thumbnail Olá,

Goal.com relembra a grande campanha do Timão, que conquistou a Libertadores de forma invicta

POR FERNANDO H. AHUVIA - DIRETO DE SÃO PAULO

Estreia com gol de empate nos acréscimos, a bola do Diego Souza e a defesa de Cassio, Tite no alambrado, o do volante Paulinho, gol de Romarinho na Bombonera, os gols de Emerson. Vários foram os momentos que ficarão marcados para sempre na memória do torcedor corintiano. Confira a retrospectiva desta grande campanha do Corinthians, que conquistou o título de forma invicta:

FASE DE GRUPOS

  Equipe Jogos Gols
    Pts P V E D S A
 Corinthians 14 6 4 2 0 13 2
 Cruz Azul 11 6 3 2 1 11 4
Nacional (PAR) 4 6 1 1 4 6 13
Dep. Táchira 3 6 0 3 3 4 15

A estreia do Corinthians na Libertadores da América foi sofrida. O Timão perdia do Deportivo Táchira até aos 48 minutos do segundo tempo, quando Alex cobrou falta na área e o volante Ralf testou firme para empatar. A primeira vitória veio diante de sua torcida com gols de Danilo e Jorge Henrique.

Na terceira rodada, mais um empate sem gols fora de casa, desta vez contra o Cruz Azul. Na semana seguinte, o Corinthians enfrentou mais uma vez os mexicanos. Danilo, de cabeça, marcou o único gol da partida, que colocou o Timão na liderança do Grupo 6.

No dia 11 de abril, o Timão conquistou sua primeira vitória longe do Pacaembu. Jorge Henrique, Emerson e Elton marcaram os gols da vitória por 3 a 1. Com o resultado, a equipe comandada por Tite se garantiu nas oitavas de final da competição continental. Nada melhor do que uma goleada para encerrar sua participação na fase de grupos. Danilo, Paulinho, Jorge Henrique, Emerson, Liédson e Douglas marcaram os gols do Corinthians.

OITAVAS DE FINAL

EMELEC 0 X 0 CORINTHIANS

Apesar do empate sem gols e das duras reclamações contra o árbitro colombiano José Hernando Buitrago, a partida de ida voltou a comprovar a eficiência do setor defensivo do Corinthians.

O goleiro Cassio, que fazia sua estreia na Libertadores, não sentiu a pressão de substituir o contestado Julio Cesar e com grandes defesas ajudou o time alvinegro a segurar o empate por 0 a 0.

CORINTHIANS 3 X 0 EMELEC

Jogando diante de sua torcida, o Corinthians mostrou ser um time muito superior ao Emelec e não teve dificuldade para vencer por 3 a 0. Fábio Santos, Paulinho e Alex fizeram os gols do Timão.

Com o resultado, o Timão voltou a vencer um mata-mata na Copa Libertadores da América depois de 12 anos. A última vítima até então havia sido o Atlético-MG nas quartas de final de 2000.

QUARTAS DE FINAL

VASCO 0 X 0 CORINTHIANS

O Vasco foi considerado por muitos o adversário mais difícil do Corinthians na Libertadores. Jogando em São Januário, o time comandado por Tite se portou bem taticamente, suportou a pressão do adversário e mostrou calma com e sem a bola para sair com o 0 a 0 no placar.

O time carioca foi quem tomou mais a iniciativa do confronto. Incansável e com muita raça, o atacante Emerson foi o jogador que mais incomodou a defesa vascaína.

CORINTHIANS 1 X 0 VASCO

Foi sofrido, do jeito que a Fiel gosta. Em jogo dramático, o Corinthians venceu o Vasco na raça e no sufoco com gol do volante Paulinho, aos 42 minutos do segundo tempo.

A história da partida poderia ter sido diferente. Aos 17 minutos da etapa complementar, Alessandro chutou a bola em cima de Diego Souza, que avançou sem marcação até a grande área. O coração do torcedor corintiano disparou. O camisa 10 do Vasco chutou sem força no canto esquerdo e o goleiro Cássio conseguiu fazer o desvio para alívio da nação alvinegra. Na sequência da jogada, Juninho cobrou escanteio e Nilton acertou o travessão.

A partida também foi marcada pela comemoração do técnico Tite no meio da torcida. Expulso por reclamação, o treinador corintiano resolveu ir para o alambrado da numerada.

SEMIFINAL

SANTOS 0 X 1 CORINTHIANS

O adversário do Timão na semifinal foi o atual campeão Santos do craque Neymar. Atacando e defendendo com muito empenho, pressionando a saída de bola do Peixe e valorizando a posse de bola, o Corinthians venceu por 1 a 0, na Vila Belmiro, com gol do atacante Emerson.

O Sheik, inclusive, foi o grande personagem do duelo. Autor do gol da vitória, o camisa 11 foi expulso no segundo tempo. No fim, Cassio salvou o time alvinegro com grandes defesas

CORINTHIANS 1 X 1 SANTOS

Diante de um belo espetáculo promovido pela torcida, o Corinthians chegou à inédita decisão da Copa Libertadores da América. Durante o primeiro tempo, o Timão ficou totalmente recuado e acabou sendo castigado com o gol marcado por Neymar, aos 34 minutos. Logo aos dois minutos da etapa final, Danilo conseguiu empatar para festa corintiana.

O meia também tem sido chamado de “Rei do Pacaembu”, já que o gol marcado contra o Peixe foi o quarto dele em seis partidas no estádio. Antes, ele já havia marcado nas vitórias sobre o Nacional-PAR, Cruz Azul-MEX e Deportivo Táchira-VEN.

FINAL

BOCA JUNIORS 1 X 1 CORINTHIANS

Como já era esperado, o torcedor do Boca Juniors lotou o estádio La Bombonera e não parou de cantar durante todo o confronto. No entanto, o Corinthians não sentiu a pressão. No primeiro tempo, o sistema defensivo corintiano funcionou muito bem e o meia Riquelme, principal preocupação do setor, praticamente não teve espaços para criar as jogadas de ataque do time Xeneize.

Na segunda etapa, com seu envolvente toque de bola, o Boca acabou encurralando o Corinthians. Sem conseguir marcar a saída de bola, o Timão acabou chamando os argentinos para seu campo de defesa e foi castigado com o gol de Roncaglia.

Para mudar o resultado da partida, Tite foi corajoso ao colocar Romarinho no lugar de Danilo. Em seu primeiro toque na bola nesta Libertadores, o camisa 21, após belo passe de Emerson, deu um toque de categoria por cima de Orión para festa da torcida corintiana.

CORINTHIANS 2 X 0 BOCA JUNIORS

Mais uma vez o torcedor corintiano fez uma grande festa no Pacaembu. Os 40.186 presentes no estádio, assistiram a um primeiro tempo truncado, com poucas chances de gol para os dois lados e com a garra se confundindo com a violência em alguns momentos.

No segundo tempo, Emerson escreveu de vez seu nome na história do Corinthians ao marcar os dois gols da grande final. Aos oito minutos, o camisa 11 recebeu passe de calcanhar de Danilo e mandou para o fundo da rede. Aos 27, o Sheik aproveitou erro do zagueiro Schiavi, partiu em velocidade e tocou na saída do goleiro.

A partir daí, a Fiel Torcida fez a festa e soltou o grito de campeão que estava entalado na garganta.

Relacionados