Duda Kroeff admite venda de Rafael Carioca

Presidente eleito cedeu às pressões de empresários e diz entender o jogador

Depois de recusar nesta segunda-feira a oferta do Spartak de Moscou de 8 milhões de euros (quase R$ 25,4 milhões) pelo passe do volante Rafael Carioca, o presidente eleito do Grêmio, Duda Kroeff admitiu nesta terça-feira que dificilmente a transferência não acontecerá.

Kroeff acabou cedendo à pressão dos empresários, dos investidores e do próprio volante, que expressou o desejo de ir para o futebol russo. Contudo, o dirigente preferiu não julgar o jogador e disse entender as motivações de Rafael Carioca.

- Com a crise mundial, só estão chegando propostas e sondagens do Leste Europeu e dos países árabes. O jogador pensa em sua família e não quer perder a oportunidade - disse o presidente eleito.

O Grêmio receberá em torno de 4 milhões de euros (R$ 12,7 milhões) na venda de Rafael Carioca uma vez que o clube detém 50% dos direitos econômicos do volante. A outra metade será dividida entre os investidores e os empresários.

Outra transferência dada como certa é a do zagueiro Léo. Nesta quarta-feira, são esperados representantes do Dínamo Kiev, da Ucrânia, que vêm tentar a contração do jogador. O Grêmio detém 55% dos direitos econômicos e deverá ficar com algo em torno dos 2,5 milhões de euros (R$ 7,9 milhões).

Aqueles que criticam a saída dos jogadores do Grêmio apontam para a impaciência e a falta de visão de Rafael Carioca, e mesmo de Leo, por fecharem com times do Leste Europeu. Segundo os críticos, os jogadores deveriam esperar a oferta de algum clube de ponta da Europa.

Citam o caso do também ex-gremista Lucas, que no ano passado recusou uma oferta do Lokomotiv, de Moscou, e acabou premiado com um contrato com o Liverpool. O que Duda Kroeff discorda:

- No ano passado não havia crise e o mercado da Europa Ocidental estava fervendo. Além disso, o Lucas teve mais visibilidade.