thumbnail Olá,

Elaboramos um raio-x de todos os confrontos que definirão as últimas quatro equipes do maior torneio interclubes do planeta

CHAMPIONS LEAGUE
OS DUELOS DAS QUARTAS-DE-FINAL

MÁLAGA X BORUSSIA DORTMUND
02/04, La Rosaleda, Málaga-ESP
10/04, Signal Iduna Park, Dortmund-ALE

MÁLAGA

Time base: Caballero; Jesús Gámez, Weligton, Demichelis, Eliseu; Camacho, Iturra; Joaquín, Isco, Portillo; Roque Santa Cruz.

Técnico: Manuel Pellegrini
Destaque: Isco
Última participação: Primeira participação

BORUSSIA DORTMUND

Time base: Weindenfeller; Piszczek, Hummels, Subotic, Schmelzer; Gundogan, Bender, Blaszczykowski, Götze, Reus; Lewandowski

Técnico: Jurgen Klopp
Destaque: Mario Götze
Última participação: 2011-12, eliminado na fase de grupos

Assim que assumiu o Málaga, o sheik Abdullah bin Nasser Al Thani, investiu pesado. O time passou a figurar na parte de cima da tabela, mas, a princípio, sem almejar maiores pretensões. Entretanto, justamente depois de uma crise financeira, de perder alguns dos seus principais jogadores e do sheik decidir cessar os altos investimentos, o time consegue, na sua primeira participação da Champions, chegar às quartas-de-final.

E não foi um caminho fácil: estreante no torneio, o Málaga conseguiu ficar em primeiro lugar num grupo que tinha Milan e Zenit. Nas oitavas, eliminou o Porto, outro rato de Liga dos Campeões, com uma consistente vitória por 2 a 0, no La Rosaleda, depois de perder por 1 a 0 em Portugal.

Com o jovem Isco, pretendido por vários grandes clubes europeus, como destaque, o Málaga pretende, agora, engrossar o caldo de um Borussia Dortmund que se diz pronto para conquistar a Europa de novo.

Depois de uma frustrante eliminação na fase de grupos na última temporada, o campeão alemão fez o dever de casa e voltou para mostrar que não está aí só para cumprir tabela. Ficou em primeiro lugar no chamado 'grupo da morte', com Real Madrid, Manchester City e Ajax. Nas oitavas, teve pela frente o Shakhtar, sensação da competição, num duelo dos times de futebol mais bonito da primeira fase.

Apesar do trabalho muitíssimo consistente de Klopp, o Dortmund ainda não é visto como um dos candidatos ao título, mas nem por isso pode ser descartado. Talentos como Mario Götze, Marco Reus, 'Kuba' Blaszczykowski e o faro de artilheiro de Lewandowski deixam os alemães em vantagem em relação aos seus adversários no quesito favoritismo.

O time não chega às semifinais desde a temporada 1997-98, quando foi campeão. Com chances praticamente inexistentes de conquistar o título alemão pela terceira vez consecutiva e já eliminado na Copa da Alemanha, a Champions League se tornou o objetivo máximo da temporada, e, amadurecido, o Dortmund chega com confiança para o duelo das quartas.


REAL MADRID  X GALATASARAY
03/04 - Santiago Bernabéu - Madrid-ESP
09/04 - Turk Telekom Arena - Istambul-TUR

REAL MADRID

Time base: Casillas; Arbeloa, Varane, Sergio Ramos, Fábio Coentrão; Xabi Alonso, Khedira; Özil, Di Maria, Cristiano Ronaldo; Higuaín.

Técnico: José Mourinho
Destaque: Cristiano Ronaldo
Última participação: 2011-12, eliminado na semifinal.

GALATASARAY

Time base: Muslera; Eboué, Semih, Nounkeu, Riera; Altintop, Selcuk, Felipe Melo, Sneijder; Yilmaz, Drogba.

Técnico: Fatih Terim
Destaque: Burak Yilmaz
Última participação: 2008-09, eliminado da 3ª pré-eliminatória.

Considerado uma surpresa nas quartas-de-final da Champions, o Galatasaray investiu pesado para alcançar uma histórica classificação para as semifinais do torneio. A melhor campanha do time na competição foi em 2000, quando caiu justamente nas quartas. Desde 2006-07 não alcançava sequer a fase de grupos. Determinado a mudar a situação, o clube trouxe os experientes, multicampeões e disputados Didier Drogba e Wesley Sneijder para reforçar uma base que já contava com nomes como Eboué, Riera e Felipe Melo.

