thumbnail Olá,

Goal.com analisa a situação dos brasileiros convocados que atuam na Inglaterra - adversária desta tarde - e dos que podem fazer parte de futuras listas

Antes do amistoso entre Brasil e Inglaterra, que acontece em Wembley como parte das celebrações de 150 anos da Federação Inglesa de Futebol, a Goal.com analisa a situação dos brasileiros que atuam na Terra da Rainha e conhecem de perto os adversários que terão pela frente nesta quarta-feira.

Neste primeiro jogo de Luiz Felipe Scolari no seu retorno ao comando da Seleção, ele mesmo admite que não pôde convocar todos os jogadores que gostaria e a formação não será a ideal. De olho nas oportunidades, além dos já convocados, que brasileiros "ingleses" também podem se juntar ao grupo no futuro e correm por fora na briga por uma vaga entre os jogadores que irão disputar a Copa das Confederações a Copa do Mundo de 2014?

JÚLIO CÉSAR
Depois de um longo período em baixa na Inter de Milão e uma fase no congelador, Júlio César vem se destacando no Queens Park Rangers, ainda que o time seja o atual lanterninha da Premier League.

Mano Menezes nunca conseguiu definir com clareza quem seria o seu Camisa 1, o que fez com que ninguém tenha se firmado na posição deixando o posto totalmente em aberto. Com isso, uma nova oportunidade foi dada a Júlio de começar de novo e apagar da mente dos brasileiros as falhas que o levaram a perder seu lugar na Seleção para nomes como Victor, Jefferson, Diego Alves e Diego Cavalieri.

A disputa é acirrada, mas sem unanimidades. Todo treinador precisa dos seus jogadores de confiança, e Felipão demonstra com essa convocação a sua intenção de fazer do ex-Flamengo o seu goleiro, assim como Marcos o foi na Copa de 2002. Agora fica a expectativa sobre qual Júlio César veremos na era 2.0 da Família Scolari: o do auge na Inter de Milão ou da Copa de 2010 na África do Sul.

DAVID LUIZ
Primeiro da trinca de brasileiros no Chelsea convocados por Felipão, David Luiz já tem meio caminho andado para se firmar como titular ao lado de Thiago Silva na zaga brasileira. Contava com a confiança de Mano Menezes e, aparentemente, segue com moral com Felipão, a ponto de ser o eleito para capitanear o Brasil no jogo de estreia do treinador, mesmo com nomes como Ronaldinho e Júlio César em campo.

Esta partida contra a Inglaterra, em particular, será um momento chave na disputa entre os zagueiros que almejam estar na Copa das Confederações: a lesão de Thiago dá a ele, assim como ao novato Dante, uma ótima oportunidade de brilhar individualmente. No Chelsea, ele chegou a ser muito criticado por suas ‘loucuras’ e inconstâncias dentro de uma mesma partida: David era capaz de marcar um golaço e, pouco depois, cometer um pênalti bobo e ser expulso.

Na atual temporada, apesar da fase relativamente ruim dos Blues, cresceu de produção e revelou-se também uma opção muito versátil, que pode particularmente agradar a Felipão: Rafael Benítez o avançou para o meio-campo, fez dele um volante em algumas oportunidades e gostou do resultado. Será ele o novo Edmilson?

RAMIRES
O ex-jogador do Cruzeiro já viveu dias de mais prestígio na Inglaterra, mas continua sendo um dos principais nomes do meio-campo do Chelsea. Perdeu um pouco do espaço com Mano Menezes, mas logo de cara recebe uma nova oportunidade com Felipão.

A má fase do seu time e as trocas constantes de treinador (desde que chegou ao clube, em 2010, Ramires já teve quatro comandantes diferentes; o atual, Rafael Benítez, é interino) obviamente influenciam na qualidade das atuações, não só dele, como de todos os seus companheiros. O jogo mais físico dos ingleses obrigou Ramires a fortalecer suas qualidades de marcação, mas as investidas ao ataque, com sua clássica arrancada que ninguém segura, partindo do meio-campo, continuam sendo seu grande trunfo.

