thumbnail Olá,
Ao Vivo

Copa das Confederações

  • 23 de junho de 2013
  • • 16:00
  • • Castelão, Fortaleza, Ceará
  • Árbitro: J. Aguilar
  • • Público total: 51263
0
TF
3

Nigéria 0 x 3 Espanha: Jordi Alba vive dia de artilheiro e marca dois na vitória espanhola

Nigéria 0 x 3 Espanha: Jordi Alba vive dia de artilheiro e marca dois na vitória espanhola

Getty Images

Com resultados esperados, Espanha confirma primeira colocação no Grupo B e vai enfrentar a Itália na semifinal da Copa das Confederações

A Espanha poderia ter tido vida mais fácil do que teve, mas conseguiu controlar o entusiasmo atabalhoado da Nigéria para fazer 3 a 0 e fechar a fase de grupos da Copa das Confederações com 15 gols marcados e apenas um sofrido, em primeiro lugar absoluto do Grupo B. Jordi Alba marcou dois, enquanto Fernando Torres, artilheiro da competição até aqui, com cinco tentos, anotou mais um.

Até o segundo gol espanhol, a Nigéria fazia jogo duro e encontrava espaço para jogar. Muito fortes fisicamente, os africanos não entraram na onda do jogo cadenciado espanhol e tiveram oportunidades para marcar. Mas, como diz o ditado mais velho do futebol, quem não faz, leva. A partir da entrada de Fernando Torres, autor do segundo gol, a partida ganhou contornos vermelhos, e aí o que se viu foram o típico tika-taka espanhol fazendo mais uma vítima.

Como esperado, a Espanha irá enfrentar a Itália nas semifinais, enquanto o Uruguai será o adversário do Brasil, o que abre espaço para a muito aguardada final entre a Roja e a Seleção Canarinho.

Primeiro tempo

Parecia que viria mais uma goleada com selo de qualidade espanhol pela frente. Com um minuto, Iniesta fez uma jogadaça individual pela esquerda e bateu para defesa de Eneyama. Mal deu tempo de respirar e saiu o primeiro gol. Aos três minutos de jogo, Jordi Alba fez uma jogada sensacional depois de receber de Iniesta, passando por toda a zaga nigeriana antes de bater no cantinho: 1 a 0.

A facilitar para inaugurar o marcador talvez tenha deixado os espanhóis relaxados até demais. A equipe trocava passes com a mesma naturalidade de sempre mas, depois de dar alguns minutos para a Nigéria se recuperar do susto, passaram a correr riscos também. Determinados, os africanos partiram para cima com a habitual força física e velocidade, e tiveram chances claras de abrir o placar.

Aos 10 minutos, Obi Mikel teve ótima oportunidade de empatar. A bola sobrou para ele na marca do pênalti, mas o jogador do Chelsea demorou demais para bater e, quando o fez, deu tempo do zagueiro Sergio Ramos se recuperar e bloquear o chute. Um minuto mais tarde o técnico Stephen Keshi foi obrigado a fazer sua primeira substituição, quando Omeruo sentiu uma lesão no ombro e deixou o campo para a entrada de Egwueke.

Apesar do susto, a Espanha seguiu em ritmo de amistoso. O domínio era amplo, mas os espaços para contra-atacar também. Por volta dos 20 minutos, a posse de bola da Roja caiu para 58% - o menor em toda a Copa das Confederações. O forte calor pareceu ter afetado o atacante Soldado, que perdeu duas chances claríssimas de ampliar o placar e facilitar a vida espanhola. Aos 24 minutos, ele recebeu ótimo lançamento de Sergio Ramos e bateu em cima do goleiro. Cinco minutos mais tarde ficou cara-a-cara com Eneyama mais uma vez e de novo recuou para o nigeriano.

Os africanos, que não tem nada com isso, colocaram correria na partida, e, apesar das chances claras criadas pelos espanhóis, eram os africanos que passavam mais tempo rondando a grande área adversária. A disposição ofensiva nigeriana deixou espaços atrás também, e, aos 38 minutos, a seleção contou com a sorte para não ver a diferença no placar aumentar. Fàbregas partiu sozinho no comando do ataque e bateu. A bola pegou no travessão e voltou nas mãos de Eneyama.

A Nigéria ainda criou mais duas oportunidades, mas pecou no último passe e não conseguiu finalizar. A Espanha, por outro lado, teve em Sergio Ramos mais uma chance desperdiçada. O zagueiro cabeceou no meio do gol e facilitou a defesa.

Segundo tempo

Fernando Torres entrou no segundo tempo e mudou a cara da partida


A primeira grande oportunidade de gol da etapa final foi da Nigéria. Enquanto os espanhóis tentavam esfriar a partida com o toque de bola paciente, os africanos não quiseram saber de brincadeira. Com quatro minutos, Musa fez boa jogada pela direito e cruzou para Akpala. O atacante ficou livre para finalizar, mas se atrapalhou todo e permitiu a recuperação da defesa roja.

Dois minutos depois, em cobrança de falta, Xavi bateu bem, mas a bola subiu um pouquinho demais e foi na rede por cima do gol. Fàbregas pediu para ser substituído e deixou o gramado direto para os vestiários, dando lugar a David Silva, do Manchester City.

Tímido na partida, Soldado deu lugar a Fernando Torres, e a substituição se provou acertada apenas dois minutos mais tarde. O artilheiro da Copa das Confederações somou mais um ao cabecear, de peixinho, um cruzamento de Pedro que veio da esquerda: 2 a 0. Foi o quinto tento de Torres na competição, que já havia marcado quatro contra o Taiti, e disparou na briga pela chuteira de ouro.

O gol foi um balde de água fria para os nigerianos, que se encolheram. David Silva teve chance de ampliar ainda mais pouco depois, mas pegou mal na bola. O próprio Fernando Torres, aos 19, recebeu livre no ataque, matou no peito, mas demorou demais para bater e permitiu o desvio do zagueiro.

Conforme o gás da Nigéria foi diminuindo, a Espanha passou a ocupar mais os espaços no campo adversário. As chances de gol dos Super Eagles, obviamente, rarearam, e por isso mesmo o desperdício de Gambo Muhammad foi ainda mais lamentável. Aos 28 minutos, ele ficou livre, de frente para o gol, com Valdés adiantado, e só precisa rolar para o fundo das redes, mas pegou muito mal e mandou para fora.

Cozinhando o jogo, a Espanha passou a esperar o fim do jogo, já sem a pressão nigeriana. Aos 40 minutos, David Villa trocou passes com Silva e chegou batendo da entrada da grande área. Teve chance de ampliar, mas acabou mandando para fora. Aos 43, Jordi Alba conseguiu escapar e recebeu lançamento primoroso de Sergio Ramos. Sozinho, só teve o trabalho de driblar o goleiro Eneyama para marcar seu segundo no jogo e passar a régua: 3 a 0.

Relacionados