Exclusivo: Alisson revela segredos do Cruzeiro, sonho de parceria olímpica com "fenômeno" Neymar e paixão pela NBA

Sonhando com o ouro olímpico e futuro na Juventus ou Manchester United, meia da Raposa também fala sobre "encontro" com LeBron James e é fã de Steph Curry

Alisson sempre teve um talento inquestionável, mas enfrentou o pesadelo das lesões nos últimos anos e, como profissional, ainda não tinha conseguido emplacar uma boa sequência de jogos pelo Cruzeiro. Isso tudo, porém, ficou pra trás em 2016. Peça fundamental no time do técnico Deivid, o meia-atacante já brilhou com gols e assistências nesta temporada, além de mostrar também virtudes em outros fundamentos, como o desarme.

As contusões foram superadas e ele emplacou uma sequência de jogos inédita no Cruzeiro. A ótima fase rendeu em uma convocação para a Seleção Olímpica, da qual ele vinha fazendo parte também nos anos anteriores. A expectativa é que Alisson defenda o Brasil nas Olimpíadas deste ano e lute pela sonhada medalha de ouro que o escrete canarinho nunca conquistou.

(Foto: Jean-Francois Monier/AFP/Getty Images)

Em entrevista exclusiva à Goal Brasil, Alisson falou sobre tudo isso e muito mais. O meia comentou sobre a vida extracampo, alguns passatempos e revelou seus sonhos e desejos para o futuro. Confira:

Fala, Alisson! Beleza? Como você está?

Fala, Gabriel! Tudo tranquilo, e aí? Estou feliz demais com esse começo de ano maravilhoso para mim.

Tudo bem. Pois é, esse ano você conseguiu uma sequência de jogos inédita com o Cruzeiro e superou as lesões. Como tem sido viver essa regularidade inédita nesse começo de temporada?

Está sendo tudo novo pra mim, porque nos dois últimos anos eu tive várias lesões e esse ano estou conseguido ajudar em muitos jogos, então estou muito feliz por poder estar aproveitando essas oportunidades. Tenho certeza que vai ser um ano maravilhoso pra mim e espero conseguir jogar a temporada inteira diferentemente desses dois últimos anos.


GOALLEIA MAIS: GOAL
Exclusivo: Alisson revela segredos da vida extracampo | Exclusivo: Alisson fala sobre melhor momento com o Brasil e resenhas do Cruzeiro | Alisson: líder de desarmes celeste em 2016

Você tem sido convocado para a Seleção Olímpica. Acredita que estará presente nas Olimpíadas? O Brasil pode conseguir conquistar esse ouro inédito?

Eu fiquei muito feliz com a convocação. Pra falar a verdade, nem esperava que fosse ser convocado. Então, tenho certeza que agora que estou com a cabeça mais tranquila e mais focado. Espero ser lembrado no dia da convocação para as Olimpíadas e também conquistar esse ouro inédito, que é meu sonho.

É praticamente certo que o Neymar vai jogar as Olimpíadas pelo Brasil. Como você analisa o impacto de uma eventual presença dele no time?

Falar do Neymar é fácil (risos). É um cara que tem uma qualidade espetacular, é um fenômeno, e tenho um sonho muito grande, quem sabe, de poder estar ao lado dele nas Olimpíadas, jogar ao lado dele e realizar esse grande sonho. Caso ele jogue mesmo, com certeza vai ser de grande ajuda para o Brasil, ainda mais que as Olimpíadas serão aqui no Brasil, e seremos mais fortes com a torcida. Se o Neymar jogar, nosso time será ainda mais forte.

Qual o seu grande sonho?

Olha, é mais ou menos isso. Continuar aqui no Cruzeiro, que foi o clube que me revelou, fazer grandes jogos aqui dentro, dar vitórias para o Cruzeiro e acho que estou conseguindo fazer isso. Acho que estou fazendo uma bela sequência de jogos, como sempre sonhei. Então, como eu disse, é também jogar nas Olimpíadas e chegar na Seleção, e quem sabe um dia poder jogar na Europa também. Espero que esses sonhos possam se realizar.

(Foto: Christopher Lee/Getty Images)

Ano passado, em uma outra conversa nossa, você me disse que tinha o sonho de jogar na Juventus e no Manchester United. Esse sonho continua ou os clubes são outros agora?

