Grandes clubes de São Paulo promovem ação de combate à violência contra a mulher

Comentários()
Reprodução
A ação é uma parceria inédita entre Corinthians, Palmeiras e São Paulo com a prefeitura da capital paulistana

Nessa quinta-feira (17), os três grandes clubes da cidade da capital paulista, Corinthians, Palmeiras e São Paulo, anunciaram uma parceria inédita com a Prefeitura para a campanha "Tem Saída", que busca alertar e informar sobre a violência contra a mulher.

O manifesto foi lançado nas redes sociais dos três clubes e teve o texto escrito por mulheres que trabalham nas agremiações. O escrito destaca os altos índices de violência contra a mulher e, especialmente, o preocupante número de feminicídios.

"No Brasil, a cada 7 segundos uma mulher é agredida. A cada duas horas, uma mulher é assassinada. São corinthianas, palmeirenses e são-paulinas entrando para estatísticas que nos deixam na parte de cima de uma tabela que não queríamos estar: a quinta posição no ranking mundial de feminicídio. Uma posição inaceitável diante da qual precisamos nos posicionar e manifestar nosso repúdio", diz uma parte do texto.

A carta aberta tem como objetivo dar visibilidade à causa e fazer com que empresas se juntem para ajudar na recolocação profissional das vítimas de violência para dar fim ao ciclo da violência.

"Esperamos que cada vez mais empresas sigam este exemplo e unam-se à causa. Que a nossa união traga esperanças para as mulheres e as encoraje a denunciar seus agressores. E que nossos torcedores sigam respeitando suas companheiras, mães, filhas e amigas. Porque todos nós sabemos que, quando acreditamos, conseguimos virar o jogo. Que o futebol, mais do que ser sobre vitórias, é sobre esperança. E que, quando damos as mãos e entoamos o mesmo grito, somos capazes de tudo. Tudo que precisamos é do apoio de nossas torcidas", lê-se em outro ponto do manifesto.

Como explica o blog dibradoras, especializado em futebol feminino, a parceria firmada entre os clubes e a Prefeitura de São Paulo serve para que mulheres vítimas de violência tenham prioridade em vagas que abrirem no clube. Para isso, as mulheres cadastradas no programa terão seus currículos priorizados na hora da abertura de processos seletivos.

Fechar