Com Fellaini, Martínez ganha nova forma de armar a Bélgica na reta final da Copa

Comentários()
Getty
Técnico espanhol que comanda a Seleção Belga altera esquema tática na Copa do Mundo, preenche o meio de campo e mantém força do time na reta final

banner Copa 2018

Três zagueiros, uma linha de quatro jogadores no meio de campo e três atacantes. Quem se acostumou a assistir à Bélgica sabe que a equipe adotou esta formação desde a efetivação de Roberto Martínez. Mas tudo mudou nas quartas de final da Copa do Mundo.

O temor pelos homens de frente da Seleção Brasileira fez com que o técnico espanhol modificasse a forma de atuar de sua equipe.

O primeiro passou foi mudar a primeira linha, constantemente formada por três jogadores. O técnico recuou Thomas Meunier, acostumado a jogar pelo lado direito do meio de campo, para a lateral direita, deixando Toby Alderweireld e Vincent Kompany no miolo de zaga e Jan Vertonghen na lateral esquerda.

Com uma linha de quatro no sistema defensivo, ele deixou Kevin De Bruyne, escalado como segundo homem de meio-campo durante a Copa do Mundo, mais aberto pelo lado direito. Marouane Fellaini foi o escolhido para atuar no meio de campo ao lado de Axel Witsel. Com dois volantes, Yannick Carrasco deixou a escalação para a entrada de Nacer Chadli.

O trio ofensivo deu lugar a uma dupla: Eden Hazard e Romelu Lukaku. De Bruyne e Chadli tiveram liberdade pelos lados do campo e, em lances de ataque, mudaram totalmente a forma de atuar da equipe belga.

A opção de Roberto Martínez nas quartas de final surtiu efeito. Fellaini anulou Neymar e Lukaku pôde ter mais espaço para deixar a área e se aproximar em velocidade do sistema ofensivo.

Além do sucesso na fase mais recente da Copa do Mundo, o técnico chega à semifinal com uma opção a mais para armar o time nesta reta final.

A Bélgica entra em campo na terça-feira (10), às 15h (de Brasília), pela semifinal da Copa do Mundo. O duelo ocorre no Krestovsky Stadium, em São Peterburgo.

Fechar