Guardiola manda recado para Otamendi: "Não quero jogador insatisfeito no City"

Comentários()
Getty Images
Defensor argentino tem atuado pouco nessa temporada em comparação com a jornada anterior e Pep admitiu que ele está insatisfeito

Pep Guardiola não quer ninguém desmotivado no Manchester City. Ele deixou isso claro em coletiva de imprensa concedida na última terça-feira (22) às vésperas do jogo de volta da semifinal da Carabao Cup contra o Burton Albion. No primeiro confronto, o City venceu por 9 a 0, e o próprio técnico catalão já admitiu que o time está classificado para a final.

Guardiola falou abertamente sobre o caso do zagueiro argentino Nicolás Otamendi, que tem demonstrado insatisfação em ter sido deixado no banco de reservas em mais da metade da atual temporada.

"Ele [Otamendi] não está feliz. Eu não tenho uma resposta para isso. Quando ele joga, ele fica feliz, quando não joga, ele não não fica feliz. Eu não sei o que eu posso fazer. Tudo depende dos jogadores, eu não quero jogadores insatisfeitos aqui. Se você não está feliz, bata na porta de Txiki [Begiristain, diretor de futebol do clube]", disparou Guardiola.

Atualmente o City conta com Aymeric Laporte, John Stones, Vincent Kompany e Nicolás Otamendi para o papel do miolo da zaga. Guardiola tem dado mais oportunidades aos dois primeiros. Na Premier League, o camisa 30 começou apenas oito jogos e ficou os outros 13 no banco de reservas.

Nicolas Otamendi Manchester City(Foto: Getty Images)

Pep Guardiola defende seu trabalho de seleção dos jogadores e diz que é uma das partes mais difícies do trabalho de técnico. Além disso, deixou a porta aberta para qualquer jogador possa sair caso não se sinta valorizado no clube.

"Ao final da temporada eles precisam refletir. Se eles não jogam ou não estão felizes, precisam sair. Eu sei que eles conseguem [times interessados] e eu não tenho nenhuma reclamação sobre isso. Escolher o time é a parte mais difícil. Você olha o que está acontecendo e vê que alguns precisam de mais jogos para ganahr confiança. São muitos motivos, não é uma seleção ingênua", explicou o treinador de 48 anos.

Fechar