thumbnail Olá,

Modesto, holandês diminui seu papel de liderança no grupo de jogadores

O melhor momento de Seedorf desde que chegou ao Botafogo coincide com a presença de jogadores mais jovens no time titular, como o zagueiro Dória e os volantes Jadson e Gabriel. Para o holandês, essa troca de experiências com estes atletas, que passam por momentos diferentes em suas carreiras, tem sido bastante positiva.

A comunicação com o técnico Oswaldo de Oliveira também tem sido construtiva, na visão do veterano.

"Nunca encontrei um cara como eu quando era jovem [...] Não só com a garotada é diferente. Passo coisas para eles, mas também passam coisas para mim. É uma troca. Esse time tem um relacionamento muito bom. São experiências e curiosidades. Somamos tudo isso no campo procurando o resultado", afirmou, em declarações reproduzidas pelo Globoesporte.

"Há uma boa relação entre todos nós. Trabalhamos e cobramos um do outro. Queremos ganhar, crescer. A cobrança é construtiva."

Seedorf é o suplente imediato do goleiro Jefferson no cargo de capitão, quando o segundo se ausenta para servir à Seleção brasileira. Apesar do papel importante, o camisa 10 não isenta os demais das mesmas responsabilidades que tem com a braçadeira.

"Cada um tem a sua história e não é porque um tem mais experiência e ganhou que deve ser mais respeitado. Isso se conquista com atitude, mantendo um comportamento adequado e respeitando todo mundo. Experiência dentro e fora do campo é um processo natural, mas a ajuda dos companheiros e do staff fizeram com que eu entrasse no ritmo do time e tivesse a mesma mentalidade."

"Não estou perfeitamente adaptado, mas muito bem. Na política do futebol é que leva mais tempo", encerrou o jogador.

Sexto colocado no Brasileirão com 40 pontos, o Bota encara o Bahia em Salvador, no domingo, a partir das 16h.

Como se atualizar com as notícias do futebol mundial fora de casa? Com http://m.goal.com - sua melhor fonte de cobertura para celulares do futebol.
   

Relacionados