Ex-técnico do PSG sugere greve na Ligue 1 e sai em defesa dos rebaixados precocemente

A Ligue 1 foi um dos campeonatos europeus a decretarem o fim da temporada e deixar a situação como estava na tabela. Ou seja, o PSG se sagrou campeão, por estar isolado na liderança, e o Toulouse e o Amiens foram rebaixados, mesmo faltando 10 rodadas para o fim do certame. Isso levou o ex-técnico do PSG, Antoine Kombouare a criticar a organização da liga e propor, em último caso, uma greve dos jogadores para a próxima temporada.

Em entrevista ao L'Equipe, o treinador defendeu que os dois clubes que foram rebaixados não podem sofrer essa "injustiça", segundo ele, e espera que a liga volte atrás a faça a próxima temporada com 22 clubes, ao invés de 20, como é o normal. Ou seja, seriam os 20 clubes que disputaram a primeira divisão nessa temporada, além do Lens e Lorient, que foram promovidos à elite.

Mais artigos abaixo

"Os jogadores e técnicos devem concordar em fazer greve no começo da próxima temporada se isso [campeonato com 22 equipes] não acontecer. Haverá desistências, mesmo entre os amadores e isso vai doer. Ver jogadores encerrarem suas carreiras assim é muito injusto e eu sempre odiei injustiça. No meio desse sofrimento por conta da crise, devemos nos unir. Não estamos unidos o suficiente e isso me deixa bravo", falou Kombouare.

O que chama atenção em toda essa situação é que o último trabalho como técnico de Kombouare foi no Toulouse e o seu filho é diretor administrativo do Amiens, os dois times que devem começar a próxima temporada na segunda divisão. Mas ele afirmou que o sentimento de revolta seria o mesmo independente do clube que fosse rebaixado.

Com o campeonato encerrado, o futebol na França deve voltar apenas em agosto, com o começo da temporada 2020/21 e ainda não se sabe quais os protocolos a Ligue 1 fará para que a bola volte a rolar no gramado durante a pandemia.