É verdade. Eu tenho um carinho muito especial pelos dois clubes, mas como eu disse, hoje estou com a cabeça mais tranquila, mais focado e claro, tenho o sonho de jogar na Itália, se não na Juventus, por qualquer outro time, como Inter e Lazio, e também sonho em jogar na Inglaterra, que tem um futebol muito legal e competitivo. Na minha opinião, a Premier League é a melhor liga do mundo, então gostaria muito de jogar lá ou na Itália.

Muitos jogadores preferem não assistir futebol nas folgas e nem ler as notícias do esporte. Como é você em relação a isso? Caso você goste de ver, quais times e ligas gosta de acompanhar? Tem algum outro esporte que você goste de assistir?

Não sou aquele cara totalmente focado em ficar vendo futebol o dia inteiro. Assisto sim, de vez em quando e tento acompanhar um pouco das notícias quando chego em casa. Mas eu gosto mesmo é de ver NBA. No futebol, eu gosto muito de ver o Barcelona jogando. É o melhor time do mundo, na minha opinião. Dá gosto de ver esse time jogar.

Tem algum time favorito na NBA? Algum jogador que você goste mais?

Então, tem dois times que eu gosto muito de ver: o Cleveland Cavaliers, do LeBron James, e o Golden State Warriors, do Stephen Curry. O LeBron eu tive a oportunidade de ver nos Estados Unidos até, mas esses dois times são os meus preferidos.

Alisson é fã de Curry e do Barcelona de Messi (Foto: Getty Images)

LeBron e Steph Curry são seus jogadores favoritos então?

Ah, também tem o Kevin Durant (do Oklahoma City Thunder) que eu gosto muito.

Qual o seu favorito dos três? Vou te colocar na fogueira (risos).

É o Steph Curry (risos). Ele está absurdo, é impressionante.

Nessa temporada, além da sequência de jogos, você tem aparecido muito bem, além da criação e dos gols, algo natural para você, também na defesa. Você é o líder de desarmes do Cruzeiro, pode até zoar a turma no vestiário (risos). Isso ocorre por que? Fruto de treinamento, pedido do Deivid?

(Risos). Eu li a matéria que você escreveu sobre isso. Fiquei até surpreso, nem sabia até ler (risos). Então, minha função não é marcar, mas acho que o Deivid vem pedindo muito isso, tocando nesse ponto e pedindo para nós, do ataque, ajudarmos na defesa. É para fechar os espaços, não precisar ficar jogando sempre na defesa, claro, mas se puder ajudar também na defesa, ajudar o pessoal nos desarmes, e felizmente tenho ajudado nisso.

Falando no Deivid, no início da temporada ele foi muito cobrado, mas isso diminuiu com os bons resultados recentes. Você acha que a cobrança foi exagerada e pegaram pesado demais?

Às vezes a gente tem que entender o lado do torcedor. O Cruzeiro é um grande clube, tetracampeão brasileiro, e é uma alegria enorme defender esse clube, não à toa a torcida é exigente. Nós temos a obrigação de ganhar títulos e isso pesa um pouco. Mas, ao mesmo tempo, é preciso ter calma. É apenas o começo de trabalho, o Deivid é um novo treinador, um cara espetacular como treinador e como pessoa, apesar do pouco tempo que ele tem de carreira nessa nova função.

(Foto: Juliana Flister/Light Press/Cruzeiro)

Mas ele está estudando bastante, e todo mundo está gostando muito do trabalho dele. O que a gente pode pedir pra torcida é ter um pouco de paciência porque estamos crescendo, como mostramos nos últimos jogos. Faltava a gente pegar uma sequência boa de vitórias e boas atuações para ganhar confiança e tranquilidade. Pouco a pouco vamos colher os frutos do trabalho.

Parece que todos vocês (elenco do Cruzeiro) gostam muito do Deivid. Quando ele conquistou vocês? Por que vocês pediram para ele ser o treinador quando o Mano saiu e por qual motivo estão fechados com ele?

