Exclusivo! Adaptado em Portugal, Nenê Bonilha analisa o motivo de não ter dado certo no Corinthians e rasga elogios a Tite e Carille: ‘Merecem todo esse sucesso’

Comentários()
Carlos Rodrigues/Getty Images
Em entrevista à Goal Brasil, meia disse que hoje teria esperado mais tempo por chances no Timão e contou como está sendo sua experiência na Europa


GOAL Por Fernando H. Ahuvia 

Desde 2015 em Portugal, Nenê Bonilha está completamente adaptado ao futebol europeu e, aos 25 anos, pensa em seguir trilhando sua carreira pelo velho continente. O meia, que defendeu o Nacional da Ilha da Madeira por uma temporada e desde o ano passado está no Vitória de Setúbal, porém, não esquece tudo o que viveu no Corinthians, entre 2011 e 2013, mesmo tendo vestido a camisa do Timão em apenas seis partidas.

Em entrevista exclusiva à Goal Brasil, Nenê Bonilha disse que o fato de ter chegado ao Corinthians em um momento conturbado, com a eliminação para o Tolima, e a concorrência com jogadores consagrados acabou contribuindo para que ele tivesse poucas oportunidades. Apesar disso, o jogador fez questão de enaltecer o que aprendeu com Tite e Carille e afirmou que os dois merecem estar vivendo todo esse sucesso na Seleção Brasileira e no Timão, respectivamente.

“É o que eu sempre costumo comentar. Aprendi muito no Corinthians, guardo ótimas lembranças, mas cheguei lá na época errada. O time estava passando por dificuldades, tinha acabado de ser eliminado pelo Tolima, então a pressão era muito grande. Naquele momento o Tite, que foi um cara que me ensinou muita coisa, teve cuidado para lançar os mais jovens. Tinham muitos jogadores consagrados também, então sabia que seria difícil jogar”, declarou o meia, que fez parte do grupo campeão do Brasileirão de 2011 e do Paulistão de 2013.

Nenê Bonilha - Corinthians - 18/07/2011
(Foto: © Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

“Aprendi muito com os dois (Tite e Carille). São pessoas sensacionais que merecem todo esse sucesso. O Tite conquistou tudo no Corinthians e está muito bem na Seleção. É muito estudioso, inteligente e amigo de todos. Para mim é um dos melhores treinadores da atualidade. O Carille também é um profissional muito bom. Foi uma pessoa que me ajudou muito no Corinthians e me deu várias orientações que levo até hoje comigo. Fico feliz que esteja começando muito bem sua carreira de treinador. Torço muito para que os dois continuem tendo esse sucesso”, completou.

Sem espaço na equipe do Parque São Jorge, Nenê Bonilha pediu para ser emprestado e rodou por vários clubes do Brasil antes de seguir para Portugal. Hoje, mais experiente, o jogador revela que teria esperado um pouco mais por oportunidades no Corinthians.

“Era muito jovem e sempre queria estar jogando, então pedi para ser emprestado... Hoje, mais experiente e maduro, teria esperado um pouco mais. Depois, o Tite começou a dar mais chances aos jovens, então acho que teria tido oportunidades de mostrar meu potencial se tivesse tido mais paciência. De qualquer maneira, só tenho que agradecer ao Corinthians e a todos que me ajudaram naquela época. Levo como aprendizado a experiência que passei lá”, ressaltou.

Nenê Bonilha - Corinthians - 20/01/2013
(Foto: © Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

Em Portugal, Nenê Bonilha não teve problema de adaptação e rapidamente se destacou pelo Nacional. A única coisa que incomodou o brasileiro foi o estilo de revezamento utilizado bastante no futebol europeu e seguido pelo técnico Manuel Machado. Apesar disso, o meia explica que a escolha de se transferir para o Vitória de Setúbal se deu por outros motivos.

“Dei uma entrevista e acho que as pessoas não me interpretaram bem. Não tinha e nunca tive nada contra ele. No início foi difícil me acostumar com o estilo de revezamento que os treinadores utilizam aqui. Ficava bravo, porque queria estar sempre jogando, mas vi que não era nada pessoal e é impossível ele me agradar o tempo todo assim como eu agradar ele também. Saí porque tive a oportunidade de ter uma nova experiência em um clube mais próximo da capital, mas só tenho elogios e agradecimentos a todos e por tudo o que passei no Nacional em um ano”, explicou Nenê Bonilha, que, em dois anos em Portugal, passou por várias histórias curiosas e engraçadas.

