thumbnail Olá,

Santos começa bem e Neymar perde penalti no primeiro tempo. La U melhora, manda no jogo, mas Neymar manda bola na trave no fim.

Disputada entre 1989 e 1998 e a partir de 2003 com o formato atual, que opõe em jogos de ida e volta os campeões da Copa Sul-Americana e da Taça Libertadores da América, a Recopa Sul-Americana é uma maneira de medir forças entre os melhores times da América no ano anterior. Se o Santos de Neymar, Ganso e companhia conquistou o principal torneio interclubes americanos no primeiro semestre, a Universidad de Chile, do competente treinador Jorge Sampaoli, foi campeã da Copa Sul-Americana e apelidada de "Barcelona das Américas". Com escalações diferentes dos escretes campeões no ano passado, a Universidade de Chile recebeu o Santos em Santiago para o primeiro jogo da decisão da Recopa. Com o empate sem gols, a decisão está em aberto e ficará para 26 de setembro, possivelmente no Pacaembu.

Santos começa melhor, Neymar perde penalti e La U equilibra as ações

Debaixo da chuva torrencial que caiu em Santiago ao longo de todo o jogo, o cenário mais esperado para partida, caso fosse em terras brasileiras, seria de um jogo truncado, de muitos chutões e lances patéticos causados pelas grandes poças ao longo do campo. Engano total: a excelente drenagem do Estádio Nacional de Santiago permitiu um primeiro tempo de muito toque de bola e foi bastante movimentado. O Santos não se intimidou com a pressão exercida pela claque da La U, e envolveu a equipe da casa nos melhores lances de ataque da primeira etapa, utilizando principalmente os dribles e as arrancadas de Neymar e a boa movimentação de Patito Rodríguez.

Após ter tido alguns escanteios nos minutos iniciais, foi num contra-ataque que o Santos levou perigo efetivo pela primeira vez. Paulo Henrique Ganso recebeu bola no meio campo aos 9 minutos e lançou para Neymar. Com um espetacular drible de corpo, ele deixou o zagueiro a ver navios, passou pelo goleiro Jhonny Herrera e demorou muito para chutar, perdendo o ângulo e a chance de abrir o placar.

Dois minutos depois, Patito Rodríguez puxou o contra-ataque e rolou para Neymar. Pela direita, ele passou em velocidade pelos marcadores e cruzou para Ganso. Livre na área, o meia ajeitou com categoria, limpou o zagueiro e chutou forte, obrigando o goleiro da La U a fazer defesa espetacular. Aos 18 minutos, Neymar recebeu outra bola na direita, passou por Cereceda duas vezes, driblou Martinez e foi derrubado quase dentro da área, mas ainda antes de cruzar a linha. Mesmo assim o juiz marcou penalti, que o próprio Neymar isolou ao escorregar no momento do chute.

O lance pareceu ter esfriado a equipe santista, que viu a Universidad de Chile começar a entrar no jogo. Se até os 20 minutos o time de Jorge Sampaoli se limitou a se defender e correr atrás de Neymar, a partir do penalti perdido pela joia santista os donos da casa quiseram impor seu estilo de jogo. Utilizando muitas jogadas de ultrapassagem pela lateral, a La U chegou ao ataque mas não conseguiu criar grandes oportunidades para abrir o marcador.

Aos 38 Durval afastou mal um cruzamento vindo da direita e Rodríguez ajeitou para Aranguíz bater bonito, num quase voleio. O desvio na zaga santista foi providencial, pois a bola tinha o ângulo de Rafael como endereço final. Na cobrança de escanteio, Rodríguez apareceu livre na cara do gol, mas desviou de cabeça para fora. Aos 42, Acevedo fez boa jogada pela lateral e cruzou. Mais uma vez a zaga santista teve dificuldade em afastar a bola, que ficou limpa para Lorenzetti chutar da entrada da área e quase abrir o placar.

La U superior no segundo tempo, mas Neymar manda bola no travessão no fim

A Universidad de Chile voltou para o segundo tempo da mesma maneira que terminou o primeiro, ocupando os espaços no campo de ataque, e se aproveitando da deficiência defensiva do meio campo santista. Organizado, o time chileno conseguiu neutralizar as investidas de Neymar pela ponta esquerda, colocando Acevedo colado à joia santista e Aranguíz na sobra. Com Neymar marcado e Ganso num processo de sumiço progressivo ao longo da partida, o Santos não tinha saída de bola.

Aos 5 minutos, Aranguíz cobrou falta da intermediária, Acevedo desviou para trás e Gutierrez furou no momento da conclusão. No minuto seguinte, a melhor chance da La U na partida: Cereceda fez excelente jogada pela meia esquerda e tocou para Mena. Com categoria, o lateral olhou e cruzou na cabeça de Gutierrez, que, livre, desviou no contrapé do goleiro Rafael. Para sorte do Santos, a bola passou perto da trave e adormeceu no topo da rede pelo lado de fora da baliza.

Percebendo a apatia da sua equipe, Muricy Ramalho mexeu no ataque, e colocou Miralles no lugar de André. O argentino é um carrasco da La U: em 11 jogos - por Colo Colo e Everton - o jogador marcou 8 vezes. Pouco surtiu efeito. A Universidad reclamou de um penalti aos 18 minutos, quando Aranguíz levantou a bola na área buscando Acevedo, que caiu na disputa da bola. Lance normal para o juiz, que mandou o jogo seguir.

O jogo caiu em emoção e ação no segundo tempo. As equipes giravam a bola de um lado para o outro e pouco finalizavam. A melhor chance apareceu aos 44 minutos e foi da equipe santista: lateral cobrado rápido e Ganso, que andava sumido na partida, desmontou a marcação adversária com um toque de letra, num lance de rara genialidade. Foi o suficiente para dar campo e liberdade a Felipe Anderson, que acabara de entrar. Em velocidade, o meia invadiu a área e deu o passe para Neymar, que perdeu o ângulo do chute mais uma vez. Mas dentro da área, o dono do moicano mais famoso do Brasil quase provou que realmente não pode deixar de ser observado um segundo sequer pela defesa: com a visão encoberta pelos zagueiros, o camisa 11 deu um toque para encobrir Jhonny Herrera e a bola caprichosamente bateu no travessão, que foi o responsável último pelo 0x0 em Santiago.

Relacionados