Dirigentes da Fifa são presos na Suíça

Ex-Presidente da CBF, José Maria Marin, estaria entre os envolvidos na operação que foi realizada a pedido da justiça norte americana

A madrugada em Zurique, na Suíça, foi bastante agitada. Logo no início desta quarta-feira a Polícia local realizou uma operação surpresa em que dirigentes da Fifa foram presos a pedido da justiça norte-americana, que investiga ações fraudulentas. Ainda que não haja uma lista oficial dos envolvidos, informações dão conta que o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, José Maria Marin, estaria entre os detidos. 

O Departamento Federal de Justiça da Suíça relatou que pelo menos 14 dirigentes estariam sendo investigados após as suspeitas de procedimentos ilegais para a escolha das sedes da Copa do Mundo de 2018 e 2022. 

DIRIGENTES REUNIDOS PARA ELEIÇÃO DA ENTIDADE

Os cartolas estavam reunidos na Europa para participar do Congresso da entidade máxima do futebol, quando Joseph Blatter tentará ser reeleito para exercer o seu quinto mandato. 

De acordo com o porta-voz da Fifa, Walter Gregorio, Blatter não está entre os detidos, sendo que o único nome confirmado até o momento seria do presidente da Concacaf, Jeffrey Webb. 


O porta-voz da Fifa, Walter Gregorio, falou a respeito do escândalo na entidade - Getty Images

Por meio de um comunicado oficial, a polícia suíça confirmou a ação ocorrida em Zurique.

"Por ordem do Escritório Federal de Justiça, dirigentes de futebol foram presos em Zurique na quarta-feira e detidos à espera de extradição. As autoridades americanas suspeitam que os mesmos tenham recebido subornos na ordem de milhões de dólares norte-americanos. Mandados de detenção foram emitidos na sequência de um pedido apresentado pelas autoridades norte-americanas. As autoridades dos Estados Unidos, sediadas em Nova Iorque, irão conduzir as investigações destes indivíduos por suspeita de aceitação de subornos, que teriam acontecido entre o início de 1990 até os dias atuais", confirmou o comunicado da Polícia de Zurique.

RIVAL DE BLATTER SE PRONUNCIA


Ali Bin Al Hussein (E), candidato de oposição se pronunciou após os fatos - Getty Images

O adversário de Jospeh Blatter na disputa pelo comando da Fifa, o príncipe da Jordânia Ali Bin Al Hussein, se pronunciou após a confirmação da operação. Embora seja um fator com possibilidades de reverter o quadro eleitoral da entidade, no qual o atual mandatário aparece como favorito ao pleito, ele lamentou o cocorrido, mesmo sem querer se aprofundar no caso. 

"Hoje é um dia triste para o futebol. É evidente que esta é uma história que ainda está sendo investigada, cujos detalhes ainda estão surgindo. Não seria apropriado fazer mais comentários neste momento".