A afirmação e a superstição celeste com uma conquista inesquecível

Comentários()
Reprodução
Cruzeiro celebra 21 anos do bicampeonato da Copa Libertadores da América

Enquanto sonha com o tricampeonato da Copa Libertadores e o hexa da Copa do Brasil, o Cruzeiro celebra, nesta segunda-feira (13), os 21 anos de um memorável capítulo em suas páginas heroicas e imortais.

Em 13 de agosto de 1997, o gol de Elivelton, aos 30 minutos do segundo tempo, decretou a vitória celeste por 1 a 0 sobre o Sporting Cristal e o bicampeonato estrelado da Copa Libertadores.

O memorável título foi a coroação definitiva de alguns ídolos celestes, emocionou a China Azul e ainda foi a afirmação de um período mágico da história do Cruzeiro.

Um dos grandes destaques daquela conquista foi Dida, um dos melhores goleiros da história do futebol brasileiro, que foi fundamental para o título estrelado. Na defesa, o líder foi o zagueiro Wilson Gottardo, outro grande nome do título.

Já no meio-campo, Ricardinho, um dos grandes ídolos da história do Cruzeiro, e Palhinha, fizeram muita diferença, assim como Marcelo Ramos, outro grande ídolo estrelado, e Elivelton, o autor do gol do título, no ataque.

Elivelton Cruzeiro Libertadores 1997(Foto: Cruzeiro/Arquivo)

No banco de reservas, Paulo Autuori também foi fundamental, levando um time que tinha perdido seus três primeiros jogos na fase de grupos a um título inesquecível.

Além dos ídolos, aquela conquista também foi a afirmação de um período mágico. Na década de 1990, o Cruzeiro vinha acumulando conquistas antes de ser o dono da América. 

A Raposa ganhou a Supercopa da Libertadores em 1991 e 1992, a Copa do Brasil em 1993 e 1996, a Copa Ouro e a Copa Master da Supercopa em 1995, a Copa dos Campeões Mineiros em 1991 e o Campeonato Mineiro em 1990, 1992, 1994, 1996 e 1997, antes de faturar o bi da Libertadores, o maior troféu da sequência.

Cruzeiro Libertadores 1997

E sequência que continuou, porque o Cruzeiro conseguiu o incrível feito de conquistar pelo menos um título por ano durante 15 anos seguidos.

Agora, enquanto celebra o bicampeonato da Libertadores, a Raposa sonha com o tri em 2018 e tem uma superstição para animar seu torcedor. Em 1997, o Cruzeiro conquistou a América 21 anos depois de vencer a competição pela primeira vez, em 1976. Será que o tri virá neste ano?

Fechar