Notícias Placares ao vivo
Opinião

Iniesta, Buffon, Torres e Heynckes... o fim de diferentes eras na rodada da saudade

08:31 BRT 19/05/2018
GFX Heynckes Torres, Iniesta, Buffon, Wenger
A temporada 2017-18 também ficará marcada pelo grande número de ícones que se despedem de seus clubes

O fim de semana no futebol europeu será repleto de emoção. No sábado (19), Chelsea e Manchester United decidem o título da FA Cup enquanto o Bayern enfrenta o Eintracht Frankfurt na decisão da Copa da Alemanha.

As copas são os últimos títulos a serem disputados, numa temporada que já conhece os seus campeões nos principais campeonatos nacionais: Juventus na Itália, City na Inglaterra, o próprio Bayern na Bundesliga alemã, Barcelona na Espanha, Porto em Portugal e PSG na França.

Mas este fim de semana também será de emoção maior às dos títulos: o tom será gratidão, homenagens... e saudade.

Heynckes, no seu último jogo em Munique (Foto: Getty Images)

Jupp Heynckes, treinador campeão quatro vezes da Bundesliga pelo Bayern, onde também conquistou uma Tríplice Coroa em 2013 (Champions League + Bundesliga + Copa da Alemanha) vai fazer o seu último jogo oficial antes da aposentadoria. A despedida diante dos torcedores bávaros aconteceu na última semana, e foi emocionante.

Buffon não seguirá na Juve (Foto: Getty Images)

Campeã italiana, a Juventus receberá o Hellas Verona também no sábado. Um jogo que teria pouco apelo, não fosse a bombástica notícia, confirmada ao longo desta semana, de que Buffon deixará a meta bianconeri após 17 temporadas. O goleiro de 40 anos seguirá em atividade em outro lugar, mas isso não vai diminuir a gratidão e homenagens que prometem acontecer em Turim.

(Fotos: Getty Images)

No dia seguinte, Fernando Torres e Andrés Iniesta se despedirão perante os seus próprios torcedores na última rodada da liga espanhola. O Atleti de Torres, campeão da Europa League, recebe o Eibar no Wanda Metropolitano e o Barça, campeão espanhol e da Copa do Rei, receberá a Real Sociedad no Camp Nou. Ídolos por razões diferentes, que juntos ajudaram a mudar o patamar da seleção espanhola e deverão rumar para mercados menores. A única certeza é a despedida, idolatria e importância para os respectivos clubes.

Esta mesma temporada também ficou marcada pela despedida de Arséne Wenger do Arsenal, após 22 anos e incríveis 1235 jogos no comando dos Gunners. Thiago Motta, ídolo no PSG,  também pendurou as chuteiras. Mesmo caso de Michael Carrick no Manchester United, equanto Yaya Touré vai deixar o City.

Poderíamos lembrar aqui todos os feitos, estatísticas e títulos conquistados por cada um destes nomes. Mas a receita de idolatrias tão grandes não permite apenas a frieza dos números, porque estamos falando de sentimento. E o que vai ficar após o final de semana é o de gratidão e saudade. Por diferentes jogadores, diferentes clubes e diferentes motivos. Mas ainda assim por motivos muito parecidos.

É o momento de passar o bastão.