Notícias Placares ao vivo
Liverpool

Exclusivo! Mais um longo bate-papo com Jurgen Klopp, que espera dar o próximo passo com o Liverpool

08:00 BRT 30/07/2018
Jurgen Klopp Liverpool 2018-19
Conversamos com o treinador dos Reds, que falou sobre vídeo viralizado, derrota para o Real Madrid, contratações e muito mais!

Jurgen Klopp abre as cortinas e esboça o seu já conhecido sorriso.

“Ah, mais uma entrevista! Perfeito!”

Estamos sentados em um canto do Hilton Hotel de New Jersey. A chegada do Liverpool no dia anterior teve demora de oito horas, por causa de problemas técnicos no avião, o que levou os jogadores a passarem o tempo brincando com bola pelos corredores do Aeroporto Charlotte Douglas. Eles só conseguiram dormir na madrugada, longe de ser o cenário ideal levando em consideração um jogo contra o Manchester City, no dia seguinte. Naby Keita, por exemplo, acordou com um torcicolo na sequência.

Mesmo assim, Klopp acordou de manhã para uma entrevista exclusiva com a Goal. E fez isso com a maior boa vontade, disposto a uma boa conversa. Trabalhar fica muito mais fácil desta forma. O treinador alemão parece pronto para dar um novo passo nesta nova temporada, levar enfim os Reds para o reencontro com os títulos. Ainda que a dor pela derrota na final da Champions League 17-18, em Kiev, talvez nunca seja apagada, Klopp garante que desde o momento do apito final já estava pronto para seguir em frente.

“Você viu o vídeo, certo?”, brinca, fazendo referência às imagens na qual canta com torcedores, logo após aquela derrota, dizendo que o Real Madrid teve sorte. “Bom, todo mundo ali obviamente bebeu uma boa quantidade de álcool, e quando essas coisas acontecem é bom guardar os smartphones. É o melhor conselho”.

(Foto: Getty Images)

“Mas o que eu posso dizer é: com tudo o que tenho, quero vencer. Eu odeio perder. Eu tive que aprender a aceitar, mas sigo odiando. Só que, depois do apito final, eu não perco tempo da minha vida com sofrimento. Eu não carrego a derrota em minha volta, vou para outro lugar durante alguns momentos e é isso”.

“As coisas do jogo são óbvias, e eu posso falar delas. Mas eu não as sinto. É assim”, completa.

Foi mais uma oportunidade perdida pelo comandante, a sexta derrota consecutiva em finais. E, acredite, ele sabe perfeitamente disso. Tudo começou na decisão da Champions League em 2013, quando o seu Borussia Dortmund foi derrotado pelo Bayern. Mas embora existam similaridades naquele Dortmund e no Liverpool, o caminho logo após o vice-campeonato europeu apresenta realidades opostas.

“Sim, você está certo. É diferente. Depois daquela final em 2013 nós perdemos o Mario Gotze, e na verdade nós o perdemos duas semanas antes daquela decisão. Não estava tudo acabado para o Dortmund depois daquele jogo. Nós ainda tínhamos uma boa equipe, que poderia chegar em segundo, alcançar a final da copa e coisas assim... mas, sim, não foi exatamente a mesma coisa”.

“Com o Liverpool, nunca sentimos que o último passo tinha acontecido em Kiev. Estamos na metade de nosso desenvolvimento. Não somos invencíveis, nem o melhor time no mundo. Mas temos um estilo de jogo específico que nos torna uma equipe realmente muito boa. Por exemplo, eu fiquei realmente muito feliz pela forma como jogamos na meia-hora inicial de jogo. Acho que, antes do jogo, todos pensavam que o Real Madrid era melhor e iria ganhar, mas depois de meia-hora as pessoas que não nos acompanham muito viram que seria difícil”.

“Eu fiquei feliz com aquilo, mas não ganhamos e isso acontece. Vamos começar de novo, somos vice-campeões da Champions League, mas temos que recomeçar. Estaremos em um grupo realmente difícil, com certeza, e precisamos estar prontos. E acho que estaremos”.

Realmente, a impressão é de que o Liverpool está pronto para dar um passo adiante. Contrataram nomes de destaque no mercado europeu, como Fabinho, o goleiro Alisson, Keita, e Xherdan Shaqiri. Antes de iniciar a Premier League inglesa 2018-19, o clube de Anfield é o segundo mais cotado nas casas de aposta para conquistar o título.

Um novo passo para o Liverpool de Klopp (Foto: Getty Images)

“Se você quiser ter sucesso nestas competições, como Premier League e a Champions, então precisa ter um elenco maior. É o que nós estamos buscando fazer. Na verdade, o nosso grupo era grande o bastante na última temporada, mas em uma semana perdemos três jogadores e aí é tipo: ‘wow’! Ficamos sem meio-campo, e é uma posição de muita intensidade”.

“Mas o nosso trabalho é assim. Ninguém reclamou, não dá para ficar colocando a culpa em ninguém. E não tentamos fazer isso. O que nós tentamos fazer é deixar o elenco mais amplo, com equilíbrio na qualidade e, aí sim, você tenta dar um passo adiante. Espero que todos consigam ver isso”.

Impossível não imaginar que isso realmente possa acontecer, afinal de contas o Liverpool investiu pesado em suas contratações e ainda conseguiu manter o craque egípcio Mohamed Salah no grupo de atletas.

“Com Salah, nós resolvemos tudo, com Sadio (Mané), resolvemos tudo e agora resolvemos tudo com Shaqiri. É assim que funciona. Alguém aparece bem, e aí outro dá um passo adiante. Mas, no final, eu tenho que tomar a decisão. Encaixa ou não encaixa? Se eu achar que sim, nós vamos pra frente. É assim que nós temos feito nos últimos anos, assim que nós fizemos com Virgil (van Dijk), em janeiro, e agora com Alisson”.

Confiança em alta (Foto: Getty Images)

“Toda a equipe dá oportunidade para os jogadores se adaptarem rapidamente,  para eles usarem a qualidade que têm para dar um passo adiante em suas carreiras. Isso é realmente legal, e espero que possamos continuar assim”.

E, desta forma, a entrevista se encerra de forma positiva. Klopp deixa a sala com um sorriso e acenando. De volta ao trabalho. Os torcedores do Liverpool já embarcaram nesta jornada, e a temporada que se inicia pode ser ainda melhor. Mas agora, é hora de entregar mais resultados.