thumbnail Olá,

O Goal.com analisa o jogo de xadrez entre as duas equipes com e sem a presença do camisa 10

O meia Paulo Henrique Ganso não é presença certa para os jogos das semifinais contra o Corinthians pela Libertadores. Provavelmente, o atleta volta apenas no confronto de volta, no Pacaembu. Isso tem tirado o sono de Muricy Ramalho para montar a equipe no duelo.

Como o Santos pode se comportar com ou sem a presença de Paulo Henrique Ganso. É bom lembrar que caso jogue, o meia deverá não estar 100% fisicamente, mas com o talento que tem a presença dele pode fazer a diferença no clássico.

O Goal.com analisa as vantagens e desvantagens da presença ou não do camisa 10 tanto para Santos quanto ao Corinthians.






Ganso corre contra o tempo para se recuperar de cirurgia sofrida no joelho direito. O meia já realizou treinos e a dúvida fica se vai ou não atuar contra o Corinthians



 


COM ELE

Tudo fica mais fácil para o Santos, pois ao lado de Neymar, Ganso é o melhor jogador do time. A equipe só tem a ganhar com a criatividade e toques envolventes entre os dois craques. Apesar de não ser veloz, o meia faz a bola chegar com maestria ao ataque santista.

Já para o Corinthians, a presença do número 10 se torna um problema. É provável que o volante Ralf seja o responsável pela marcação do santista, já que Paulinho, que também ocupa o setor, é mais aproveitado nos ataques.

SEM ELE

Esse é o "X" da questão para o Alvinegro Praiano. O técnico Muricy tem duas opções: Colocar um jogador da posição ou improvisar.

O normal seria a presença de um outro meia. Como Bernardo (ex-Vasco) não pode jogar a Libertadores por ter atuado na equipe cruzmaltina, a chance seria de Felipe Anderson. Porém, as vezes que foi utilizado, o jogador não teve boas atuações, o que motiva a desconfiança do treinador.

Por isso, Muricy pode surpreender. A outra alternativa seria colocar Alan Kardec na função do camisa 10. O atacante já atuou na posição de armador e pode ser a solução improvisada para pelo menos no primeiro jogo da semifinal.

Com Alan Kardec, o time perde em criatividade, porém ganha mais um atacante de origem. Borges pode assumir o papel de centroavante titular.

De qualquer maneira, a ausência de Ganso será sentida por Neymar, que depende muitas vezes do atleta para concluir suas jogadas.



"O prejuizo é grande. Ter o Ganso de fora, eu sou o que mais não gosta, sinto falta por ser amigo e irmão e pelo craque que é. Foi tudo bem pensado, o Ganso e os médicos entraram em concordância. Acredito que ele vai voltar com tudo para nos ajudar, não só no Santos, mas para a seleção também", concluiu Neymar em entrevista à Jovem Pan.


Por outro lado, o Timão tem a ganhar sem a presença de Ganso. Ponto forte do time, a marcação pode ser neutralizada na intermediária para que a bola não chegue no ataque, pois o adversário não terá o mesmo poder de criatividade.

Relacionados