thumbnail Olá,

Sidnei Loureiro e Chico Fonseca deram justificativas para liberar o goleador uruguaio, recentemente contratado pelo Nacional

O casamento de mais de dois anos entre o Botafogo e o uruguaio Sebástian Abreu chegou a um fim abrupto no início de 2013: em um divórcio bastante conturbado, as duas partes trocaram acusações até as últimas semanas, quando o jogador acertou sua volta ao Nacional, de Montevidéu.

Ainda assim, o Bota parece não ter esquecido a briga tão cedo. O vice de futebol Chico Fonseca fez críticas à atitude do jogador, e afirmou que o mesmo deixou de ter o perfil para compor o elenco alvinegro por exigir atuar entre os titulares na equipe de Oswaldo de Oliveira.

"Ele deixou claro ao Botafogo que não queria ficar no banco de reservas porque tinha um objetivo particular de jogar a Copa do Mundo. E se ficasse no banco, isso dificultaria", argumentou o dirigente. As declarações foram reproduzidas pelo Gazeta Esportiva.

"Nesse ano, nós vamos implementar um rodízio. E o objetivo individual dele não se encaixa nesses padrões. Ele colocou o pessoal dele acima do objetivo do coletivo do grupo. Ele não se enquadra nesse perfil de coletividade"

O gerente técnico Sidnei Loureiro ainda analisou os números da última temporada do Bota, já que Abreu passou o segundo semestre defendendo o Figueirense, de Florianópolis. Para ele, a equipe não perdeu a partir da saída do homem de referência.

"Em 2010, o Botafogo marcou 105 gols e o Loco 24. No ano seguinte, foram 101 do time e 26 do Loco. Porém, no ano passado marcamos 113 gols e o Elkeson foi o artilheiro com 18. A diferença é grande", lembrou.

"Tivemos um artilheiro com muito menos gols, mas marcamos mais no geral. O Loco marcava muito porque jogava sempre e era a nossa referência. No Brasileiro, marcamos um gol a menos que o Fluminense campeão. Deu para perceber que o problema não era lá na frente."

A torcida botafoguense, no entanto, parece pouco solidária à decisão da comissão técnica e da diretoria. No empate diante do Bangu, na quarta-feira, foram ouvidos coros pedindo a saída de Oswaldo de Oliveira e a volta do goleador uruguaio.

Relacionados