Seleção do futebol feminino nas Olimpíadas de Tóquio fica sem brasileiras

Kosovare Asllani Vivianne Miedema Ashley Lawrence splitGetty/Goal
  • Stephanie Labbe Canada Women 2021Getty

    Stephanie Labbe | Canadá

    Os Jogos Olímpicos de Stephanie Labbe foram um destaque da mais alta qualidade.

    Depois de sofrer uma dolorosa lesão na costela no primeiro jogo contra o Japão, a goleira enxugou as lágrimas, levantou-se e defendeu um pênalti de Mina Tanaka. Labbe precisou ficar de fora do segundo jogo, mas depois de retornar no terceiro e último jogo do grupo, fez duas defesas de pênaltis na vitória sobre o Brasil nas quartas de final, além de mais duas defesas na final contra a Suécia.

  • Ashley Lawrence Canada Women 2021Getty

    Ashley Lawrence | Canadá

    Fria como gelo. Essa é a melhor maneira de descrever o torneio olímpico de Ashley Lawrence. A postura que ela apresentou, a tornou uma das defesas mais cruéis dos Jogos, tanto em enfrentar as atacantes, quanto em jogar pela retaguarda. Foi absolutamente soberba.

    A jogadora de 26 anos, que também joga no meio-campo, foi a lateral-direita mais destacada do Japão. Mas Lawrence também prosperou em seu jogo de ataque, provando ser uma ameaça quando o Canadá avançou. Ela completou 10 dribles, um total superado por apenas três jogadoras, e deu uma assistência brilhante para Adrianna Leon no empate em 1 a 1 com a Grã-Bretanha na fase de grupos.

  • Ellie Carpenter Australia Women 2021Getty

    Ellie Carpenter | Austrália

    Ellie Carpenter costuma ser lateral-direita - e uma das mais empolgantes do mundo. No entanto, para a Austrália nesta Olimpíada, ela foi destacada como zagueira central, e foi absolutamente excepcional.

    Quando não estava parando algumas das melhores jogadoras do mundo, ou realizando partidas de última hora brilhantes com o benefício de seu ritmo relâmpago, Carpenter foi capaz de avançar e adicionar algum ímpeto às Matildas no ataque, mesmo que seu papel pode ter sido visto como mais defensivo.

    O torneio da jogadoras de apenas 21 anos terminou com uma nota amarga, com um cartão vermelho nos últimos segundos da derrota da Austrália nas semifinais para a Suécia, mas não pode diminuir as maravilhosas duas semanas de uma das melhores jovens talentos do mundo.

  • Vanessa Gilles Canada Women Alex Morgan USWNT 2021Getty

    Vanessa Gilles | Canadá

    A qualidade de Gilles foi mostrada durante todo os Jogos Olímpicos. Ninguém afastou mais o perigo do que a zagueira. Ela até garantiu a classificação à semifinal após vencer o Brasil nas penalidades. Poucas jogadoras contribuíram tanto como ela para a medalha de ouro.

  • Magdalena Eriksson Sweden Women 2021Getty

    Magdalena Eriksson | Suécia

    Magdalena Eriksson estabeleceu-se firmemente como uma das melhores zagueiras do mundo. A capitã do Chelsea levou o seu clube ao título da Super Liga Feminina, além do triunfo da Copa Continental e chegou à final da Champions League Feminina na temporada passada, em uma de suas melhores temporadas.

    Nos Jogos Olímpicos, ela começou nessa posição pela Suécia, mas logo se viu mostrando sua versatilidade, bombardeando a ala esquerda como lateral.

    Mudar de posição não é problema para uma jogadora com a inteligência futebolística de Eriksson, que, além de vencer todos, exceto um dos desarmes que tentou nos Jogos, também marcou um grande gol na vitória da Suécia por 3 a 1 sobre o Japão nas quartas de final, ajudando seu país a conquistar outra medalha de prata.

  • Caroline Seger Sweden Women 2021Getty

    Caroline Seger | Sweden

    Caroline Seger pode estar no final de sua carreira aos 36 anos, mas ela estava em sua melhor forma neste Jogos Olímpicos de Tóquio e no coração do sucesso da Suécia.

    Com Filippa Angeldal ou Hanna Bennison fornecendo muita energia ao lado dela, Seger foi capaz de fazer o que ela faz de melhor, ditando o jogo e dominando o meio-campo.

    Ela ajudou a proteger a defesa e forneceu uma base sólida para as jogadoras ofensivas suecas prosperarem, especialmente a meia Kosovare Asllani. Não foi um papel que ocupou as manchetes, mas foi incrivelmente importante.