Porém, Arouca e Hernanes (que se machucou e foi cortado), e nomes como os de Lucas Leiva e Sandro representam uma sombra para o volante, que terá de suar a camisa para garantir um lugar entre os 11 titulares de Felipão em uma posição que promete disputa acirrada.

OSCAR
Desde que trocou Porto Alegre por Londres, Oscar só cresceu de produção. Muitos pensaram que o físico um pouco franzino do meia fosse dificultar a sua adaptação em um time recheado de medalhões e onde a exigência por alta performance é grande. Que nada! Oscar chegou, jogou e impressionou, tornando-se queridinho da torcida com atuações como contra a Juventus pela Liga dos Campeões, em Stamford Bridge, onde marcou dois gols – um deles uma verdadeira pintura.

Com Rafa Benítez, Oscar perdeu o status de titular absoluto em favor de Eden Hazard, mas continua sendo um dos nomes mais óbvios em listas de convocação para a Seleção. Se mantiver o nível apresentado no Chelsea, especialmente nos primeiros meses de clube, tem tudo para se garantir entre os relacionados para a Copa das Confederações.

Pode vir a disputar espaço com Kaká, que ainda não conseguiu ter nenhuma temporada 100% consistente no Real Madrid, e Jadson, que ofusca completamente Paulo Henrique Ganso no São Paulo. Contra a Inglaterra, começa logo como titular e irá dividir espaço com o experiente Ronaldinho Gaúcho.

Correndo por fora

LUCAS LEIVA
Quase sempre presente nas convocações de Mano Menezes, Lucas passou a última temporada sofrendo com lesões. Em 2012-13, depois de passar meses em recuperação, voltou e, mais uma vez, se machucou, o que prejudicou muito a continuidade da sua carreira na Seleção.

O volante ainda busca sua melhor forma, mas já dá sinais de progresso. Um dos principais nomes do Liverpool, Lucas tem potencial para se tornar o xerifão do meio-campo de Luiz Felipe Scolari. Descobriu-se como primeiro volante após a saída de Mascherano para o Barcelona e, desde então, obliterou toda a desconfiança que ainda existia a seu respeito por parte da torcida dos Reds, chegando a ser eleito jogador do ano no clube em 2010-11.

Se voltar a exibir o mesmo futebol de antes da lesão, tem tudo para ganhar mais chances. O tempo até a Copa das Confederações, entretanto, quando o grupo pra 2014 deve se firmar, é curto, o que joga contra Lucas.

SANDRO
Sandro viveu altos e baixos no Tottenham: começou muito bem, caiu de produção, foi para a reserva e voltou aos titulares com André Villas-Boas, que fez dele seu homem de confiança no meio-campo dos Spurs. Poderia tranquilamente estar entre os convocados para enfrentar a Inglaterra, mas uma grave lesão o tirou não só do amistoso como do restante da temporada.

Assim como Lucas, o tempo é seu principal adversário. Só estará totalmente recuperado e atuando regularmente depois da Copa das Confederações, quando é provável que o grupo para a Copa de 2014 esteja praticamente fechado. Isso quer dizer que, tal qual o brasileiro do Liverpool, terá de ter um algo extra e se desdobrar para mostrar a Felipão que merece tomar o lugar de alguém nas listas pré-Mundial.

RAFAEL
Com apenas 22 anos, Rafael já tem 118 aparições pelo Manchester United. Chegou ao clube aos 17, junto do irmão gêmeo, Fábio, sem ter feito uma partida sequer pelos profissionais do Fluminense. Mas, enquanto Fábio acabou sendo emprestado ao Queens Park Rangers, Rafael tomou conta da lateral-direita dos Red Devils e resolveu uma dor-de-cabeça crônica do treinador ao conquistar a confiança do notoriamente exigente Sir Alex Ferguson.

Apesar da pouca idade, Rafael já tem experiência disputando algumas das maiores competições do mundo com o United, o que certamente conta a seu favor. Contra, o fato de que compete por posição com Daniel Alves, um dos nomes mais constantes na Seleção nos últimos anos, ainda que tenha apresentado uma queda de produção recentemente.

Além dele, Rafael ganhou também a concorrência do versátil Adriano, lateral-esquerdo de ofício que frequentemente assume a direta do Barcelona, inclusive deixando seu compatriota no banco de reservas.

Relacionados