thumbnail Olá,

Felipão, técnico da seleção brasileira, e Aldo Rebelo, ministro dos esportes, participaram nesta manhã de um bate-papo com internautas.

O técnico da Seleção Brasileira, Luiz Felipe Scolari, e o ministro dos esportes, Aldo Rebelo, participam nessa manhã de um bate-papo com internautas promovido pelo Ministério dos Esportes em parceria com a EBC (Empresa Brasileira de Comunicação). As perguntas foram mediadas por um jornalista e contaram com o bom humor e a irreverência dos dois convidados.

Dos estúdios da EBC, em Brasília, o ministro Aldo Rebelo esteve à vontade para falar não somente das questões políticas que envolvem a Copa do Mundo de 2014, mas também de questões relacionadas ao futebol. Já Felipão, nos estúdios da Google em São Paulo, respondeu às perguntas sem meias palavras, como de costume.

Confira algumas das principais perguntas e suas respectivas respostas!

 

Internauta:

“Nunca houve tanta gente declarando torcer contra a seleção brasileira. Até que ponto os atletas tem culpa nisso?”.

 

Felipão:

“Mas os atletas tem culpa nisso? Eu penso que o povo quer que a seleção lhe dê aquele ânimo para torcer. E essa responsabilidade é nossa. (...) Eu vivi essa situação em Portugal. Depois do terceiro mês, depois que passamos a ter um entrosamento maior com o torcedor, a Euro 2004 foi fantástica por causa disso. É isso que temos que construir de novo no Brasil, entre o time e os torcedores”.

 

Internauta:

“Felipão, quais as Seleções favoritas para ganhar a Copa de 2014, na sua opinião?”

 

Felipão:

“A favorita é a nossa (risos). Temos que assumir essa posição: precisamos ganhar. Mas tem aquelas seleções tradicionais... Itália, Alemanha, Espanha e outras. A Espanha vive um momento ótimo, então, agora, é muito forte na briga. Eu destaco também a nossa rival aqui do lado, a Argentina, que tem jogadores incríveis”.

 

Muitas perguntas também foram direcionadas ao ministro Aldo Rebela. Algumas delas revelavam a preocupação dos brasileiros com a infraestrutura que o país vai oferecer aos nossos visitantes durante a Copa do Mundo.
 

Internauta:

“Ministro, está prevista a liberação de wi-fi para a Copa de 2014?”

 

Aldo Rebelo:

“Nossa preocupação com as telecomunicações é muito grande. Lutamos para ter a maior acessibilidade possível. (...) Nos deparamos com uma situação em Londres, que é uma cidade muito avançada, num determinado horário do dia era impossível se conectar à internet, seja por wi-fi ou outro tipo de conexão. (...) Nos cercamos para garantir a maior qualidade possível dos serviços de telecomunicações”.

 

A recente escalação da seleção brasileira para partida contra a Inglaterra, como não podia ser diferente, entrou em pauta.

 

Internauta:

“Há interferência da imprensa ou do governo nas escalações da seleção?”

 

Felipão:

“Isso é bobagem. O que a imprensa pode fazer? Só discordar ou concordar. E isso é normal. (...) O governo, principalmente o nosso, não intervém em nada disso. Afinal, nós que somos pagos pra escolher. Como vou começar a ouvir os outros? Claro, a gente ouve algumas coisas, mas filtra”.

 

Aldo Rebelo:

“Bom, a única coisa que eu pedi ao Felipão foi pra não convocar muita gente do Palmeiras, porque, este ano, queremos ganhar a Copa Libertadores da América (risos)”.

 

Mediador do bate-papo:

“Eu não posso deixar de comentar, Felipão... Com a convocação do Ronaldinho Gaúcho, tem muito jogador que também pode ter sentido a oportunidade de voltar pra Seleção Brasileira, como Kaká, Felipe Melo... Até mesmo o Doutor Sócrates deve ter mexido no Caixão, hein (risos)!”.

 

Felipão:

“Difícil, hein... O Doutor Sócrates é difícil. Mas os outros... Bom, quem não está convocado, tem que se doar pra ser convocado. Quem já está, tem que aproveitar a oportunidade. (...) Mas a intenção é sempre essa, de que os bons atletas passem a competir pelas vagas e que a gente tenha a opção de escolher entre eles. Temos muitos bons jogadores, e cabe a mim a responsabilidade de escolher. (...) Eu, como técnico, tenho a responsabilidade de fazer as convocações sem influência de ninguém. No final, o que a torcida quer é ganhar, independente de nome A ou B.

 

O bate-papo, que terminou ao meio-dia desta quinta-feira, durou 1 hora e 6 minutos.
 

Relacionados