  • Kim Little Great Britain Women 2021Getty

    Kim Little | Grã-Bretanha

    Sempre que Kim Little tocava na bola nos Jogos, ela fazia a Grã-Bretanha parecer seriamente ameaçadora. Ela estava constantemente iluminando o maior palco, apesar de ter vindo para o torneio depois de uma temporada de contusões com o Arsenal.

    Esses problemas a nível de clube a deixou com uma grata surpresa na sua inclusão na equipe final, mas quando Little está na sua melhor forma, é imparável. Ela provou isso mais uma vez no Japão, classificando-se como a quinta jogadora mais criativa nos Jogos, apesar da Gra-Bretanhã ter sido eliminada nas quartas de final.

  • Kosovare Asllani Sweden Women 2021Getty

    Kosovare Asllani | Suécia

    A forma como a meia sueca se complementou perfeitamente neste Jogos ajudou Kosovare Asllani a dar o seu melhor.

    Apenas a australiana Steph Catley criou mais chances do que Asllani, de 32 anos. Seu cruzamento para o cabeceamento de Stina Blackstenius na vitória por 4 a 2 sobre a Austrália foi perfeito.

    Na decisão, ela colocou um passe perfeito para Blackstenius converter. No final, não foi o suficiente para a Suécia conquistar o ouro, mas Asllani ainda era uma das estrelas dos Jogos.

  • Sam Kerr Australia Women 2021Getty

    Sam Kerr | Austrália

    Em alguns momentos, Sam Kerr teve sua habilidade questionada. Depois de ficar sem marcar um gol nos primeiros cinco jogos de Tony Gustavsson no comando da Austrália na preparação para Tóquio, Kerr terminou os Jogos não apenas com seis gols em seis jogos, mas como a maior artilheira de todos os tempos da Austrália

    Não são apenas seus gols que foram cruciais para a improvável corrida de seu país às semifinais, com sua liderança, como capitã da equipe. A atitude de "nunca diga morrer" que define esta equipe brilhou durante todo os Jogos - e a confiança de Kerr são enormes em definir esse tom..

    Seu jogo completo também foi crucial. Mais uma vez, Kerr fez seus céticos engolirem suas palavras em um torneio sublime.

  • Vivianne Miedema Netherlands Women 2021Getty

    Vivianne Miedema | Países Baixos

    No início dos Jogos, o maior número de gols que uma jogadora marcou em um único torneio de futebol feminino dos Jogos Olímpicos foi seis. Mas daí, entrou Vivianne Miedema.

    A jovem de 25 anos marcou 10 vezes em quatro jogos, colocando-se apenas quatro gols atrás do recorde de Cristiane de mais gols marcados na história do torneio.

    Apesar de ter marcado dois gols contra a seleção feminina dos Estados Unidos nas quartas de final, não foi o suficiente para ajudar a Holanda a chegar às semifinais, pois perdeu nos pênaltis. Mas não se pode ignorar o brilho absoluto que Miedema trouxe para o Japão neste Jogos, com alguns de seus gols verdadeiramente deslumbrantes.

  • Fridolina Rolfo Sweden Women 2021Getty

    Fridolina Rolfo | Suécia

    Para muitos, Fridolina Rolfo foi a jogadora do torneio.

    Artilheira com três gols e provedora de duas assistências em apenas cinco jogos, a lateral foi anunciada como jogadora do Barcelona pouco antes do início das Olimpíadas e vem mostrando o porquê.

    Seu jogo de pés tem sido absolutamente hipnotizante, enganando as defensoras e ajudando a Suécia a ser o time mais emocionante do torneio.

    Seu instinto de goleira também foi sublime, especialmente seu acabamento improvisado para decidir o confronto na semifinal com a Austrália.

  • Barbra Banda Zambia Women 2021Getty

    Menções honrosas

    Em um torneio cheio de gols - 101 em 26 jogos - houve um excesso absoluto de jogadoras de ataque que brilharam. Barbra Banda, de apenas 21 anos, marcou hat-trick para a Zâmbia, o time com pior classificação nos Jogos.

    Stina Blackstenius também foi brilhante. Seu talento completou a Suécia, e seus cinco gols ajudaram a conquistar a medalha de prata.

    A brasileira Duda também ganhou notoriedade no cenário internacional, tendo disputado apenas alguns jogos com a seleção antes dos Jogos, enquanto Lauren Hemp estava entre uma série de jovens jogadoras a se destacar no Japão.

    Formiga, de 43 anos, também esteve excelente no que foi, provavelmente, seu último grande torneio, e Hedvig Lindahl, de 38 anos, impecável com a Suécia.