Colômbia vence o Mundial de Futebol de Rua realizado em São Paulo

Evento reuniu 24 delegações de 20 países diferentes e contou com o apoio do Papa Francisco, que enviou uma carta lida antes da final

A Seleção da Colômbia foi a grande campeã do Mundial de Futebol de Rua, realizado em São Paulo. Os sul-americanos venceram Israel, na final, por 6 a 3.

O torneio contou com a participação de 24 delegações com jvoens vindos de 20 países diferentes. As partidas foram em dois locais diferentes da cidade, no tradicional Largo do Batata e na Praça da República, palco das semifinais e a da final.

Cerca de 6.000 espectadores acompanharam o evento, que teve entrada gratuita. As delegações representavam projetos sociais distintos, que têm em comum a prática do Futebol de Rua para abordar temas como exclusão, discriminação e violência.

O criador da metodologia do Futebol de Rua e secretário do movimento, Fabián Ferrero, destacou a importância do Mundial para a vida dos jovens e para a sociedade.

"Era um desafio muito grande realizar o Mundial no Brasil. Ao cumprir com todos os objetivos, estamos felizes e podemos dizer que foi um grande Mundial, um torneio inesquecível", afirmou Ferraro.

O Papa Francisco enviou uma carta a todos os jovens envolvidos no torneio, que foi lida antes da partida entre Colômbia e Israel.

"Essa final do Mundial de Futebol de Rua é um exemplo de construção da cultura do encontro e nos mostra que, quando queremos e nos propusemos a alcançar algo difrente, podemos. Eu vos animo, queridos jovens, a que sigam joagndo em cidade, cada bairro, onde, sem árbitro, todos dialogam sobre o desenvolvimento do jogo para acordar quem foi o ganhador", escreveu o Pontífice.

O movimento não tem nenhuma relação com a FIFA, devido à diferença entre os objetivos e valores entre a entidade e as ONG's que formam o movimento.

O Futebol de Rua tem muitas diferenças em relação ao convencional. Não há árbitros e nem distinção de sexo. E são realizados três tempos: no primeiro, as equipes discutem as regras, no segundo tem a partida em si e no terceiro elas fazem um balanço do jogo, que também vale pontos. Ou seja, não necessariamente quem marca mais gols vence.