O destaque da equipe, entretanto, é turco Burak Yilmaz, de 27 anos, artilheiro da competição ao lado de Cristiano Ronaldo com oito gols marcados. Depois de um empate em Istambul, o Gala foi buscar a passagem para as quartas diante da fanática torcida do Schalke 04, na Veltins Arena, e conseguiu uma heróica vitória, de virada, por 3 a 2.

Talvez para azar do ambicioso Galatasaray, do outro lado está um dos favoritíssimos ao título. Crise entre técnico e jogadores, ultimatos, brigas, picuinhas; falou-se de tudo sobre o Real Madrid nesta temporada, que era dada como fracassada antes mesmo de terminar. Mas bastou uma vitória sobre o Manchester United, em Old Trafford, para que os gigantes da capital espanhola voltassem a vestir a camisa do favoritismo - e nem sinal do cenário dantesco pintado pela imprensa espanhola.

Com Cristiano Ronaldo voando, o Real conseguiu recuperar a confiança que pareceu fraquejar na primeira metade da temporada, quando o Barcelona disparou na liderança do Espanhol e matou, cedo, as chances de título dos atuais campeões. Duas vitórias sobre os arquirrivais em sequência, com soberania, foram o suficiente para que o Real fosse a Manchester buscar não só a classificação, como também o rótulo de principal candidato ao troféu.

Maior vencedor da história da Champions (nove vezes), o título não vai para o Bernabéu desde 2001-02, e a conquista da "Décima" tornou-se uma obsessão. Para José Mourinho, que foi posto sob todo tipo de dúvida pela imprensa e, especula-se, deve deixar o clube no meio do ano, e Cristiano Ronaldo, que perdeu o Ballon D'Or quatro vezes seguidas para Lionel Messi, a oportunidade de voltar ao topo do mundo do futebol parece mais viva do que nunca.


 PARIS SAINT-GERMAIN X BARCELONA
02/04, Parc des Princes, Paris-FRA
10/04, Camp Nou, Barcelona-ESP

PARIS SAINT-GERMAIN

Time base: Sirigu; Jallet, Thiago Silva, Alex, Maxwell; Matuidi, Verrati, Lucas, Pastore, Lavezzi; Ibrahimovic.

Técnico: Carlo Ancelotti
Destaque: Zlata Ibrahimovic
Última participação: 2004-05, eliminado na fase de grupos

BARCELONA

Time base: Victor Valdés; Daniel Alves, Piqué, Puyol, Jordi Alba; Busquets, Xavi, Iniesta; Messi, Alexis Sanchez, Pedro.

Técnico: Tito Vilanova
Destaque: Lionel Messi
Última participação: 2011-12, eliminado nas semifinais.

"A Era do Barcelona acabou". A frase ecoou por todos os cantos da Europa depois que o time catalão, acostumado às grandes vitórias e favoritismos, saiu perdendo por 2 a 0 para o Milan nas oitavas-de-final da Champions e acabou derrotado suas vezes em sequência pelo grande rival, Real Madrid - uma delas, inclusive, com os merengues se dando ao luxo de escalar um time misto.

A ausência de Tito Vilanova, a pressão por conta dos resultados ruins, um Messi muito mais apagado em campo do que o normal e uma acentuada queda no rendimento do característico estilo de jogo da equipe deixaram o time diante de um fantasma que não dava as caras no Camp Nou há muito tempo: a crise. Para contornar de vez os problemas, o Barça precisava dar uma resposta à altura. E deu.

Uma senhora goleada por 4 a 0 no Milan, no Camp Nou, com dois gols de Lionel Messi, devolveram a vida à equipe blaugrana, que chega totalmente revigorada para as quartas-de-final. Mais do que só a vaga, o Barça recuperou seu status de favorito, provando que, mesmo quando parece estar no seu pior momento em anos, continua sendo tão letal quanto sempre.

Nos últimos cinco anos, o Barça sempre esteve, no mínimo, mas semifinais da competição. Ganhou duas e viu a equipe que o eliminou ganhar as outras três - o Manchester United, em 2007-08, a Inter, em 2009-10, e o Chelsea, no ano passado. A última vez em que não chegou entre os quatro últimos foi na temporada 2006-07, eliminado nas oitavas pelo Liverpool. Seu último título, em 2010-11, foi conquistado em Wembley, palco da final deste ano.

Na outra ponta do ringue, o novo-rico Paris Saint-Germain, querendo se estabelecer como uma potência europeia. O diretor esportivo do clube, Leonardo, definiu o sorteio como 'o mais difícil que poderia ser'. Apesar das suas estrelas, o PSG teve dificuldades para passar do modesto Valencia, sofrendo para segurar um empate em 1 a 1 dentro de casa.

