Bomba, briga, jogadores em campo e gás: o lado lamentável do clássico carioca e do vexame do Inter

Comentários()
Paulo Fernandes/Vasco da Gama/Divulgação
Duelos pelas Séries A e B do Campeonato Brasileiro tiveram cenas lamentáveis

O sábado (8) foi de muito futebol e, infelizmente, também de muita confusão no futebol brasileiro. Cenas lamentáveis foram vistas no Sudeste e no Sul do Brasil.

No Rio de Janeiro, em São Januário, após a vitória do Flamengo por 1 a 0 sobre o Vasco, pelo Campeonato Brasileiro, o clima esquentou depois do apito final. A torcida do Gigante da Colina começou a protestar contra a arbitragem, e as coisas saíram do controle quando alguns torcedores ameaçaram invadir o gramado e começaram a jogar objetos no campo.

Copos, garrafas e até entulhos e sinalizadores foram vistos no gramado. Com o clima hostil, os jogadores do Flamengo ficaram no campo e não desceram para os vestiários. Enquanto isso, a briga entre vascaínos e as autoridades aumentou, e a Polícia Militar começou a usar bombas e spray de pimenta.

Os torcedores do Vasco, ao mesmo tempo, começaram a se dirigir para o setor dos fãs do Flamengo e até jogaram uma bomba nos rivais.

Incomodados com o clima e até por sentir os efeitos do spray de pimenta nos olhos, os jogadores do Flamengo, após cerca de 15 minutos, foram correndo para os vestiários, mas o clima hostil nos arredores de São Januário continuou.

Beira-Rio

No Sul do País também foram vistas cenas lamentáveis. A torcida do Internacional não aceitou o empate por 1 a 1 com o Criciúma, que mantém a crise no Colorado, que segue fora do G4 de acesso à Série A na Série B do Brasileirão, e protestou do lado de fora do Beira-Rio após o fim da partida.

A situação quase saiu de controle, porque alguns torcedores atiraram pedras e tentaram invadir a sala de entrevistas coletivas. Grades de segurança foram derrubadas e vidros quebrados após a confusão. Ocorreu até um confronto com seguranças e a Brigada Militar, que usou bombas de gás lacrimogênio para dispersar os que tentavam avançar. No entanto, a situação foi normalizada por volta de 18h50 (de Brasília), cerca de 30 minutos após o fim da partida.

Próximo artigo:
Lesionado em seu melhor momento, Dembelé 'obriga' reação de Coutinho no Barcelona
Próximo artigo:
Futebol na TV: confira a programação de terça-feira, 22 de janeiro
Próximo artigo:
O valor de Lionel Messi: quanto ganha e qual o patrimônio do argentino
Próximo artigo:
Real Madrid: o histórico contra todos os adversários em La Liga
Próximo artigo:
Quais times se classificaram para as oitavas da Champions League 2018/19?
Fechar