thumbnail Olá,

Defensor falou com exclusividade ao Goal.com sobre o início da sua carreira no Flamengo, o sucesso no time francês e os planos para o futuro

POR FERNANDO H. AHUVIA

Revelado pelo Flamengo em 2002, Henrique levou apenas três temporadas para se tornar referência do time rubro-negro com um título carioca e um vice da Copa do Brasil. Ainda em 2005, o zagueiro foi negociado com o Bordeaux, da França, onde está até hoje.

Em oito temporadas no Bordeaux, o jogador superou o difícil período de adaptação e se tornou um dos ídolos do clube, conquistando duas Supercopas da França, duas Copas da Liga Francesa e um Campeonato Francês. No último mês, o defensor renovou por mais duas temporadas o contrato que estava para vencer no meio deste ano.

Em entrevista exclusiva ao Goal.com, Henrique relembrou sua passagem pelo Flamengo, falou sobre o sucesso no Bordeaux e os planos para o futuro. Confira!

Goal.com - No início da sua carreira profissional, você conquistou o Campeonato Carioca e foi vice-campeão da Copa do Brasil com o Flamengo. Como foram esses dois momentos?

Foi um sonho de criança realizado, porque a maior parte da minha família é flamenguista e eu queria muito jogar lá. Quando entrei no clube, ficava na expectativa de conseguir chegar ao profissional, já que via jogadores mais velhos muito bons, mas que não conseguiam chegar ao time principal. Passei por todas as categorias de base e depois comecei a ter oportunidades. Lembro que minha primeira partida como titular foi contra o Juventude e acabei sendo eleito pela maioria dos jornais como o melhor em campo.

Em 2004, com o Abel Braga, tive uma sequência como titular e o Flamengo conquistou o Campeonato Carioca e foi vice da Copa do Brasil. Infelizmente não joguei a decisão contra o Santo André por conta de uma infecção. A partir daí, passei por alguns momentos complicados, mas tudo acabou ficando mais fácil por conta do que já havia passado.

Goal.com - Em 2005, você foi contratado pelo Bordeaux por indicação do Ricardo Gomes, que havia sido seu técnico no Flamengo. Como foi sua adaptação à cidade e ao futebol francês?

Quando vim para a França, achava que estava preparado para jogar numa grande equipe do futebol europeu, mas com todas as coisas que passei e a experiência que tenho hoje, diria que na época eu não estava pronto para o desafio. Quem me ajudou muito foi o Ricardo Gomes. Ele me falou que o jogo aqui tinha mais contato, era rápido, que deveria cortar esse negócio que fazia no futebol brasileiro de sair com a bola dominada de trás para tentar surpreender.  Fiquei alguns meses fazendo um trabalho com o preparador físico para ganhar massa muscular e fui voltando a jogar aos poucos.

Goal.com - Nesses oito anos no Bordeaux, você superou o início complicado e conquistou cinco títulos. Como você avalia até aqui sua passagem pelo clube?

Está sendo maravilhoso. Na época que cheguei aqui, em 2005, disse que o Bordeaux iria lutar para conquistar títulos e alguns repórteres até deram risada, porque a equipe tinha acabado de se livrar do rebaixamento. A partir daí, novos jogadores foram contratados, cresci junto com a equipe, conquistamos o Campeonato Francês em 2008/09 e acabamos ganhando outras copas. Depois, fiquei praticamente um ano sem jogar por conta de uma lesão, mas os momentos bons superam muito os difíceis.

ESTATÍSTICAS PELO BORDEAUX
JOGOS GOLS ASSISTÊNCIAS
139 9 2

Goal.com - Na temporada 2008/09, o Lyon perdeu após sete anos a hegemonia no Campeonato Francês para o Bordeaux. Como foi aquele momento?

Foi uma alegria muito grande. A gente sempre vinha batendo na trave, fomos vice-campeões duas vezes. Quando uma equipe ia enfrentar o Lyon jogava sempre pelo empate ou até para perder de pouco. Aos poucos, o Bordeaux começou a bater de frente com eles e conseguimos ganhar o Troféu dos Campeões (Supercopa da França) e o Campeonato Francês em 2008/09. Foi muito bom ter acabado com essa hegemonia do Lyon, porque, desde então, houve um campeão diferente a cada ano. Nesta temporada, tenho certeza que isso acontecerá mais uma vez.

Goal.com - Ao longo desse período que você está no Bordeaux, o nível do futebol francês melhorou?

Quando cheguei aqui, pensava que o campeonato não era tão competitivo, mas vi que estava errado. O Campeonato Francês tem sido cada vez mais falado por causa do PSG, que realmente tem jogadores reconhecidos mundialmente. No entanto, não tem como dizer que eles serão campeões. As pessoas que não conhecem podem dizer que a competição é desnivelada, mas não sabem como ela é difícil e disputada.

Goal.com - No momento, o Bordeuax é o quarto colocado do Campeonato Francês. Quais os objetivos do clube para esta temporada?

Acho difícil brigar pelo título, porque a gente perdeu muitos pontos considerados fáceis, principalmente jogando em casa contra equipes menores. Também perdemos alguns jogadores importantes, como o Jussiê e o artilheiro Gouffran. Temos um conjunto muito forte, a segunda melhor defesa do Campeonato Francês, mas o nosso objetivo é conseguir conquistar uma vaga na Europa League ou na Champions.

Goal.com - Qual a expectativa para o confronto contra o Dínamo de Kiev pela Europa League? Até onde o Bordeaux pode chegar?

A expectativa é a melhor possível. Sabemos que as equipes que descem da Champions para a Europa League são consideradas favoritas, mas temos totais possibilidades de conseguir a classificação.

Não adianta dizer que a gente pensa no título, porque não é verdade. Vamos comendo pelas beiradas para tentar chegar o mais longe possível.

Goal.com - Nas últimas janelas de transferências, vários clubes brasileiros mostraram interesse na sua contratação, mas o Bordeaux não deu aval para que as negociações se concretizassem e no início deste ano você acabou renovando por mais duas temporadas o contrato que estava para vencer no meio do ano. O que levou você a tomar essa decisão?

As equipes que me procuraram apresentaram projetos interessantes, o Campeonato Brasileiro é muito atrativo, saí muito jovem do Flamengo. Por isso tudo cheguei a pensar no meu retorno, mas hoje sinto que tomei a decisão certa de poder continuar num clube do qual gosto tanto. O Bordeaux mostrou interesse em renovar, isso acabou mexendo comigo e acabei tomando a decisão de continuar aqui mais dois anos. Vou poder ficar mais tempo com a família, que já está adaptada aqui.

Goal.com - Pensa em voltar ao Brasil no futuro?

A gente sabe que no futebol tudo acontece muito rápido. Pode acontecer de daqui a seis meses, algo interessante apareça para mim e para o Bordeaux, mas o futuro a Deus pertence. No momento, prefiro me concentrar no restante da temporada para continuar correspondendo a confiança que a diretoria do Bordeaux demonstrou em mim.

Relacionados