Brasileiros na Champions League: quem foi bem e quem foi mal na fase de grupos

Comentários()
Getty
Os tupiniquins são maioria no maior certame de clubes do futebol europeu; confira um Top 5 que avalia as suas participações até aqui

Header Tauan Ambrosio

A fase de grupos da Champions League chegou ao seu final e já conhecemos os classificados para o mata-mata. Dentre os 96 jogos disputados, a importância de atletas brasileiros (maioria no torneio) foi crucial.

Neymar, por exemplo, fez cinco gols e chegou a um total de 32: nenhum outro brasileiro balançou tanto as redes na Champions. Alisson, por outro lado, fez a defesa mais espetacular da fase de grupos e que acabou por garantir a vaga do Liverpool nas oitavas de final.

E em meio à expectativa para o retorno do torneio, apenas em 2019, listamos os cinco brasileiros que mais se destacaram e os que mais deixaram a desejar até o momento no principal certame de clubes europeus.

OS 5 MELHORES

Neymar: o camisa 10 do PSG fez cinco gols e ainda contribuiu com duas assistências, ajudando os franceses a garantirem o primeiro lugar no disputadíssimo Grupo C (que também contava com Liverpool, Napoli e Estrela Vermelha). Além disso, com a bola em movimento nenhum jogador criou tantas oportunidades: foram 18, de acordo com números da Opta Sports.

Alisson: o goleiro do Liverpool não foi o mais exigido quantitativamente, mas garantiu a classificação dos ingleses para as oitavas de final com uma defesa milagrosa, nos acréscimos da ‘decisão’ contra o Napoli. Se a finalização de Milik tivesse encontrado as redes, os atuais vice-campeões estariam eliminados.

Coutinho: o camisa 7 foi líder de assistências pelo Barcelona (foram 3), que se classificou tranquilamente no Grupo B (com Tottenham, Inter de Milão e PSV). Além disso, fez um gol e só não criou mais oportunidades do que Lionel Messi (ambos com 12).

Alex Telles: o lateral-esquerdo do Porto foi um dos pontos altos da equipe lusa, líder equilibrado do Grupo D (com Schalke, Galatasaray e Lokomotiv), sendo decisivo com duas assistências e participação ativa pelo flanco canhoto.

Marquinhos: o zagueiro demonstrou atuações em alto nível tanto no miolo da defesa quanto no meio-campo, entendendo bem os pedidos do técnico do PSG, Thomas Tuchel, que aplicou várias mudanças táticas para confundir os rivais. Além disso, o defensor também conseguiu fazer um gol no jogo contra o Estrela Vermelha, que acabou por carimbar a classificação dos parisienses.

Menções honrosas: Júnior Moraes (Shakhtar), Roberto Firmino (Liverpool), Lucas Moura (Tottenham), Allan (Napoli), Thiago Silva (PSG) e Fernandinho (Man.City).

QUEM DECEPCIONOU

Jonas BenficaJonas fez apenas um gol pelo Benfica (Foto: Getty Images)

Dentinho e Wellington Nem: os dois meias do Shakhtar não conseguiram apresentar um bom futebol nas poucas oportunidades que tiveram no Grupo F (junto de City, Lyon e Hoffenheim), onde os ucranianos foram eliminados na última rodada.

Jemerson: o bom zagueiro sofreu com a péssima fase do Monaco, que somou apenas um ponto.

Miranda: outro zagueiro que participou de uma campanha decepcionante, o que ganha um peso ainda maior quando a camisa em questão é da Internazionale de Milão – eliminada na última rodada.

Jonas: o goleador do Benfica fez apenas um gol. Os Encarnados não avançaram.


Curiosidade

Um total de 17 jogadores brasileiros (descontando aí os naturalizados que não podem atuar pela Seleção) balançou as redes nesta fase de grupos. Foram 30 gols marcados, 11% do total de tentos do torneio até aqui.


Fechar