Corinthians aplica 16 a 0 e faz história na Libertadores feminina - mas já teve goleada ainda maior

Contra o El Nacional, do Equador, o Timão superou uma vitória do Santos em 2009, mas não se aproximou um placa que fez em 2017, no Paulistão

Ainda disputando a vitoriosa temporada de 2020, o time feminino do Corinthians fez sua estreia na Libertadores contra o El Nacional, do Equador. E, logo neste primeiro jogo, o Timão alcançou uma marca histórica da competição: aplicou a maior goleada entre todas as edições, o 16 a 0, porém, não foi a vitória mais elástica do Alvinegro.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e teste o DAZN grátis por um mês!

Depois de enfrentar problemas para chegar na Argentina, onde está acontecendo a competição, o Timão não enfrentou dificuldades para derrotar o time equatoriano. O placar foi aberto logo aos 3 minutos de jogo e, ao final da primeira etapa, o placar "ainda" estava em 4 a 0. Na segunda etapa, ainda mais, o Corinthians passeou e fez os outros 12 gols da goleada.

Ao todo, nove jogadores balançaram as redes: Poliana, Pardal, Gabi Zanotti, Giovanna Crivelari (duas vezes), Adriana, Victória Albuquerque (três vezes), Tamires, Grazi (três vezes) e Gabi Nunes (três vezes). Enquanto isso, no outro extremo do campo, a goleira Tainá quase nem foi acionada.

Victória Albuquerque Corinthians El Nacional Libertadores feminina 05032021 Foto: Rodrigo Gazzanel/Corinthians/Divulgação

Esta foi a maior goleada nos 12 anos de história da Libertadores feminina. Antes, o Santos era quem detinha a marca, desde a primeira edição, ainda em 2009, quando fez 12 a 0 no EnForma Santa Cruz, da Bolívia, também na fase de grupos. Na ocasião, a atacante Cristiane, que ainda estava em sua primeira passagem pelas Sereias da Vila, fez cinco dos gols.

Para o Corinthians, porém, esta não chega nem perto do que foi sua vitória mais elástica. Em 2017, quando ainda era uma equipe conjunta com o Audax, o Timão venceu o Centro Olímpico por 22 a 0, em partida válida pelo Campeonato Paulista. As adversárias, que tinham uma tradicional história na modalidades, atravessavam uma fase ruim e foram para campo com apenas nove jogadoras - inclusive com uma atleta de linha improvisada no gol. 

Embora espantosas, goleadas elásticas não são tão incomuns no futebol femino, uma vez que muitas das equipes ainda estão em construção, o que causa uma grande disparidade técnica. Em outubro de 2020, por exemplo, o São Paulo aplicou um 29 a 0 para cima do Taboão da Serra, em uma partida que ficou marcada na história. 

Mais impressionante ainda foi o Flamengo, que em 2019 venceu o Greminho, um time semi amador, por 56 a 0, em uma partida oficial, válida pelo Campeonato Carioca de Futebol Feminino. 

O Corinthians volta a campo pela Libertadores na segunda-feira (8),contra o peruano Universitario de Deportes, no Estádio Deportivo Morón, também Buenos Aires, já que a competição está acontecendo no formato de "bolha" por conta da pandemia.

Fechar