O Deivid sempre ajudou muito cada jogador lá dentro. Todos têm um enorme carinho por ele. É um cara que deve ser muito respeitado pela torcida por tudo que fez e faz dentro do Cruzeiro. Desde os tempos de Luxemburgo ele sempre ajudou todo mundo e nos conquistou com a confiança dele, sendo sincero, honesto com todo mundo. Acho que pelo fato dele ser honesto e sincero com cada jogador, ele foi conquistando cada um de nós.

Estamos muito felizes com ele e esperamos que ele possa crescer como treinador e que o nosso time também possa ajudá-lo para, quem sabe, ele conquistar o primeiro título dele já no Campeonato Mineiro.

No seu caso, o que o Deivid fez para você ou com você que te fez admirar ele e ter toda essa confiança nele?

A sinceridade dele comigo. Mesmo estando bem ou mal, ele vinha e sabia o jeito de me cobrar: me chamava, conversava comigo, me explicava da melhor maneira possível o que eu precisava fazer. Às vezes dando dura, às vezes conversando. Acho que a sinceridade dele comigo foi fazendo com que eu pudesse confiar nele. Tudo que ele faz é da melhor maneira possível. Tudo que ele vem fazendo pra gente, não só ele, como também o Pedrinho, o Lopes e a comissão inteira. A gente vai tentando ajudar ele da melhor maneira possível como ele me ajudou também.

(Foto: Lucas Bois/Light Press/Cruzeiro)

Ele tem um jeito boleiro, então? Sabe como lidar com os jogadores?

É, com certeza. É um cara que já jogou, então ele sabe como o jogador merece ser tratado por ter jogado também, como o Marcelo (Oliveira, ex-técnico) jogou, como o Mano jogou, como o Luxemburgo jogou. Mas cada um tem o seu estilo de trabalho. Por ser um cara mais jovem do que os outros, por ter se preparado em pouco tempo, ele sabe conversar com o jogador e é isso que vem nos ajudando muito também.

Dá pra torcida do Cruzeiro acreditar num título ou então pelo menos em uma grande campanha no Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil ou é um trabalho que você pensa ser mais à longo prazo?

Acho que sim. Como eu te falei, o Cruzeiro tem a obrigação de ganhar títulos devido a grandeza do clube. Agora no Campeonato Mineiro, estamos fazendo uma grande campanha, somos líderes e vamos tentar coroar nossa campanha com o título. Depois vamos em busca da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro.

O Cruzeiro se reforçou com vários gringos nesta temporada. Já tinha o Ariel Cabral, o Arrascaeta, mas neste ano chegaram Sánchez Miño, Lucas Romero, Matías Pisano, Federico Gino... O Romero e o Miño inclusive são titulares e estão bem. Como tem sido a convivência e também a comunicação com eles? Já entrevistei alguns deles e eles ainda estão penando no português (risos). Tá rolando muita zoeira?

(Risos). Eles são grandes jogadores e estão nos ajudando muito. Eles vão crescer e fazer nosso time crescer também. Já estamos até brincando, falando que o Ariel já é até brasileiro (risos). Daqui a pouco os outros viram brasileiros também. Eles são pessoas super do bem e que só vieram nos ajudar, e nós brasileiros vamos tentar fazer de tudo para que eles possam se sentir em casa e nos ajudar a conquistar vários títulos pelo Cruzeiro.

(Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

O Arrascaeta, particularmente, chama a atenção pela evolução. Ele teve altos e baixos em 2015, mas esse ano está jogando demais, muito mais solto em campo e fazendo a diferença, inclusive uma ótima dupla com você, pelos lados do campo. Ele claramente está mais adaptado...

Sim! Eu sempre falei do Arrascaeta no ano passado. Ele é um jogador de muita qualidade, muito inteligente. É fácil jogar com ele. Estou muito feliz por ele ter se adaptado ao Brasil e já se sentir em casa. E ele pode jogar ainda mais. Já está marcando gols e dando assistências, que é o que ele faz de melhor, mas vai render ainda mais e nos ajudar ainda mais. Eu fico muito feliz por estar jogando ao lado dele.

Pra fechar... Você falou do Barcelona e algumas equipes e jogadores que admira. Qual o seu jogador favorito, que você tem como espelho e tenta se inspirar nele?

Eu gosto muito do Neymar. Ele é um cara espetacular, um fenômeno mesmo. Também tem o Hazard do Chelsea. Eu gosto muito do futebol dele.