Amor, ódio e reviravoltas: a história do predestinado zagueiro que se tornou herói de um sonho impossível

Comentários()
Getty Images
Autor do gol da insanidade contra o Barcelona, Manolas é uma das esperanças da Roma para parar o imparável SFM do Liverpool

O jovem Cengiz Ünder pega a bola e se prepara para cobrar um escanteio pelo flanco direito. Faltando oito minutos para o fim de um jogo épico, a Roma tentava protagonizar um dos maiores milagres da história da Champions League contra o Barcelona, um ano depois do próprio clube espanhol fazer uma partida inesquecível contra o Paris Saint-Germain.

Pulsando, fervendo, tremendo. O Estádio Olímpico de Roma era o Coliseu, onde seus gladiadores não deixavam um impotente Barcelona respirar. A cancha vibrava. Ao mesmo tempo que os pulmões acusavam a falta de ar de tanto gritar e as mãos tremiam de ansiedade, vinham as orações pedindo pelo gol do sonho.

Mas tudo isso para por um breve instante.

Kostas Manolas vs Barcelona(Foto: ISABELLA BONOTTO/AFP/Getty Images)

Ünder cobra o escanteio. Durante um pequeno momento, todos no estádio fazem um breve silêncio. A pequena pausa para acompanhar um lance histórico e gravar uma jogada para sempre na memória e no coração. A defesa azul-grená, como o time durante todo o jogo, tirando o excepcional Ter Stegen, parece estar dormindo. Um zagueiro grego de 26 anos, nascido na pequena ilha de Naxos, se antecipa e coloca a cabeça na bola. A pelota encontra o fundo das redes.

O breve silêncio vira uma insanidade completa. O Coliseu da Roma treme como nunca. A mistura magnífica de emoções fazem cair as lágrimas. Os pulmões não aguentam mais, a voz já está rouca, mas isso não é problema algum. Pessoas que nunca se viram se abraçam e se beliscam para comprovar a realidade. Aquilo realmente estava acontecendo?

Roma vs Barcelona fas(Foto: Getty Images)

Estava.

O sonho impossível era real. O Estádio Olímpico de Roma era palco de um milagre e uma noite emocionante, de arrepiar qualquer amante do futebol.

E o responsável por tudo isso não foi o lendário De Rossi, o goleador Dzeko, o excelente Nainggolan, Strootman, Florenzi ou qualquer outro ótimo jogador da Roma. O herói da noite era Kostas Manolas. O grego correu como um louco, gritando e com os braços abertos. O gladiador representou cada torcedor dentro do campo de batalha. Após extravasar, observou incrédulo a insanidade que proporcinou no Estádio Olímpico.

Kostas Manolas Roma Barcelona Uefa Champions League 10042018(Foto: FILIPPO MONTEFORTE/AFP/Getty Images)

Depois do apito final, com o milagre concretizado, a festa não tinha hora para acabar em Roma. Nas arquibancadas e no campo, todos se esbaldavam com o sonho realizado. Manolas, porém, preferiu não estar no meio de toda aquela loucura. Ele sentou sozinho no banco de reservas, observou o quadro e chorou copiosamente. O grego percebeu o que tinha feito e proporcionado para milhões de pessoas.

O futebol é apaixonante também pela capacidade de criar histórias espetaculares e improváveis como essa. Por mais que Manolas seja referência na defesa dos Giallorossi, ele era o herói improvável de uma virada impossível.

Kostas Manolas Roma Barcellona Champions LeagueKostas Manolas Roma Barcelona UCL 04102018(Fotos: Getty Images)

Todas as vezes que alguém se lembrar daquela noite italiana em 10 de abril de 2018, Manolas será lembrado. Seu nome já está gravado na eternidade, não importando o que vai acontecer de agora em diante.

No entanto, ele e a Roma querem mais.

