thumbnail Olá,

Kris Voakes analisa especialmente para a Goal.com quais contratações a equipe italiana precisa fazer em janeiro para sonhar com a classificação na Liga dos Campeões

COMENTÁRIO
Por Kris Voakes | Especialista em Futebol Italiano

Há apenas alguns dias, observadores estavam tratando o Milan como um dos poderosos novamente. Depois dos Rossoneri terem sido sorteados para enfrentar o Barcelona em um dos maiores confrontos das oitavas-de-final da Liga dos Campeões, elogios mil foram dirigidos à equipe como forma de alertar os gigantes espanhois de que os oponentes podem até não estar na sua melhor forma, mas ainda são perigosos.

No sábado à noite, o Milan estava desmentindo tudo e mostrando que ainda estão muito longe de ser motivo de preocupação para os Blaugrana após a derrota por 4 a 2 para a Roma parecendo um placar muito mais apertado no papel do que pareceu no campo. O Milan tinha quatro gols de desvantagem até os 42 do segundo tempo e contaram com a sorte de ainda conseguir descontar depois de uma atuação desastrosa da defesa. Substitua Daniele De Rossi e Michael Bradly por Xavi e Iniesta, e você pode ter uma ideia do maltrato ainda maior que vem pela frente.

Graças à janela de transferências prestes a se abrir em janeiro, entretanto, há uma real possibilidade de evolução. Dito isso, são tantos os problemas no momento que nem todos podem ser resolvidos com compras e vendas de jogadores.

O ponto principal em muitos aspectos é que a desorganização pode enfraquecer qualquer time, não importa o elenco. Com Massimiliano Allegri tendo escolhido 18 formações defensivas diferentes nos últimos 18 jogos da temporada, fica impossível para os Rossoneri encontrar uma mínima estabilidade. Nesta temporada, já foram sete ocasiões em que levaram pelo menos dois gols e apenas cinco jogos ser conceder nenhum - só três deles no Campeonato Italiano.

Enquanto se aproxima a partida em casa contra o time de Tito Vilanova, é preciso que se aplique um certo nível de hierarquia. Os jogadores precisam compreender em que nível estão, literal e metaforicamente. Mario Yepes e Philippe Mexes podem cometer erros de qualquer forma, mas as mudanças constantes dificilmente irão ajudar. Indecisão dá origem à insegurança.

Uma coisa é certa: reforçar é preciso. Ainda que muito tenha sido dito, pública e particularmente, sobre a procura por um atacante e um volante para substituir Nigel De Jong, muito pouco tem se falado a respeito de opções para a defesa. Isto precisa mudar agora mesmo. Onze jogadores diferentes foram utilizados na defesa do Milan somente nesta temporada, e é seguro afirmar que Mattia De Sciglio é o mais perto de uma aparição regular que se tem até agora. Kevin Constant, por outro lado, vem sendo sacrificado como um ala esforçado fazendo as vezes de um lateral esquerdo.

Balotelli
  Negócios de Janeiro | Mario Balotelli pode chegar para salvar a temporada do Milan

Existem possibilidades em termos de contratações em outros setores. Alexandre Pato e Robinho parecem estar certos para abandonar o barco, com o último tendo tido boas atuações recentemente mas ainda muito sumido nas ocasiões importantes. A Goal.com revelou esta semana que a dupla brasileira pode ser negociada no próximo mês para abrir caminho para a contratação de Mario Balotelli, e, apesar do presidente rossonero, Silvio Berlusconi, ter negado o interesse do clube na contratação do atacante, pode ser do melhor interesse do Milan perguntar aos Cititzens se o italiano estaria disponível para um empréstimo.

Com um futuro extramemente incerto na Inglaterra, o ex-jogador da Inter pode ser convencido a retornar ao San Siro para adicionar algum tempero à linha de frente que atualmente depende exclusivamente de jogadores fora de forma, como Kevin-Prince Boateng, e um empréstimo ajudaria ainda a afastar algumas das preocupações do clube com gastos excessivos na janela de inverno.

