História da Copa do Mundo Goal.com- 1938

A terceira edição do torneio mais importante de futebol do mundo

Background

A terceira Copa do Mundo da história foi sediada na França em 1938, permanecendo na Europa pela segunda edição seguida para a decepção dos sul-americanos. A Argentina e o Uruguai não disputaram o torneio.

O Brasil foi o único representante do continente e viajou à Europa, que estava longe de ser pacífica à época. A Copa do Mundo não foi afetada. A Guerra Civil Espanhola impediu a Espanha de participar, e as batalhas entre Alemanha e Áustria diminuiram o número de concorrentes de 16 para 15 (a FIFA não permitiu que a Letônia, que terminou em segundo nas Eliminatórias atrás da Áustria, participasse) e a Suécia foi diretamente para as quartas de final.

Doze times eram europeus. Apenas Brasil, Cuba, que apareceu depois da desistência do México,e as Índias Orientais Holandesas deram à Copa do Mundo um sabor global. Não tivemos representantes africanos. 

O torneio

O torneio foi eliminatório desde o início. Os jogos empatados eram jogados de novo e isto aconteceu duas vezes na primeira fase. A Suíça precisou de duas tentativas para passar pelo alemães (o primeiro jogo teve o primeiro gol contra da história das Copas, do suíço Ernst Loertscher) enquanto Cuba conseguiu passar pela Romênia.

Cinco jogos foram para a prorrogação, sendo um deles a emocionante vitória brasileira por 6 a 5 sobre a Polônia, enquanto a campeã Itália sobreviveu a um susto. Um gol no final do norueguês Arne Brustad deu à equipe a vitória, antes do árbitro anulá-lo. Os italianos venceram na prorrogação.

Quartas de final

Os cubanos foram goleados por 8 a 0 pela Suécia, enquanto a Itália bateu a França em Paris- mesmo que os franceses tenham sido considerados vencedores fora do campo, por terem organizado um torneio bem estruturado. O Brasil precisou de dois jogos para passar pela Tchecoslováquia enquanto a Hungria foi boa demais para os suíços.

Semifinal

As esperanças brasileiras de um lugar na final acabaram com a derrota de 2 a 1 para a Itália, enquanto a Hungria goleou a Suécia por 5 a 1 com grande atuação.

Final

A Itália teve um caminho difícil até a final, tendo batido Noruega, França e Brasil.

A Hungria, que bateu as Índias Orientais, Suíça e Suécia, estava na decisão.

A final foi jogada com 60 mil torcedores no estádio Olympique de Colombes. A Itália teve ótimo início com um gol aos seis minutos mas apenas dois minutos depois, os húngaros empataram.

Mais gois gols no primeiro tempo colocaram os italianos em controle e eles acabaram vencendo por 4 a 2, levantando o troféu mais uma vez e dando ao técnico Vittorio Pozzo um segundo título consecutivo da Copa do Mundo- um feito que ainda não foi repetido.

Heróis e vilões

A quarta de final entre Brasil e Tchecoslováquia não será lembrada pelo futebol. Uma série de expulsões e brigas marcaram a partida e Oldrich Nejedly foi um de dois jogadores tchecos a sair da partida com ossos fraturados.

Os torcedores brasileiros não ficaram muito contentes com o técnico Ademar Pimenta. O treinador viu Leônidas marcar seis gols nos primeiros três jogos, mas não escolheu o atacante para a semifinal contra a Itália, afirmando que estava descansando o jogador para a final.

Jogos para lembrar

O jogo que todos lembram é entre Brasil e Polônia. Foi um jogo estranho com muitos gols. Depois de 90 minutos estava 4 a 4 e acabou 6 a 5 graças ao "Diamante Negro", Leônidas, que terminou como artilheiro da competição.

Talvez se ele tivesse sido escalado por Ademar Pimenta para a semifinal, o Brasil pudesse passar pela Itália.

Artilheiros

7 Leônidas (Brasil) 
5 Gyorgy Sarosi (Hungria) 
5 Gyula Zsengeller (Hungria) 
5 Silvio Piola (Itália) 
4 Gino Colaussi (Itália) 
4 Ernest Wilimowski (Polônia)