thumbnail Olá,

No reencontro de Mourinho com Drogba e Sneijder, o Goal.com faz uma seleção do dream team com as grandes estrelas do português em Porto, Chelsea, Inter e Real Madrid

DEBATE
Por Ben Hayward

Ele já trabalhou com a nata. José Mourinho treinou alguns dos maiores talentos da Europa na última década, começando com o seu grande Porto, que surpreendeu o continente ao conquistar a Champions League em 2004, passando por um Chelsea que chegou muito perto do seu santo graal e dominou domésticamente, uma Inter avassaladora que fez história, e, agora, um Real Madrid que quer chegar pela terceira vez consecutiva à semifinal da maior competição interclubes do mundo.

Para avançar até os quatro últimos, os homens de Mourinho devem derrotar o Galatasaray, mas no caminho dos espanhóis estarão dois dos maiores talentos que já passaram pelas mãos de Mourinho - Didier Drogba e Wesley Sneijder. Então, enquanto o marfinense e o holandês tentam sabotar o homem que os levou ao Chelsea e à Inter, respectivamente, o Goal.com escolhe um possível dream team dentre os jogadores do Porto, Chelsea, Inter e Real de Mou.

É impossível fazer essa seleção sem deixar de lado um sem número de craques, jogadores considerados entre os melhores do mundo. Ainda assim, a ideia não era escolher simplesmente os 11 melhores, mas a melhor formação de jogadores durante o tempo em que estiveram sob a orientação de Mourinho. E, depois de muita deliberação, foi decidido que este time jogaria numa formação 4-3-3, o sistema preferido do português no Porto e no Chelsea, e não no seu 4-2-3-1 atual. Então, aqui vai...

Quatro homens brigam pela vaga no gol. Vitor Baía era um arqueiro experiente e um líder natural no Porto, enquanto Petr Cech se mostrou uma revelação no Chelsea e Júlio César elevou seu nível na Inter quando Mourinho conquistou tudo com o time milanês. Mas o melhor do grupo é Iker Casillas. Atualmente afastado e com sua rota de volta aos titulares do Real potencialmente bloqueada pela surpreendente emergência da contratação de última hora Diego López, Casillas segue como um dos melhores do mundo na posição e, por isso, é a escolha óbvia.


Há algumas decisões difíceis a serem tomadas sobre o restante da equipe. Candidatos para a lateral-direita incluem Maicon, que esteve na sua mais brilhante forma sob Mourinho, com suas atuações ofensivas de tirar o chapéu na campanha da tríplice coroa em 2009-10, seu ex-companheiro de Inter e lenda, Javier Zanetti, e Sergio Ramos, do Real Madrid. Aqui, Zanetti recebe um aceno devido às suas grandes performances contra Lionel Messi na semifinal da Champions League diante do Barcelona (ainda que na esquerda), e sua consistência em geral em ambos os lados do campo durante as duas bem sucedidas temporadas do português na Itália. Paulo Ferreira e Álvaro Arbeloa provavelmente nem estariam no elenco.

No miolo de zaga, John Terry e Ricardo Carvalho se destacam entre inúmeros outros grandes defensores, como Ramos, Pepe, Lúcio, Walter Samuel e Marco Materazzi. Carvalho foi uma rocha para Mourinho no Porto e depois formou uma parceria excelente com Terry em Stamford Bridge. Sua primeira temporada no Real também foi sólida, ainda que, agora, esteja no crepúsculo da sua carreira e não possa mais competir por um lugar entre os titulares no Santiago Bernabéu. Enquanto isso, se Raphael Varane continuar na sua atual progressão, o jovem francês mutio provavelmente se tornará melhor do que qualquer um dos citados anteriormente, enquanto Ramos pode se considerar azarado por ficar de fora depois de demonstrar ótima forma na zaga central em 2011-12.

Com Zanetti na direita, Ashley Cole começaria jogando na lateral-esquerda neste time. O lateral inglês deixou o Arsenal chateado quando se encontrou publicamente com representantes do Chelsea antes de completar uma controversa transferência para o outro lado de Londres, mas seguiu em frente para se tornar o melhor lateral-esquerdo do mundo sob Mourinho. Ele simplesmente precisa estar na seleção. Marcelo é outra alternativa, mas Mourinho não parece confiar plenamente no brasileiro defensivamente. Fábio Coentrão e Christian Chivu fazem apenas número.

