Botafogo x Fluminense: O polêmico campeonato de 1907

Na véspera do clássico, a Goal defendeu os motivos de cada clube para o tão polêmico título estadual

Em sua estreia no Campeonato Carioca de 2016, o Botafogo reacendeu uma das maiores polêmicas da história do nosso futebol. Na vitória por 2 a 0 sobre o Bangu, o Glorioso usou uma camisa, que homenageava o tetracampeonato conquistado entre 1932 e 1935. O Fluminense não gostou, e relembrou o tetra das quatro primeiras edições do estadual (de 1906 até 1909).

O argumento botafoguense foi rápido: o clube seria o único tetracampeão em campo. Afinal de contas, o título de 1907 foi dividido entre os rivais que fazem o clássico mais antigo do Brasil. O troféu foi para tricolores e alvinegros por causa de confusões feitas pela liga responsável pelo certame. No meio da polêmica, cada lado apresentou o seu argumento. Durante muitos anos, o clube de General Severiano brigou na Justiça, e a questão demorou décadas até ser resolvida... mas ainda gera muita discussão. Confira!

Botafogo chamou Fluminense ‘para a briga’, mas Tricolor declinou

Foram 90 anos de brigas nos tribunais. E, a favor do Botafogo, a vontade de, na época, enfrentar o Fluminense para decidir quem ficava com o título.

Recapitulando: a partida entre Fluminense e o extinto Internacional carioca não aconteceu, já que o adversário do Flu estava suspenso pela Liga Metropolitana de Esportes Athléticos. A equipe das Laranjeiras ficou com a vitória por W.O., mas não teve gols computados em seu favor.

Na última rodada, o Botafogo enfrentaria o Internacional e tinha como objetivo fazer o maior número de gols possíveis – afinal de contas, o saldo de gols poderia decidir o troféu e o adversário era o lanterna do certame. Entretanto, o Internacional não compareceu à partida, e também não explicou o porquê da decisão.

No final das contas, o Fluminense igualou o Alvinegro em número de pontos e, por ter o saldo melhor, tinha a vantagem. O Botafogo, sentindo-se prejudicado, propôs à liga uma grande final contra o Tricolor, para que o verdadeiro campeão fosse decidido em campo.

A equipe das Laranjeiras recusou, alegando que o regulamento previa desempate por saldo de gols. Entretanto, como pôde ser visto em decisão judicial em 1989, tomada após estudo da alegação alvinegra, aquele torneio não tinha um regulamento, e sim um estatuto... que não fazia qualquer referência a uma definição de título por gols.

A vantagem daquele time, que teve também Flávio Ramos como artilheiro do campeonato (seis gols), os argumentos que provam o ponto são terem esperado o jogo contra o Internacional, além do fato de sempre estarem abertos a enfrentar o Fluminense, para decidir o campeonato no gramado. Como foi um torneio decidido nos tribunais, o Glorioso tem a sua razão de se autoproclamar o ‘único tetracampeão em campo’, por ter conquistado os estaduais de 1932, 1933, 1934 e 1935.


Equipe tricolor campeã em 1907 (Foto: Reprodução)

Solução alvinegra obviamente foi descartada pelo Tricolor

Pelo lado do Fluminense, nunca existiu polêmica. O clube apenas fez valer o seu direito com base da ata da resolução da LMSA, na qual dizia: "Fica resolvido que na presente estação, quando se der empate no final dos campeonatos, em vez de ser jogado o desempate, tira-se a média dos gols entre os empatados, sendo declarado campeão o que melhor média apresentar."

Assim, o Fluminense sagrou-se campeão após a vitória sobre o Paysandu por 2 a 0, no dia 27 de outubro de 1907. O Tricolor alcançou a melhor média de gols (16), enquanto o Alvinegro contabilizava 15.

Obviamente, a solução encontrada pelo Botafogo de realizar uma final entre eles foi descartada pelo Fluminense, pois já havia conquistado o título com todos os méritos dentro de campo. Além do mais, a equipe teve o melhor ataque e a melhor defesa do campeonato.

Resumindo: o Fluminense resolveu dentro de campo, e conquistou o título com todos os méritos, fazendo valer a melhor média de gols entre as equipes. Como já previa a resolução da LMSA.