Um dos grandes problemas encontrados pela equipe, que passou em primeiro lugar no Grupo A, com Porto, Dianmo Kiev e Dinamo Zagreb, foi a ausência de seu principal jogador: o sueco Zlatan Ibrahimovic. Expulso de forma até rigorosa no primeiro confronto das oitavas, Ibra acabou levando um gancho de duas partidas, e não estará em campo também no primeiro jogo contra o Barcelona, no Parc des Princes, o que pode ser determinante para as ambições da equipe no torneio.

Para o treinador Carlo Ancelotti, muito rigoroso na sua análise, o PSG ainda é uma grande incógnita para o futuro. Mas o italiano alcançou uma importante marca pessoal na sua carreira: tornou-se o segundo técnico a chegar às quartas-de-final da Champions com quatro equipes diferentes. O primeiro foi o português José Mourinho.


BAYERN DE MUNIQUE
X JUVENTUS
03/04, Allianz Arena, Munique-ALE
09/04, Juventus Stadium, Turim-ITA

BAYERN DE MUNIQUE

Time base: Neuer; Lahm, Dante, Boateng, Alaba; Javi Martinez, Schweinsteiger; Müller, Kroos, Ribery; Mandzukic.

Técnico: Jupp Heynckes
Destaque: Philippe Lahm
Última participação: 2011-12, derrotado na final para o Chelsea.

JUVENTUS

Time base: Buffon; Bonucci, Barzagli, Chiellini; Lichtsteiner, Pirlo, Marchisio, Arturo Vidal, Asamoah; Giovinco, Vucinic.

Técnico: Antonio Conte
Destaque: Andrea Pirlo
Última participação: 2009-10, eliminado na fase de grupos.

Buscando a sua terceira final em três anos para tentar apagar a decepção de ter sido derrotado em casa, pelo Chelsea, na decisão da temporada 2011-12, que aconteceu na Allianz Arena, o Bayern estava prontíssimo para despontar como o favorito ao título depois do primeiro jogo diante do Arsenal, no Emirates Stadium, quando venceu por 3 a 1. O baile parecia armado para a volta, e muitos viam o Arsenal como um prisioneiro que marcha para a excecução. Mas não foi bem isso que se viu em campo.

Os alemães sofreram sua primeira derrota em 23 jogos e passaram um susto. Os ingleses conseguiram fazer 2 a 0 e por muito pouco não chegaram ao terceiro gol, que eliminaria o Bayern da competição. Apesar de ter tido mais posse de bola, a atuação do Bayern passou longe dos melhores momentos do time que lidera o Campeonato Alemão com folga. O presidente Uli Hoeness saiu espinafrando para todo lado, dizendo que o time atua "como lixo" nas últimas semanas e cobrando um desempenho melhor. Arsene Wenger, técnico dos Gunners, avaliou que essa geração dos alemães 'ainda não está pronta para conquistar a Champions', o que justificaria as derrotas nas finais de 2010 e 2012.

Com o título de favorito ligeiramente manchado pelo susto, o Bayern ligou o sinal de alerta, especialmente porque o sorteio das quartas não foi nada generoso, colocando à sua frente a campeã italiana Juventus.

A Velha Senhora segue na sua remontada rumo ao topo do futebol europeu depois de algumas temporadas em baixa. O time não chega às semifinais desde 2002-03, quando acabou vencido na final pelo Milan. O futebol não é dos mais vistosos, mas certamente é dos mais letais. Sem aparentar se esforçar muito, a Juventus construiu uma campanha consistente na competição, com vitórias para não deixar dúvidas a respeito da determinação do time.

Na fase de grupos, teve um empate maroto contra o Nordsjelland, fora de casa, mas correu atrás de empatar em 2 a 2 um duelo contra o Chelsea, em Stamford Bridge, depois de sair perdendo por 2 a 0. Venceu os ingleses com a mais absoluta soberania, dentro de casa, por 3 a 0, e foi a única equipe que conseguiu vencer o Shakhtar na Ucrânia nesta edição do certame. Nas oitavas, despachou um disciplinado e empolgado Celtic com um 3 a 0 na Escôcia, e um 2 a 0 em Turim. Se ainda não é favorita ao título, é com certeza um dos times que não podem ser ignorados.

Assim como Bayern, a Juventus lidera o Campeonato Italiano com folga, e deve poder se concentrar na Champions, torneio que não conquista desde 1995-96.

Relacionados