thumbnail Olá,
Ao Vivo

Liga dos Campeões da UEFA

  • 5 de março de 2013
  • • 16:45
  • • Old Trafford, Manchester
  • Árbitro: C. Çakιr
  • • Público total: 74959
1
TF
2

Real Madrid vence por agregado 3 - 2

Man. United 1 x 2 Real Madrid: Cristiano Ronaldo vira carrasco e marca para selar classificação do Real em Old Trafford

Man. United 1 x 2 Real Madrid: Cristiano Ronaldo vira carrasco e marca para selar classificação do Real em Old Trafford

Getty Images

Ingleses deixaram o campo revoltados com o árbitro, que expulsou Nani por uma entrada violenta em Arbeloa

Era um dia de festa para a torcida do United: a volta de Cristiano Ronaldo a Old Trafford, a 1000ª partida oficial de Ryan Giggs, o empate em 1 a 1 conseguido no Santiago Bernabéu deixando o United com uma ligeira vantagem diante do Real. Antes do apito inicial, tudo parecia conspirar a favor dos líderes da Premier League, mesmo que os últimos resultados do Real Madrid na Espanha, em especial as duas vitórias diante do Barcelona, tivessem credenciado ainda mais o adversário.

Por um longo período da partida, parecia realmente a vaga já tinha dono, especialmente depois de Sérgio Ramos marcar contra e deixa o Manchester na frente aos três minutos do segundo tempo. Mas o nome 'Ronaldo' em Old Trafford não traz boas recordações e hoje, mais uma vez, um 'Ronaldo' assinou a eliminação inglesa. Depois de um golaço de Modric, foi a vez do português marcar o segundo na virada merengue e garantir o Real na próxima fase da Liga.

Não, entretanto, sem polêmica: aos 11 minutos, Nani foi expulso por uma entrada em Arbeloa, revoltando todos os integrantes da comissão técnica e jogadores do Manchester. Os dois gols dos visitantes saíram depois disso.

Mas talvez o principal responsável pela eliminação inglesa seja o goleiro Diego López, que fechou o gol nos minutos finais com defesas espetaculares, provando que cada centavo investido de última hora na sua contratação para ocupar a vaga do ídolo Casillas, lesionado, valeu a pena.

O jogo

A ideia de Sir Alex Ferguson de engolir o Real Madrid no seu próprio estilo de jogo deu muito certo no primeiro tempo. Tendo a vantagem do 0 a 0 por conta do gol marcado no Santiago Bernabéu, os Red Devils chamaram o adversário para o seu próprio campo e contra-atacar.

Marcando muito bem os principais jogadores, o United garantiu que o Real tivesse pouca ou nenhuma chance clara de abrir o placar. De fato, o goleiro De Gea não precisou de esforçar muito em nenhum momento. As melhores oportunidades foram criadas pelos donos da casa, que pareceram muito mais perto de abrir o placar do que os visitantes.

Parte do segredo do sucesso da marcação foi a forma como o cérebro do meio-campo merengue, Xabi Alonso, foi bem anulado. Com média de 69 passes por tempo de jogo, o espanhol não conseguiu mais de 16, com apenas 69% de sucesso. Cristiano Ronaldo, que teve uma recepção de gala, quase não apareceu. A única finalização que teve foi um chute de fora da área que passou muito longe. Os blancos, jogando de verde escuro, não conseguiram penetrar na bem postada defesa da casa.

Apesar de acanhados nos primeiros 10 minutos, o United conseguiu encaixar o ataque aos 12, 14 e 17, levando perigo para a grande área do Real, que, entretanto, se segurou bem. Aos 20, a oportunidade mais clara: Van Persie cobrou escanteio e Vidic subiu mais alto que Varane, acertando uma cabeçada na trave esquerda do goleiro Diego López.

Aos 23 minutos, Welbeck teve mais uma oportunidade, mas acabou desarmado por Sérgio Ramos. Aos 33, o grande nome do jogo teve sua primeira grande intervenção: Diego López rebateu mal depois de uma pancada de Van Persie e viu a bola sobrar para Welbeck. Com coragem, o goleiro saiu do gol, fechou o ângulo e conseguiu desviar para escanteio o que era um gol quase certo.

Antes do fim do primeiro tempo, Di Maria, que não vinha fazendo grande partida, teve de deixar o jogo, sentindo alguma lesão. O argentino foi direto para o vestiário e deu lugar em campo ao brasileiro Kaká, que causou boa impressão no treinador nas suas últimas aparições.

O segundo tempo seria de tudo ou nada para os visitantes, já que os Red Devils saíram para o intervalo classificados, mas foi justamente quem estava mais "tranquilo" que sairam na frente. Logo aos três minutos da etapa final, Rafael organizou um sensacional contra-ataque pela ponta esquerda e tocou para Van Persie. O holandês parou na defesa de Diego López, a bola sobrou para Welbeck, que foi bloqueado. Nani recolheu a sobra e cruzou. Sérgio Ramos, sem qualquer justificativa, tocou contra a própria meta.

O gol deixou a vida do Real Madrid ainda mais complicada, e precisando desesperadamente partir para o jogo. Entretanto, a maré mudou de novo aos 11. Nani acertou um chute, aparentemente sem querer, em Arbeloa. O juiz não entendeu desta forma e mostrou o vermelho direto para o português, deixando o United com 10 em campo. Que hora para ter seu primeiro jogador expulso na temporada...

Sentindo o momento, Mourinho colocou em campo Modric no lugar de Arbeloa. E o croata provou que, jogand na Inglaterra, não se intimida. Como nos tempos de Tottenham, Modric dominou uma bola na entrada da grande área e soltou uma bomba de muito longe. A bola bateu na trave e morreu no fundo do gol, empatando o duelo.

Pouco antes, aos 12 minutos, Higuaín havia criado uma jogada pela direita, cruzando rasteiro na frente do gol de De Gea, mas Cristiano Ronaldo não se esticou e deixou a bola passar. O argentino reclamou muito e saiu gesticulando. A revolta deu resultado, porque aos 21 o lance se repetiu, muito parecido: Higuaín pela direita, rola na frente do gol, e, dessa vez, o português entrou no carrinho e virou para os visitantes. O português não comemorou, em respeito ao ex-clube, mas os companheiros não estava nem aí e foram celebrar com o autor da assistência, Higuaín.

O United passou a precisar de dois gols para se classificar, e Sir Alex foi para tudo ou nada. Colocou em campo Rooney, Ashley Young e Valencia, e mandou o time todo para o ataque. Foi aí que começou o show de Diego López, justificando sua contratação para substituir Casillas. O goleiro teve três intervenções espetaculares, aos 36, 37 e 46 minutos. Primeiro em uma cabeçada de Carrick, depois em uma finalização de Van Persie e por último em uma testada firme de Vidic. Defesas de cinema para garantir a vantagem madridista.

O Real também teve chances de ampliar, três vezes com Cristiano Ronaldo e uma com Kaká. O português acabou chutando fraco em duas delas e em cimade De Gea na terceira. Já o brasileiro deu azar, pois a bola pegou na trave, nas costas do goleiro e ficou quicando em cima da linha, dando ao espanhol a chance de se recuperar.

O United foi para cima, mas não houve mais tempo. Rio Ferdinand partiu para cima do juiz, Sir Alex saiu esbravejando, mas foi o fim da linha para o Manchester United na Champions League de 2012-13. Já o Real segue firme na caminhada pela décima.

Relacionados