“Sempre falo que tudo acontece comigo. Passei por várias histórias, mas acho que a mais engraçada foi quando fui pela primeira vez no cinema com a minha namorada e não sabia que em Portugal tem pausa no meio do filme. Estava indo embora nervoso e aí uma funcionária me explicou a situação (risos)”, contou.

Nesta entrevista exclusiva, Nenê Bonilha ainda falou mais sobre sua vida em Portugal, analisou os resultados do Vitória de Setúbal na última temporada e contou quais são seus planos para o futuro. Confira o restante do bate-papo!

Nenê Bonilha - Vitória de Setúbal - 29/10/2016
(Foto: JOSE MANUEL RIBEIRO/AFP/Getty Images)

Goal – Quando acabou seu contrato com o Corinthians, você chegou a ter propostas de outras equipes, inclusive uma dos Estados Unidos. O que te fez escolher o Nacional?

Realmente estava perto de um acerto com um time dos Estados Unidos, mas aí apareceu uma proposta concreta do Nacional e jogar na Europa era um sonho meu. Fiz a escolha certa.

Goal – Viu muita diferença no estilo de jogo do futebol português em relação ao brasileiro?

O estilo de jogo é bem diferente. No Brasil, o jogador tem mais técnica, a partida é mais cadenciada. Aqui em Portugal, usam mais a força e o futebol é mais intenso. Para mim que sou armador precisei de um tempo para me adaptar, mas hoje já estou bem.

Nenê Bonilha - Vitória de Setúbal - 14/07/2016
(Foto: Carlos Rodrigues/Getty Images)

Goal – Como foi morar por um ano na Ilha da Madeira no período que você defendia o Nacional? Muito diferente de agora?

A Ilha da Madeira é um lugar muito bonito, mas é muito isolado. Você não tem muito para onde ir e eu ainda tenho medo de avião, então era complicado (risos). Agora estou mais perto da capital, então fica mais fácil. Tem mais coisas para fazer sem precisar pegar o avião.

Goal – No último Campeonato Português, vocês não perderam para os dois primeiros colocados (Benfica e Porto), estavam brigando na parte de cima da tabela, mas caíram de rendimento na reta final. O que aconteceu? Que avaliação você faz da sua temporada?

Fizemos uma boa temporada, me adaptei bem ao time e fiz boas partidas.  Estávamos bem e lutando lá em cima, mas infelizmente acabamos tendo uma queda de rendimento bem na reta final. De qualquer forma, nosso grupo fez um bom trabalho e mostrou ser qualificado tanto que nos saímos bem nos confrontos diretos contra Benfica e Porto.


Os números de Nenê Bonilha na última Liga Portuguesa


Goal – Quais foram os principais aprendizados que você adquiriu aí em Portugal nos últimos dois anos? Do que você sentiu mais falta no início?

Aprendi muitas coisas nesses dois anos tanto dentro como fora do campo também. A maior dificuldade que tive foi ter ficado longe da família, porque meus pais não vieram comigo, mas amadureci muito nesse tempo.

Goal – Como está sua situação no Vitória de Setúbal e quais são seus planos para o futuro?

Estou feliz no Vitória de Setúbal e pretendo cumprir meu contrato. Já tiveram alguns boatos, mas nada concreto. Se chegar uma proposta boa para mim e para o clube posso sair, mas meu pensamento é ficar aqui. Se eu seguir jogando bem aparecerão coisas boas mais pra frente.


VEJA TAMBÉM:


Próximo artigo:
BMG indica patrocínio ao Corinthians e inicia “batalha por seguidores” contra a Crefisa
Próximo artigo:
“Não estamos bem, temos que ser sinceros”, diz Casemiro após outra derrota do Real Madrid
Próximo artigo:
Allegri elogia talento de CR7 para decidir jogos importantes: “por isso contratamos ele”
Próximo artigo:
Mercado de transferências: Os últimos rumores de Barcelona, Real Madrid, PSG e todos os grandes clubes
Próximo artigo:
Cristiano Ronaldo comemora primeiro troféu pela Juventus: “É apenas o começo”
Fechar