História: "A polêmica final de 1966"

Lance do terceiro gol inglês na final da Copa de 66 provoca discussões até hoje.
A final da Copa do Mundo de 1966 talvez seja um dos jogos de futebol mais discutidos de todos os tempos. Tudo por causa do lance que resultou no terceiro gol da campeã Inglaterra, que até hoje divide torcedores entre os que acreditam que a bola ultrapassou a linha e, portanto, o gol foi validado corretamente, e os que acham, como a maioria dos derrotados alemães, que a bola quicou somente na linha.

Antes do fatídico lance ocorrer, Inglaterra e Alemanha entraram em campo vislumbrando o estádio de Wembley completamente abarrotado para assistir a primeira decisão de Copa do Mundo disputada pelos inventores do futebol. Logo no início, com apenas 12 minutos, a Alemanha abriu o marcador com Haller, aproveitando cruzamento de Held.

A vantagem germânica não se sustentaria por muito tempo. Aos 19, os anfitriões empataram quando Bobby Charlton levantou na área e Geoff Hurst cabeceou com força. Loucura total dos mais de 98 mil espectadores no lendário estádio.

No segundo tempo, a euforia inglesa continuaria com um belo chute acertado por Martin Peters, que decretou a virada para 2 a 1. Mas no minuto final, quando os britânicos já se preparavam para comemorar seu primeiro título mundial, Weber aproveitou uma confusão na grande área inglesa e completou para as redes, empatando em 2 a 2 e levando o jogo para a prorrogação.

Foi no tempo extra que surgiu o polêmico lance, que é discutido até hoje. Aos 11 minutos, Geoff Hurst acertou um potente chute, que acertou o travessão e quicou no chão, antes da zaga alemã afastar a bola. Enquanto os jogadores ingleses comemoravam acreditando que a bola havia ultrapassado a linha, o árbitro suíço Gottfried Dienst parecia indeciso. Depois de consultar o bandeirinha Tofik Bakhramov, da extinta União Soviética, Dienst confirmou o gol que deu a vantagem para a Inglaterra.

Nos minutos finais, a Inglaterra ainda ampliou com outro gol de Hurst, aproveitando o desespero da Alemanha, que jogou todo o seu time para frente na busca do empate. A celebração foi total em Wembley, com os ingleses eufóricos pela conquista de sua primeira e única Copa do Mundo, erguida pelo capitão Bobby Moore.

Quem achava que o jogo terminaria ali, porém, estava enganado. Até hoje são feitas referências ao lance que resultou no terceiro gol inglês. Na Alemanha, por exemplo, toda vez que um lance semelhante resulta em gol os alemães o denominam “Wembley-Tor”(gol de Wembley). Na Euro 96, disputada na Inglaterra, a Alemanha atuou com uma camisa idêntica àquela utilizada em 66, como forma de protesto. Esses são só alguns exemplos do tamanho da polêmica criada por um dos lances mais célebres e discutidos da história do futebol.

André Baibich