo por 1 a 0 sobre o Botafogo-SP, na última quarta-feira (23), no Allianz Parque, o treinador analisou a atuação da sua equipe e disse que fará novamente várias mudanças na equipe.

“Não foi um jogo muito bom. Não jogamos com muita qualidade. É normal, porque tem 20 dias de treino intensivo para podermos ter pernas em situação de qualidade para 15, 20, 30 dias no mínimo. Vamos enfrentar isso, eles sabem, e vamos adaptando a equipe de acordo com o adversário e com o que as pernas vão aguentando”, afirmou.

“Para o próximo jogo, vou trocar sete ou oito de novo, até que eu tenha condição física e técnica para dizer que vou jogar muito mais tempo com esse ou aquele outro (time), completou.

Felipão - Palmeiras - 23/01/2019
(Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação)

Ao ser questionado sobre a atuação do autor do gol Deyverson, Felipão aprovou o rendimento, mas cobrou foco do jogador.

"Foi bem, só quando tem que matar, tem que matar. Ele não é habilidoso para dribles. Ele tem de fazer o gol e sabe fazer gol. Então, como sabe fazer gol, faça o gol. Às vezes, porque se faz um gol, a gente esquece que está jogando e que pode numa bola colocar uma partida fora. Mas ele fez seu trabalho, disputou.... Ninguém disputa que nem ele um jogo. Aliás, pode ser o Felipe Melo. Mas o Deyverson tem uma vontade incomum. Então, foi razoavelmente bem", analisou.

Deyverson - Palmeiras - 23/01/2019
(Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras)

Por fim, Felipão também comentou a estreia do atacante Carlos Eduardo.

"O que eu quero dos meus jogadores é identidade. Ele foi contratado para aquilo que sabe fazer. O que sabe? Um para um, driblar, um para um, partir para cima, um para um fazer a jogada individual, que é aquilo que preciso. Foi o que ele fez no lance do pênalti. Mas em alguns lances preferiu passar a bola. Claro, é uma estreia. Mas quero identidade. Quero que saiba que, se errar ao tentar o drible, tem todo o meu apoio. Um pouco de receio por causa do torcedor do Palmeiras, mas não quero isso. Quero o jogador do jeito que foi contratado: velocista, driblador. Se errar, não tem problema. Mas faça", concluiu.

Fechar