Notícias Placares ao vivo
Fluminense

Ídolo ferido: Cavalieri demonstra mágoa com dirigentes mas respeito pelo Fluminense

16:59 BRST 18/01/2018
Diego Cavalieri Fluminense treino 05042016
Goleiro quebrou o silêncio e falou sobre a forma como sua saída do Tricolor foi conduzida

Diego Cavalieri quebrou o silêncio e falou sobre a sua dispensa do Fluminense no final de 2017. Visivelmente chateado com a situação o goleiro responsabilizou diretamente o presidente Pedro Abad e Marcelo Teixeira pelo ocorrido. 

Cavalieri convocou a imprensa em uma coletiva no início da tarde desta quinta-feira(18), e apesar da tranquilidade aparente, ele foi duro ao criticar a forma como a sua saída do clube foi conduzida. 

"Fui pego de surpresa. Mais pelo prazo, pelo o dia que foi. Foi o que me deixou mais magoado. Faz parte o clube querer ou não contar mais com o seu trabalho. Faltou respeito, faltou ética e eles foram sem profissionalismo. Do Marcelo Teixeira e do presidente Pedro Abad. Falo pela maneira que foi. Eu, hoje, não sento mais com eles. Com eles, não há conversa". 

Por várias vezes, Cavalieri frisou que se a situação tivesse acontecido antes, no final do Campeonato Brasileiro, por exemplo, ele já poderia ter encontrado outro clube e já estaria trabalhando novamente. A falta de respeito, no seu ponto de vista, foi tanta, que nem ao menos pensaram a dificuldade que ele teria para arrumar um novo clube na altura que ocorreram as coisas. 


(Foto: Nelson Perez / Fluminense / Divulgação)

Ídolo do Fluminense, Cavalieri deixou claro o respeito pelo clube e pela torcida, mas fez questão de afirmar que não volta ao clube enquanto Abad ou Teixeira estiverem por lá. Podemos dizer que até hoje, semanas depois do ocorrido, o goleiro parece que ainda não acredita no que aconteceu. 

Inteligente, Cavalieri também demonstrou que sabe que não será fácil para ele encontrar agora um projeto tão bom. Ele lembrou que os grandes clubes do Brasil estão bem servidos de goleiro e as contratações que deveriam ser feitas já foram ou já estão bem encaminhadas.

Por conta do filho, ele gostaria de seguir no Rio de Janeiro, mas sabe que será difícil. Cavalieri segue mantendo a forma por conta própria, mas ficou evidente que gostaria de estar treinando, fazendo uma pré-temporada. 


(Foto: Nelson Perez / Fluminense / Divulgação)

Desde 2011 no Fluminense, ele passou por muita coisa no clube, momentos bons e ruins, títulos importantes e sabe separar bem a instituição das pessoas que o magoaram, mas mesmo com toda a experiência e os anos de carreira, Diego Cavalieri não esperava passar pelo o que foi exposto a passar.

Se há magoa com Abad e Teixeira, o goleiro fez questão de livrar Abel Braga da culpa, demonstrou todo carinho, respeito e confiança pelo treinador, que não teve nada a ver com as decisões e ações tomadas pela diretoria do clube. 

De toda essa história, uma coisa pode ser resumida, cada vez menos os clubes sabem tratar seus ídolos, depois lamentam que não se fazem mais atletas que amem e respeitem a camisa como antigamente, tampouco se valoriza como valorizavam há algumas décadas.