thumbnail Olá,

Campeão em 2000 pelo Timão, ex-jogador acredita que time terá mais dificuldades para chegar à decisão

Nomes que fizeram história pelo Corinthians se juntam à torcida, mesmo que à distância, pela conquista do Mundial de Clubes no Japão, onde a delegação alvinegra chegou a essa semana para a estreia na próxima quarta-feira. Para o ex-volante Vampeta, por exemplo, o Timão tem mais chances de chegar à decisão do que o Chelsea, outro favorito ao título, em virtude de seu compromisso (encara o vencedor de Sanfrecce x Al Ahly, enquanto os ingleses esperam por Pachuca ou Ulsan Hyiundai).

Mesmo assim, ele pede respeito ao atual campeão europeu, recém-eliminado na fase de grupos da Champions League.

"Pelo que eu vi hoje do time da casa [Sanfrecce Hiroshima], enfrentando o Auckland City, o Corinthians deve ter mais facilidade de passar do que o Chelsea. Porque eles vão enfrentar mexicanos [Pachuca], que não são trouxas, é difícil ganhar dos caras", disse ao ESPN.

"O Chelsea é o Chelsea. Eles foram eliminados, mas fizeram o mesmo número de pontos que o Shakhtar, mas perdeu nos critérios de desempate, estão bem no Inglês e tem grandes jogadores, como Torres, Cech, Ramires..."

"Acho que o Corinthians vai ter mais dificuldade na semifinal, por ter a obrigação de ganhar e seguir em frente."

Vampeta teve a oportunidade de vencer o controverso Mundial de 2000, o primeiro organizado pela FIFA, em competição de oito equipes que teve o Vasco como vice-campeão. O que não o impediu de ter a chance de encarar grandes estrelas do futebol mundial, como no empate em 2 a 2 contra o Real Madrid, fator que pode dar uma motivção extra aos comandados de Tite.

"Caras como Ralf, Paulinho e Chicão estão esperando muito esse jogo contra o Chelsea. Primeiro, pelo último Mundial, em que o Santos tomou aquele vareio [4 a 0 para o Barcelona], pra responder a essa coisa de que o europeu está na frente. Depois, tem a questão de estar encarando jogadores mundialmente conhecidos."

"Tive a chance de encarar jogadores como Raul, Anelka [no Mundial de 2000] e fazer a final contra o Vasco. Jogar contra esses caras te dá mais vontade de vencer", encerrou o ex-atleta.

Relacionados