Gol Monumental de Juninho Pernambucano completa 17 anos em dia de festa para o River Plate

O tempo entre o gol de Juninho Pernambucano no Monumental de Nuñez e a classificação do River Plater à final da Libertadores

Os torcedores do River Plate acordaram mais felizes nesta quarta-feira. Após 19 anos, o time argentino voltou a ser finalista da Copa Libertadores da América, ao bater o Guarani nas semifinais. Mas há exatos 17 anos, não era bem assim que os Milionarios se sentiam. Foi em 22 de julho de 1998 que o Vasco eliminou o River em pleno Monumental de Nuñez, graças ao gol igualmente monumental de Juninho Pernambucano. 

Em 1998, Vasco e River fizeram uma final antecipada da Libertadores nas semis. Representantes das duas maiores forças do futebol sul-americano, a equipe que saísse viva do confronto chegaria com amplo favoritismo na decisão do torneio. E no primeiro jogo, vitória de 1 a 0 do clube carioca, em São Januário, com gol de Donizete. 

Entretanto, foi na semana seguinte, 22 de julho, que a vaga na grande final foi decidida. O River Plate mostrou sua força em Buenos Aires e encontrou o gol logo aos 22 minutos do primeiro tempo, nos pés de Juan Pablo Sorín. A partida parecia se encaminhar para a disputa de pênaltis, quando, aos 37 minutos da etapa final, uma das páginas mais marcantes da história cruzmaltina foi escrita. 

Juninho Pernambucano, que havia entrado no lugar do artilheiro Luisão, teve a oportunidade de cobrar uma falta da intermediária. Na época com 23 anos, o jogador mostrou o seu talento na bola parada. Numa linda cobrança, colocou a bola lá dentro do gol de Burgos. O gol da classificação do Vasco. O gol de Juninho, Monumental. 


Foto: Divulgação/Vasco.com.br

A cobrança de falta de Juninho acabou vista e revista milhares e milhares de vezes nesses últimos 17 anos. Indiscutivelmente, um dos gols mais importantes da história do Vasco, que conquistaria o seu primeiro e único título da Libertadores naquela temporada, contra o Barcelona de Quayaquil. 

O lance espetacular tem um lugar especial na memória e no coração de cada torcedor vascaíno. Mesmo aqueles que nasceram depois da Libertadores de 1998 entoam nas arquibancadas de São Januário ou do Maracanã o cântico criado para exaltar o momento histórico de um dos clubes mais importantes do país: “Contra o River Plate sensacional. Gol do Juninho, Monumental”. 


Foto: Getty Images

Hoje, 17 anos depois de Juninho Pernambucano ter sido o carrasco do clube argentino, os Milionarios comemoram a classificação para a final da Libertadores que deixou escapar em 1998. Curiosamente, com um gol de empate, fora de casa, aos 37 minutos do segundo tempo, marcado por Lucas Alario, que completa 23 anos em outubro. Já pode entrar para o livro de (boas) histórias do futebol.