Notícias Placares ao vivo
Liga dos Campeões da UEFA

Barcelona viveu sua maior tragédia europeia em Antenas

14:40 BRST 31/10/2017
Milan Barcelona 1994
Milan, de Fábio Capello, venceu o Barça em 1994, por 4 a 0. Time catalão era dirigido por Johan Cruyff à época

O Barcelona retorna à Grécia, especificamente a Atenas. Cidade milenária onde viveu uma das maiores tragédias esportivas, que foi em 18 de maio de 1994, o começo do fim de uma das melhores equipes da história: o "Dream Team" esculpido com cuidado por Johan Cruyff.

Milan e Barcelona jogaram a final da Liga dos Campeões 1993/94 depois de terem eliminado Monaco e Porto respectivamente nas semifinais. O compromisso continental significava medir duas das melhores equipes da década, cada uma com seu próprio estilo, em vez disso oposto, e com trajetórias desiguais. Os milanistas estavam em uma tendência crescente e os culés com um ritmo descendente.

Foi chamado de "Dream Team" para o palco vivido em Barcelona entre 1988 e 1996 sob a direção de Cruyff, que infectou seus alunos o amor do bom futebol, com um jogo tremendamente ofensivo e um espírito mais otimista. O treinador holandês estava colecionando as peças que ele precisava para projetar uma equipe vencedora que primeiro levantou a Copa da Europa em 1992 e recuperou em um lustrum o trono do futebol espanhol em detrimento do Real Madrid.

Os jogadores que formaram aquela "Equipe dos Sonhos" foram Zubizarreta, Bakero, Begiristain, Laudrup, Koeman, Stoichkov, Romario, Eusebio, Nadal, Guardiola, Amor, Juan Carlos, Ferrer, Nando, Julio Salinas, Serna, Alexanco e Goikoetxea.

Esse projeto começaria a perder seu crédito na pesada derrota em Atenas antes do Milão de Capello, onde os barceloneses desembarcaram confiados, marcados como favoritos e vencedores recentes da liga, também os italianos apareceram como campeões em terras gregas, mas com o disfarce de cordeiro enrolado Apesar de todas essas preliminares, os 'rossoneri' alcançaram sua quinta orelha inesperadamente confortáveis, com um doloroso 4-0 para a paróquia do Barça por um duplo de Massaro e os golos de Savisevic e Desailly.


(Foto: Getty Images)

Foi um duelo colossal, porque Milan tinha excelentes jogadores italianos como Baresi, Costacurta, ambos ausentes na final, bem como o próprio Panucci, Tassotti, Maldini, Albertini, Donadoni e Massaro, além de ter um triplete estrangeiro formado por Desailly, Boban e Savisevic, relançaram com sucesso o Rijkaard, Van Basten e Gullit.

O tempo, a bola, a estratégia - especialmente a pressão sufocante - e os golos eram milaneses, numa noite para se esquecer de Barcelona, no início do final da 'Equipe de Sonhos' de Cruyff. Uma tragédia grega escrita no estádio olímpico de Atenas. A mesma cidade que o Barça regressa esta noite para jogar contra o Olympiacos e que em dois dias irá visitar o Milan para enfrentar o AEK no próprio estádio em que esta final foi realizada. Uma curiosa coincidência que parece pervertida pelos Deuses do Olimpo.