Com 'genética diferenciada', Cristiano Ronaldo quebrou conceitos sonhando com um Fiat Brava

CompartilharFechar Comentários
Formado do Sporting, craque português era 'viciado' em musculação e sempre foi tratado como 'especial'

"Ainda vou ter um carro igual ao seu, professor".
 
Bugattis, Ferraris e Lamborghinis eram desejos distantes no início dos anos 2000. Cristiano Ronaldo, com apenas 17 anos, queria mesmo era um Fiat Brava. Com trabalho árduo e ambição de sobra, conseguiu muito mais que automóveis milionários. A última grande conquista foi atingir o posto de jogador com mais títulos de melhor do mundo, com cinco bolas de ouro, ao lado de Lionel Messi.

"O Ronaldo gostava muito do carro meu colega, o Luís Martins [hoje responsável por comandar o Sporting B], e dizia que sonhava comprar um igual. O Luís cansava de rir e respondia: 'Te garanto que você não vai querer esse, vai querer carros com muito mais potência'. Já agora ele pode comprar qualquer carro, o que quiser", recorda João Couto, antigo treinador do craque português nas divisões de base do Sporting, em entrevista à Goal Brasil.

Hoje, aos 32 anos, o ídolo do Real Madrid e da seleção portuguesa ainda não perdeu a essência da competitividade que o fez sonhar com um carro que atualmente, usado e em bom estado, está avaliado em aproximadamente 3 mil euros (R$ 11 mil). Está mais viva do que nunca, na verdade. Fruto de uma genética diferenciada.

"É um caso único, conciliou genótipo e fenótipo. Não são palavrões, ok? [Risos]. O Ronaldo sempre teve uma genética muito forte. Ajudamos com a aplicação de conteúdo, como técnica e tática, mas a base genética também é importante. É um indivíduo bem dotado geneticamente. O caminhar da carreira dele reforça isso, por ser um atleta sem lesões, dono de muita velocidade e resistência. Identificamos rapidamente que ele era um jogador especial", destaca.

João Couto - Treinador do Sporting (Foto: Divulgação)

"Sempre foi muito ambicioso e focado, até por isso não concordo quando fazem comparações com o Messi colocando o talento dele apenas como fruto de trabalho. O Ronaldo é geneticamente fortíssimo, e o caráter genético é uma questão fundamental. Geralmente vemos garotos com muito talento, mas que não gostam de trabalhar duro. Ele treinava sempre mais, queria fazer treinos de finalização mais vezes, queria ficar correndo depois das atividades com bola... Diversas vezes alertamos para ele ter cuidado com os excessos", completa.

Excessos, aliás, que inicialmente foram escondidos pelo próprio jogador. Pouco antes de começar a brilhar para o mundo, Ronaldo conciliava treinos entre os juniores e os profissionais dos leões. 

CRISTIANO RONALDO SPORTING
(Fotos: Getty Images)

"Descobrimos, depois de um tempo, que ele escondia fazia musculação duas vezes. Eu perguntava: ‘Ronaldo, você fez musculação com o Boloni [Laszlo, treinador do time principal]?’. Ele respondia: ‘Não, não fiz’. Treinava duas vezes comigo e duas vezes com o Boloni. Isso, claro, sem falar das atividades que fazia por contra própria, como colocar pesos nas pernas, etc. Ele contrariou o pensamento de que a musculação pode ser algo negativo. Queria fazer de tudo, tinha uma capacidade de trabalho impressionante. Sempre quis bater objetivos e buscar desafios", destaca.

Sporting: a casa dos melhores do mundo

Cristiano Ronaldo não é o único português eleito melhor do mundo formado nas divisões de base do Sporting. Figo, em 2001, foi o responsável por iniciar a "tradição" leonina na disputa pela bola de ouro.

"[Para um português ser o melhor do mundo precisa ser formado no Sporting?] Eu, como sportinguista, digo que sim [risos]. O Sporting é um clube com uma dimensão muito grande no cenário mundial e uma formação de alto nível. Não sei se é o melhor de todos, mas está entre os melhores", elogia.
 

Próximo artigo:
Quantos gols Cristiano Ronaldo tem na carreira?
Próximo artigo:
Champions League 2018/19: Quando começa, qual o novo formato, classificados e sorteio
Próximo artigo:
Libertadores 2018: confira quando o seu time vai entrar em campo!
Próximo artigo:
Campeonato Brasileiro 2018: artilheiros e garçons da temporada
Próximo artigo:
Oblak 'entrega' ida de Filipe Luís ao PSG: "é triste, mas a vida segue"
Fechar