Os Giallorossi agora sonham com o título inédito e querem se vingar da derrota na final de 1984. Aquele revés em pleno Estádio Olímpico dói até hoje. Depois do empate por 1 a 1, o Liverpool, de Kenny Dalglish, Ian Rush e Graeme Souness bateu a Roma de Falcão, Cerezo e Conti nos pênaltis e conquistou a Europa.

Liverpool Roma 1984(Foto: Getty Images)

Mas não será fácil. Para encarar Real Madrid ou Bayern de Munique na decisão, o time italiano precisará passar pelo melhor ataque da Champions League (33 gols), que conta com o temível trio SFM. Manolas terá a complexa missão de liderar sua defesa contra Mohamed Salah, Roberto Firmino e Sadio Mané.

Com oito gols cada, o brasileiro e o egípcio são os vice-artilheiros da UCL ao lado de Ben Yedder, já eliminado com o Sevilla. Mané, com sete tentos, está logo atrás. O goleador máximo é Cristiano Ronaldo (15). 

O Liverpool ainda conta com James Milner, líder de assistências da competição, com sete passes para gols. Firmino é o segundo colocado na estatística, com quatro, ao lado de Kevin de Bruyne e Dele Alli. O camisa 9 ainda é o segundo jogador que mais participou diretamente de tentos na competição europeia (12), novamente atrás apenas de CR7 (18).

E como se não bastasse todo o talento, a incrível força ofensiva, o temível trio SFM e a fase espetacular de Salah, o Liverpool ainda tem mais solidez defensiva desde a chegada de Van Dijk e um time equilibrado e seguro. O esquadrão de Jürgen Klopp está invicto há sete partidas e só perdeu três das últimas 35.

Mohamed Salah Liverpool(Foto: Getty Images)

Roma e Manolas, porém, também possuem seus trunfos. Nas semifinais da Champions pela primeira vez desde 1984, o clube italiano não quer parar no milagre contra o Barcelona, e conta com Dzeko em excelente fase, Alisson como um dos melhores goleiros do planeta na atualidade, um meio-campo de respeito com os ótimos Strootman, De Rossi e Nainggolan, Florenzi, opções de talento como o jovem Cengiz Ünder e, claro, uma forte defesa liderada pelo herói grego.

Se o Liverpool é fortíssimo em Anfield Road e fora de casa está invicto há cinco jogos na Champions League, a Roma não sofreu gols no Estádio Olímpico nas cinco partidas pela competição europeia nesta temporada e venceu os últimos quatro duelos como mandante no torneio.

Além disso, os Giallorossi já deixaram gigantes para trás e querem repetir o feito. O time do competente Eusebio Di Francesco avançou em primeiro lugar no seu grupo, deixando Chelsea e Atlético de Madrid para trás. Depois passou pelo Shakhtar Donetsk e eliminou o favorito Barcelona com uma virada épica.

Daniele De Rossi Kostas Manolas Roma Torino(Foto: Getty Images)

Para eliminar mais um gigante, além do talento ofensivo, a Roma precisará principalmente da fase espetacular de Alisson e de partidas inspiradas de sua defesa liderada por Manolas. E para o herói grego, missão dada é missão cumprida.

Todos conhecem o presente do explosivo zagueiro. A eternidade está no seu futuro e, pelo talento, é de se esperar conquistas e novas histórias gloriosas. Mas... e o passado do defensor?

A Goal Brasil conversou com Vlassis Kambanis, jornalista grego que trabalha no Voria.gr e contou várias curiosidades sobre a carreira de Manolas. Confira:

FAMÍLIA BOLEIRA

Pode-se dizer que Manolas estava destinado a ser jogador de futebol. Seu tio, Stelios Manolas, foi futebolista e uma lenda do AEK Atenas, considerado um dos melhores defensores de sua época. Seu primo e xará também joga futebol e defende o Lokomotiv Sofia. Ambos zagueiros.

Como não poderia ser diferente, Manolas se tornou zagueiro e começou sua carreira no pequeno Thrasyvoulos, aos 15 anos. Rapidamente, porém, seu tio, então diretor técnico do AEK Atenas, o levou para o tradicional clube grego um ano depois.

