Notícias Placares ao vivo
Alisson

Alisson que manter retrospecto em reencontro com Messi: "Confio no meu trabalho"

19:38 BRT 01/07/2019
Alisson seleção Brasil Paraguai Copa América 28 06 2019
Goleiro destaca força da Argentina e pede atenção: "não é só com um jogador que a gente tem que estar preocupado"

O clássico entre Brasil e Argentina, nesta terça-feira (2), pela semifinal da Copa América colocará frente a frente uma dupla que foi protagonista no cenário do futebol mundial nos últimos anos: Alisson e Messi.

Até o momento, os jogadores se enfrentaram duas vezes e o goleiro brasileiro levou a melhor em todas. Primeiro, com a Roma, e mais recentemente, com o Liverpool, nas duas duas últimas edições da Champions League.

"Tenho confiança na minha equipe, no meu trabalho, convicção de que a gente vai fazer grande jogo. Temos que estar preparados para tudo. Cada partida tem a sua história. Pela Roma teve a sua, pelo Liverpool teve outra. Felizmente foram duas histórias felizes para o meu lado. Contei com duas equipes que jogavam coletivamente. Nossa seleção tem jogado assim, como um time, com entrosamento. Agora vivi duas experiências importantes. Mas uma partida agora não tem espaço para erro, em que todos têm que dar o seu melhor", disse Alisson em entrevista coletiva na noite desta segunda-feira.


(Foto: Getty Images)

Quer ver jogos ao vivo ou quando quiser? Acesse o DAZN e teste grátis o serviço por um mês!

O goleiro pediu atenção a todo o time argentino, e não apenas a Messi, destacando a evolução hermana dentro da Copa América.

"Minha preparação, primeiramente, é contra a seleção da Argentina, que tem demonstrado seu potencial. Na última partida, contra a Venezuela, demonstrou um potencial muito grande. Vem reformulando seu time, se reconstruindo e ganhando confiança ao longo da competição. Lógico que o Messi, por si só, já chama atenção, mas a gente tem que estar muito focado no que nós vamos fazer dentro de campo, para neutralizar esse tipo de jogador e também a seleção como um tudo, que é uma seleção que dispensa comentários. Tem o Agüero, que tem um poder de finalização muito grande. Então não é só com um jogador que a gente tem que estar preocupado", afirmou.

Alisson quer que a Seleção Brasileira atue de forma coletiva para que possa superar a individualidade da Argentina.

"Futebol não existe uma lógica, existem jogos que um jogador faz diferença. No meu caso, enfrentei isso contra o Barcelona. O Messi fez diferença no estádio deles, no segundo jogo, o nosso coletivo foi melhor e a gente conseguiu a classificação. Vai contar muito a determinação, convicção no trabalho, e nós criamos isso durante a competição. Acho que isso vem acontecendo com a Seleção, a gente tem muita convicção no nosso trabalho, naquilo que o professor Tite fala. A gente acredita. Acredito mais no coletivo, e dentro desse coletivo, temos alguns craques. Quando o coletivo está bem, as individualidades aparecem", argumentou.


(Foto: Getty Images)

Um dos destaques do Brasil na classificação à semifinal tendo defendido um pênalti contra o Paraguai, o goleiro ressaltou o equilíbrio desta edição da Copa América, que teve ainda outras duas vagas decididas apenas na marca da cal.

"Acredito que isso demonstra o nível da competição, muito equilibrado, equipes com ênfase sempre de defender muito forte, equipes que têm qualidade ofensiva, tem todos os nomes que temos no futebol sul-americano, com grandes atacantes, mas também com defesas muito fortes. Eu não me vejo como herói. Se eu faço minha defesa, e os demais não convertem suas cobranças, de nada vale. Nós nos preparamos para tudo. A gente sabe que o futebol tem circunstâncias dentro do jogo, então temos que estar preparados para tudo", disse.

Por fim, Alisson comemorou o retorno de Richarlison aos treinamentos após se recuperar de uma caxumba.

"Ele é um jogador extremamente importante, tento dentro de campo, quanto fora. Em um grupo, uma competição que se tem uma convivência muito longa e, se existe uma coisa muito boa, além do campo, da qualidade, é a nossa convivência. E isso facilita muito as coisas. Eu estou aqui há mais de 30 dias, uns há mais de 40, e isso pode gerar um desgaste se não tem um bom ambiente, mas aqui a gente tem um bom ambiente perfeito. E o Pombo, como a gente chama ele, é uma pessoa muito querida por nós. Teve um problema de saúde e nós estamos muito felizes em poder contar com a volta dele", concluiu.