É preciso notar aqui que Balotelli não poderia jogar a Liga dos Campeões. Mas o dinheiro economizado em uma possível compra definitiva poderia ser gasto em outro lugar, atendendo à necessidade por um meio-campista, algo que nunca ficou tão claro quanto no último sábado, com a Roma navegando pelo meio-campo milanista com facilidade. Massimo Ambrosini pode ter tirado uma incrível atuação contra o Barça no último ano sabe-se lá de onde, mas o raio dificilmente cairá duas vezes no mesmo lugar aqui.

Daniele De Rossi apareceu como um alvo em potencial, e ele ou Radja Naingglon - que teve uma ótima atuação contra a Juventus na sexta-feira - do Cagliari poderiam ocupar o espaço tranquilamente. Ambos são capazes de cobrir o meio para que jogadores de maior habilidade ao seu lado possam dar mais em termos de atingir um estilo de jogo mais combativo e rápido.

O dinheiro pode estar curto, mas certamente há opções para os Rossoneri. Havia um fundo de verdade no discurso pós-sorteio da Champions League de que Milan x Barça seria um dos duelos mais atrativos das oitavas-de-final, mas para que seja uma disputa mais do que uma festa blaugrana é preciso que os italianos renovem o elenco no próximo mês. Jogos como o de sábado não devem ser tolerados por um clube que almeja bater o melhor de todos em um futuro não tão distante.

ENQUANTO ISSO...

  • O empate da Inter com um problemático Genoa mostrou mais uma vez que qualquer papo sobre os Nerazzurri terem uma chance de encostar na Juventus precisa ser imediatamente posto de lado. Os homens de Andrea Stramaccioni foram candidatos a uma vaga na Liga dos Campeões no começo da temporada, e agora isto é definitivamente a única coisa que podem alcançar. Esteban Cambiasso pode tê-los salvo da desonra de uma derrota já no final da partida, mas perder pontos para aquele que é provavelmente o pior time da Serie A dificilmente é motivo para comemoração.
  • O Napoli conseguiu uma vitória para terminar uma semana negra em um ponto positivo. As derrotas em casa contra o Bologna na Seria A e na Copa da Itália foram apenas o começo de uma semana cheia de notícias ruins, culminando com a perda de dois pontos e do capitão Paolo Cannavarro por punições. Os Azzurri claramente terão de se mover para reforçar a já fragilizada defesa que agora ainda não terá a presença da sua figura-chave se quiserem almejar qualquer chance de alcançar a Champions League no próximo ano. Uma vitória por 2 a 0 sobre o Siena é um começo, mas para que isso se torne o princípio dde algo realmente grande, o Napoli terá realmente que preencher os buracos atrás, especialmente num momento em que apenas quatro pontos separam o segundo do sexto colocado no Italiano.
  • A distância curta não se deve apenas à punição dos Azurri, mas também a atuações magníficas de times como Lazio e Fiorentina nesta temporada. A equipe de Vincenzo Montella particularmente tem se mostrado um deleite para assistir. Há algo de renovador em se olhar a tabela da Serie A e ver que os Biancocelesti e os Viola são os rivais mais próximos da Juventus, com o Napoli logo atrás. Ainda assim, com Inter e Roma ainda esperando ter alguma coisa para dizer neste campeonato, parece que a briga pelas duas últimas vagas para a Liga dos Campeões será ferrenha atrás dos líderes depois da pausa de fim de ano.
  • A última palavra de 2012 merece ser sobra a Juventus, cuja vitória de virada por 3 a 1 sobre o cagliari fechou um ano esplendoroso. Um Scudetto invicto, oito pontos de vantagem sobre o segundo colocado nesta temporada e um lugar nas oitavas-de-final da Liga dos Campeões, tendo pela frente o Celtic, não se pode dizer que os últimos 12 meses foram desagradáveis para os Bianconeri. Para não dizer que foi perfeito, eles estiveram a uma vitória na final da Copa da Itália de ter tudo. Sem sombra de dúvidas, o clube italiano de 2012. Andrea Pirlo e Arturo Vidal podem até gostar de perder uns pênaltis, mas merecem aplausos especiais pelo papel que desempenharam nessa revolução. Antonio Conte terá um padrão muito alto para manter em 2013, depois do seu primeiro ano completo no comando da Velha Senhora de volta ao topo do futebol italiano.

Relacionados