thumbnail Olá,

Ex-atacante e membro do comitê organizador local acredita que o treinador precisa de tempo para encontrar a equipe ideal

Um dos maiores jogadores da história do futebol mundial, o ex-atacante e membro do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014, Ronaldo, sabe muito bem como é lidar com as expectativas as vesperas do torneio.

E, em entrevista veiculada pelo Portal da Copa, vinculado ao Governo Federal, o craque comentou momentos marcantes da sua carreira envolvendo o Mundial e pediu paciência com a Seleção de Mano Menezes.

Segundo Ronaldo, a troca constante de jogadores impediu um entrosamento maior na equipe, mas acredita que Mano ainda tem tempo até a disputa do torneio para encontrar seu time ideal.

Confira os principais trechos da entrevista com o ex-atacante:

Seleção atual: "Ainda temos dois anos para a Copa do mundo. A Seleção Brasileira teve uma mudança grande. Praticamente uma geração inteira. Agora, a gente tem que esperar essa nova geração se entrosar e que faça uma ótima Copa no nosso país."

O grande ídolo: "Meu grande ídolo sempre foi o Zico, mas joguei com craques incríveis. O Romário é um deles. Não tive a chance de jogar com o Zico, mas acho que o Romário foi, para mim, o mais decisivo brasileiro com que já joguei. Atacante, matador, habilidoso, oportunista, acho que tudo isso eu aprendi um pouco com ele."

Mundial aos 17 anos: "Não queria nem vencer o Mundial tão novo, o que foi uma experiência ótima. Mas decisivo, de verdade, foi o fato de conviver realmente com grandes atletas naquela época, com aqueles craques. Romário, Bebeto, Dunga, Mauro Silva, Raí. Isso me deu um aprendizado grande. Acho que ali começou uma historia incrível, porque foi uma experiência muito grande conviver com grandes atletas campeões. Tirei muito proveito daquela época."

Copa de 1998: "Eu sempre falo e é sempre uma pergunta que vem à tona. Não é um problema falar sobre aquela partida. No futebol criam-se mitos, mas nos fim das contas é tudo simples. Futebol é um esporte onde duas equipes se enfrentam, uma ganha e a outra perde (quase sempre). Naquela final, o Brasil perdeu porque a França foi superior durante os 90 minutos. Uma pena porque tínhamos jogado muito bem até aquela final. Na decisão realmente não jogamos absolutamente nada."

Superação em 2002: "Foi muito difícil, mas não pela historia anterior, da final de 1998, mas pela lesão que eu tive em 2000. Depois veio a recuperação toda, um tempo que fiquei sem jogar. Ter de ficar bom em tão pouco tempo, próximo à Copa do Mundo, foi o mais difícil. Mas depois chegou a Copa e fui agraciado com a oportunidade de jogar. O Felipão confiou em mim e, graças a Deus, lá deu tudo certo. Pude me superar e conquistamos o titulo, para mim o mais importante."

Goleador em Copas: "Com certeza alguém quebrará esse recorde. Os recordes foram feitos para serem quebrados. O anterior era do Miller e ficou muito anos, ate que quebrei em 2006. Então, não sei quanto tempo vai durar esse recorde, mas alguém irá quebrar. É natural. A próxima ameaça mais real é o Klose, que joga na Alemanha e tem a possibilidade de jogar a próxima Copa do Mundo. Vamos aguardar, mas independentemente de quem supere, isso não apaga a história que foi feita, nem os gols que fiz."

Como se atualizar com as notícias do futebol mundial fora de casa? Com http://m.goal.com - sua melhor fonte de cobertura para celulares do futebol.

Relacionados