thumbnail Olá,

A lista de Goal.com chega mais perto de seu clímax com o português, que escreveu seu nome na história da Liga Espanhola com uma grande temporada

Bem vindo ao Goal.com 50! Nessa série especial, editores de Goal.com ao redor do mundo votam para escolher os 50 melhores jogadores de 2010-11. Nós mostramos a lista até o anúncio do vencedor, no dia 22 de agosto, com perfis de cada um que ficou entre os 50 melhores...

Velocidade. Poder. Precisão. Os atributos que muitos consideram ser decisivos para a formação de um jogador do futebol moderno, Cristiano Ronaldo têm. Ele é construido para jogar este jogo, construido para marcar gols, e seus feitos na temporada passada estabeleceram seu lugar como um dos grandes artilheiros da história de La Liga

"Existem duas opções- Cristiano e Messi. Se você considera Cristiano como número um, então Messi é o dois. Mas para mim está claro, Cristiano é o número um".

- Jose Mourinho

Não foi uma campanha memorável em todos os aspectos para Ronaldo, de fato esteve longe disso; o Barcelona de novo foi histórico e o Real ficou perto da grandeza mas no final não conseguiu os títulos da liga e da Champions League. Após a série de quatro grandes clásssicos, o time merengue ficou sem chances de mais títulos na temporada de estreia de José Mourinho.
MOMENTO DA TEMPORADA

COPA DEL REY FINAL
REAL MADRID 1-0 BARCELONA
Depois de sofrer críticas por não ter feito grandes jogos contra o Barcelona, ele pulou na prorrogação da final para mandar de cabeça para o gol e dar a vitória e o título ao time merengue.

Mas Ronaldo, que passou a ter um hábito de sempre conseguir uma grande média de gols por partida nos anos recentes de sua carreira, continuou a botar bolas na rede mesmo depois que os títulos estavam decididos, e assim destruiu recordes que há muito tempo não eram quebrados.

Seja se forem os 41 gols (como diz o jornal Marca) graças ao seu duvidoso gol contra o Real Sociedad em setembro ou se forem somente 40, ele ainda é o único jogador a chegar a este número em uma temporada na Espanha, ultrapassando o recorde antes batido por Telmo Zara e a lenda do Real, Hugo Sanchez.

Seus feitos foram suficientes para que conseguisse sua segunda Chuteira de Ouro da Europa e assim se tornasse o único jogador a chegar a este título por dois clubes diferentes. Ronaldo marcou incríveis 11 gols nas últimas quatro partidas da temporada para assegurar a artilharia, batendo Lionel Messi; durante a temporada, Racing Santander e Sevilla sofreram quatro gols do português, enquanto Getafe, Athletic Bilbao e Malaga foram vítimas de hat-tricks. No final, ele havia marcado 53 gols em 54 jogos- uma marca incrível para alguém que continua a jogar aberto pela esquerda ao invés de atuar mais próximo da grande área.

Ronaldo poderá sentir que seus feitos foram ultimamente em vão, com seus esforços diminuidos pela falta de sucesso contra o Barça. Por isso seu grande momento veio na Copa do Rei. Com setores da torcida do Real cobrando mais de sua cara contratação diante dos inimigos da Catalunha, ele deu à equipe um gol marcante, subindo alto para fazer de cabeça o gol da vitória na prorrogação e garantindo o retorno do troféu para a capital espanhola, impedindo a segunda tríplice coroa em três anos do Barcelona.

Esse não era o título que Ronaldo mais queria, só que ele não conseguiu guiar sua equipe a maiores sucessos. Ele sabe que para assegurar que o clube esteja em posição de desafiar o Barça mais uma vez em 2011-12, ele terá que produzir uma temporada de qualidade similar. Uma exigência difícil, poderia se dizer, mas se há alguém capaz de ligar com a pressão das expectativas, é o português.

"No final, ele havia marcado 53 gols em 54 jogos- uma marca incrível para alguém que continua a jogar aberto pela esquerda ao invés de atuar mais próximo da grande área."

Este seguirá sendo o seu objetivo no próximo ano: continuar a marcar gols que permitam ao Real Madrid coletar pontos e preocupar o Barcelona. O recente confronto da Supercopa entre os dois times sugere que a diferença pode estar menos, e que a luta pelo título será mais acirrada do que nunca.

Uma coisa, porém, é absolutamente certa; quando Ronaldo desfalca o Real, eles são um time diferente, significativamente enfraquecido. Sim, ele muitas vezes segura demais a bola e é individualista, mas isso só destaca ainda mais o quanto ele quer o sucesso e como ele quer dar aos merengues títulos grandes nos melhores anos de sua carreira.

Relacionados