Claude Makelele é a escolha lógica para o meio-campo defensivo. O ex-jogador francês era tão eficaz na sua posição à frente da zaga no Chelsea que a posto foi nomeado em sua homenagem. Ainda que não tenha sido tecnicamente brilhante, seu fôlego inesgotável, habilidade de recuperar a bola e boa distribuição de jogo fazem dele um 'must' na seleção. Em um dream team de Mourinho, a 'posição Makelele' não poderia ser preenchida por outra pessoa que não o próprio. Então Sami Khedira, Thiago Motta e Costinha, os excelentes volantes no Real, Inter e Porto, respectivamente, ficam de fora.



Com Makelele ficando atrás, Frank Lampard ficaria responsável por prover os gols a partir do meio-campo. No Chelsea, Mourinho descreveu o meia inglês como "o melhor do mundo" e considerou levar a revelação do West Ham para Madrid. Xabi Alonso infelizmente fica de fora aqui, enquanto Esteban Cambiasso, da Inter, e Maniche, do Porto, foram outros candidatos com boas bases, mas a taxa de gols de Lampard - um aspecto do seu jogo que melhorou dramaticamente depois da chegada de Mourinho aos Blues, chegando a 15, 19 e 20 gols por temporada com o português depois de não passar de oito no ano anterior - dão a ele um lugar entre os titulares.

Entre os 'camisas 10', as opções são sublimes. Wesley Sneijder foi tão importante para a Inter em 2009-10, e tão terrivelmente sem sorte de não levar o Ballon d'Or depois de carregar a Holanda até a final da Copa do Mundo da África. Desde então, o holandês caiu em desgraça e batalhou contra as lesões, mas, nas duas temporadas de Mourinho da Inter, ele foi o melhor do mundo na função. Deco tinha um papel similar no Porto e passa muito perto, junto de Mesut Özil e Kaká, que viveu seus melhores anos antes de se associar ao treinador.

E então chegamos aos atacantes. Cristiano Ronaldo tem vaga cativa, é claro, elevando seu jogo e seu faro de artilheiro a um nível totalmente novo sob o comando do seu compatriota desde que chegou ao Real. E ao português no ataque se juntam dois jogadores mais centrais, Diego Milito e Didier Drogba. O marfinense é o arquétipo centroavante de Mourinho e um jogador que se tornou sinônimo do Chelsea, enquanto o argentino desempenhou um papel impressionante na tríplice coroa da Inter em 2009-10, marcando os dois gols da final da Champions League contra o Bayern de Munique, além de alguns tentos cruciais nas fases anteriores, o gol da vitória na Copa da Itália e o gol que garantiu o título da Serie A também. Com tudo isso sendo levado em consideração, Milito tem de estar no time. Arjen Robben e Joe Cole ficam de fora apesar de suas boas fases no Chelsea, bem como o trio madridista formado por Karim Benzema, Gonzalo Higuaín e Angél Di Maria, o grande Zlatan Ibrahimovic do primeiro ano de Mou na Inter, Samuel Eto'o (frequentemente sacrificado pelo treinador na Itália na ala esquerda) e Luis Figo (cuja associação com o técnico aconteceu no fim de uma brilhante carreira).

O que você acha dos nossos onze titulares? Muitos Blues? Sem jogadores do Real suficientes? Deveria o Porto ter mais representantes? Quem deveria ter entrado e ficou de fora? Dê os seus pitacos nos comentários!


GOLEIRO

Iker Casillas
(Real Madrid)


LATERAL-DIREITA
ZAGA
ZAGA
LATERAL-ESQUERDA

Javier Zanetti
(Inter)

John Terry
(Chelsea)

Ricardo Carvalho
(Porto, Chelsea, Real)

Ashley Cole
(Chelsea)


MEIO-CAMPO
MEIO-CAMPO
MEIO-CAMPO

Claude Makelele
(Chelsea)

Wesley Sneijder
(Inter)

Frank Lampard
(Chelsea)


ATACANTE PELA DIREITA
CENTROAVANTE
ATACANTE PELA ESQUERDA

Diego Milito
(Inter)

Didier Drogba
(Chelsea)

Cristiano Ronaldo
(Real Madrid)

Relacionados