AMOR E ÓDIO

Manolas assinou um contrato de três anos e afirmou que queria se tornar uma lenda do AEK e ter uma carreira parecida com a de seu tio no clube do qual, segundo ele, era torcedor desde criança. Seu início foi explosivo e simbólico, com ele sendo eleito o homem do jogo em praticamente todas as partidas e marcando seu primeiro gol como profissional logo em um clássico contra o Olympiacos, em 2010.

GFX Manolas AEK Atenas Olympiacos

Na temporada seguinte, Manolas brilhou ainda mais. O zagueiro provou seu espírito jogando partidas mesmo lesionado e conquistou a Copa da Grécia 2010/11 sendo eleito o melhor jogador do torneio. Não à toa, ele renovou seu contrato, mesmo estando na mira de clubes como Schalke 04, Sevilla e Udinese.

Em entrevistas, Manolas até cumprimentou o presidente do clube, Stavros Adamidis, por não o vender mesmo com as dificuldades financeiras do AEK, e revelou que tinha o sonho de se tornar capitão do time e conquistar o Campeonato Grego como seu tio fez.

Depois disso, em janeiro de 2012, o Everton tentou contratar Manolas, mas o zagueiro recusou porque quis honrar seu contrato com o AEK e afirmou que não poderia sair antes do clube contratar um bom substituto para ele.

Seis meses depois, porém, com o fim de seu contrato, o zagueiro assinou com o Olympiacos. Obviamente, a transferência teve um péssimo impacto para seu ex-clube e os torcedores, por ele ter ido de graça para um rival pouco tempo após recusar uma boa proposta que poderia ter ajudado o AEK financeiramente e, é claro, pelo seu laço especial com os Énosis.

BRILHO E IDA PARA A ROMA

Apesar da pressão, em sua primeira temporada no novo time, Manolas ganhou a Copa e o Campeonato Grego e passou a ser especulado em clubes como Manchester United e Tottenham. Seu antigo clube, por outro lado, vivia péssimo momento, banido da Liga Europa, sem poder contratar ou vender jogadores estrangeiros e podendo comprar apenas atletas gregos com até 22 anos.

Olympiacos scorer Kostas Manolas

Depois disso, na temporada 2013/14, Manolas brilhou pela primeira vez na Champions League. Estreante na competição, ele marcou o gol da vitória em casa sobre o Benfica e também anotou um tento na derrota para o PSG de Ibrahimovic e Cavani em Paris. O Olympiacos avançou às oitavas de final, mas foi eliminado pelo Manchester United. Após vencer por 2 a 0 em casa, os gregos perderam por 3 a 0 em Old Trafford, com hat-trick de Robin van Persie.

O ótimo desempenho durante o ano rendeu a Manolas uma transferência para a Roma, que pagou 15 milhões de euros pelo zagueiro. De lá pra cá, o resto é história.

Manolas Fiorentina Roma Serie A

Herói contra o Barcelona, o grego recusou uma oferta do Zenit no início da temporada. Ele tem contrato com a Roma até 2020 e revelou ao Il Giornale que rejeitou os russos por estar feliz nos Giallorossi. O zagueiro ainda disse ter vontade de encerrar sua carreira no Olympiacos e ter sido alvo da Juventus quando jogava na Grécia.

ORGULHO NACIONAL

Gravado na eternidade da Roma, Manolas também é motivo de orgulho em seu país. Eleito um dos 50 melhores jogadores da Copa do Mundo de 2014 pelo jornal inglês The Independent, ele é o terceiro grego em toda a história a chegar nas semifinais da Champions League, após Akis Zikos com o Monaco, em 2003/04, e Kyriakos Papadopoulos com o Schalke 04, em 2010/11.

Será que o explosivo zagueiro da Roma conseguirá superar o Liverpool do ex-companheiro Salah e chegar até a decisão? A resposta começará a ser dada nesta terça-feira (24), no duelo de ida das semifinais, em Anfield Road, às 15h45 (de Brasília).

Fechar