Brasil é o país que mais demite treinadores de futebol, revela pesquisa

O Fluminense, que recentemente voltou a descartar um técnico, é o “líder mundial” em demissões

O Brasil é o local mais difícil para treinadores de futebol. O que, para alguns, poderia ser uma afirmação óbvia foi confirmada em uma pesquisa feita pelo jornal mexicano El Economista em parceria com a Mxsports. E não é só no geral que os brasileiros levam ‘vantagem’ no estudo: o Fluminense, que recentemente demitiu Cristóvão Borges e contratou Ricardo Drubscky, é o campeão mundial em demitir treinadores.

CONFIRA OS TIMES QUE MAIS DEMITIRAM TREINADORES NOS ÚLTIMOS ANOS

Entre 2002 até a atual temporada (período analisado na pesquisa), o Tricolor da Laranjeiras teve um total de 41 profissionais comandando o time à beira do campo. Os outros cinco clubes que seguem a lista são todos brasileiros: Náutico, Flamengo, Vitória, Atlético-PR e Sport. O Grêmio aparece na nona posição, o penúltimo no Top 10 divulgado no periódico mexicano.

O Arsenal é o clube melhor ranqueado individualmente, já que Arséne Wenger segue como treinador dos Gunners há 18 anos. Abaixo dos londrinos, duas equipes da MLS: Houston Dynamo e Seattle Sounders. Aliás, a principal liga de futebol norte-americana é a que menos demite seus técnicos. Lá, a paciência dura cerca de 2,6 temporadas. No Brasil, a média é de 0,4: mais ou menos 15,2 jogos para cada comandante à beira do campo mostrar o seu valor.