Notícias Placares ao vivo
Serie A TIM

Vítima de cânticos racistas contra a Inter, Koulibaly recebe suspensão na Itália

18:35 BRST 27/12/2018
Koulibaly Icardi Inter Napoli
O zagueiro do Napoli recebeu cartão vermelho nos minutos finais da partida contra a Internazionale; Adversário, Icardi defende o senegalês

Vítima de cânticos racistas vindos de uma parte da torcida da Internazionale de Milão na derrota por 1 a 0, o zagueiro Kalidou Koulibaly não escapou de ser punido pelo cartão vermelho recebido no duelo e vai desfalcar o Napoli em duas partidas.

O zagueiro, que já tinha cartão amarelo, ironizou o árbitro com aplausos após escutar o soar do apito marcando uma falta já na parte final do encontro. Após o duelo, o técnico do Napoli, Carlo Ancelotti, destacou o nervosismo do senegalês com os gritos preconceituosos que vieram da Curva Nord do estádio de San Siro.

“Koulibaly estava certamente irritadiço. Normalmente ele é uma pessoa muito calma e profissional, mas teve que escutar barulhos de macaco durante todo o jogo”, afirmou o treinador, em tom sério de crítica e destacando que a sua equipe poderá até mesmo deixar o campo em futuros duelos caso algo parecido se repita.

Quem também foi à defesa de Koulibaly foi o atacante Mauro Icardi, ídolo da Inter de Milão. Através de um post em sua conta de Instagram, o argentino escreveu: “Estou desapontado com o que aconteceu ontem no San Siro”, diz o texto, que vem acompanhado com uma foto do zagueiro napolitano. “CHEGA de racismo e discriminação”.

Por causa dos cânticos entoados na última quarta-feira (26), a Inter foi penalizada com dois jogos com portões fechados (contra Sassuolo e Bologna) e uma outra com a Curva Nord fechada (partida contra a Sampdoria).

Também através das redes sociais, Koulibaly se manifestou sobre os episódios, embora não tenha comentado sobre a punição de dois jogos: “Estou decepcionado pela derrota, mas acima de tudo por ter deixado os meus irmãos (...) Mas eu tenho orgulho da cor da minha pele. Orgulho de ser francês, senegalês, napolitano e homem”.