Uma desclassificação dolorida: os erros do Tottenham

Comentários
Em uma noite trágica, Spurs dominam jogo, sofrem a virada e são desclassificados da Champions League

Tudo parecia bem encaminhado. O Tottenham tinha conseguido um extraordinário empate no Allianz Stadium, já que havia saido perdendo por dois gols e foi buscar o resultado. No final do primeiro jogo, o time do norte de Londres saiu muito fortalecido e confiante para o jogo de volta. Porém, no segundo confronto, após dominar a partida e sair na frente com um gol de Son, um colapso parece ter acontecido e o time inglês tomou dois gols em 3 minutos. Assim, foi eliminado diante de 84 mil pessoas no Wembley.

O maior e mais grave erro da equipe comandada por Mauricio Pochettino foi a liberdade dada a Gonzalo ‘Pipita’ Higuaín. Com 3 gols e uma assistência, o argentino foi o nome do confronto. Participou de todos os gols da Juve, mesmo tendo perdido um pênalti no primeiro jogo.

Gonzalo Higuain Juventus(Foto: Getty Images)

A chave da atuação está no posicionamento e movimentação de Higuain. O técnico da Juve investiu na ideia de deixá-lo como homem de circulação na frente. Dificilmente o argentino teria grandes chances se jogasse enfiado no meio dos bons zagueiros dos Spurs (Davison Sanchez e Jan Vertonghen). Por isso, jogou muitas vezes como um meia, subindo ao ataque quando a real oportunidade surgisse. Também foi importante na recomposição defensiva da equipe.

Após abrir o placar em casa, os londrinos sofreram o empate em lance de oportunismo de Higuaín. Erikssen não acompanhou o argentino que apareceu sozinho para finalizar. O segundo gol surgiu de uma bola enfiada pelo atacante para seu compatriota Paulo Dybala.

Pochettino não conseguiu encontrar um jeito de neutralizar o atacante. E isso custou caro ao time inglês.

Massimiliano Allegri percebeu que tentar infiltrar pelo meio seria uma tarefa difícil devido aos dois meias defensivos (Dembelé e Dier), por isso propôs um jogo de contra-ataque pelas pontas. Usando principalmente Douglas Costa e Dybala como válvulas de escape. Khedira e Matuidi garantiram que o Tottenham também buscasse o jogo pelas laterais, tendo como principal jogador o coreano Son Heung-Min. Porém, Alex Sandro fechava a direita do ataque e Douglas Costas (que atuou praticamente como um ala) bloqueava a esquerda.

Uns dizem que a camisa pesou, outros falam que foi culpa do Wembley. Há tentativas de explicações para todos os gostos, porém, Allegri deve receber os cumprimentos pela capacidade de leitura do jogo. Que sirva para aprendizado de Pochettino, pois não mostrou a capacidade necessária para parar um dos ataques mais poderosos do mundo.

Próximo artigo:
Guillermo Ochoa se vê como titular na Copa do Mundo de 2022 e elogia nova safra de jogadores
Próximo artigo:
Cahill admite que pode deixar o Chelsea em janeiro
Próximo artigo:
Richarlison revela idolatria por Neymar e inspiração em grandes atacantes do passado
Próximo artigo:
Brasileirão, 26ª rodada: números e curiosidades dos jogos de sábado e domingo
Próximo artigo:
Lopetegui apoia Modric como melhor do mundo
Fechar