thumbnail Olá,
Ao Vivo

Campeonato Europeu

  • 9 de junho de 2012
  • • 13:00
  • • Oblasny SportKomplex Metalist, Kharkiv
  • Árbitro: D. Skomina
  • • Público total: 35923
0
TF
1

Holanda 0 x 1 Dinamarca- Holandeses desperdiçam chances e acabam derrotados

Holanda 0 x 1 Dinamarca- Holandeses desperdiçam chances e acabam derrotados

Getty

Equipe laranja criou muitas chances para marcar, mas desperdiçou-as e sofreu um gol em uma das poucas chegadas dinamarquesas

O futebol costuma punir equipes que perdem muitas chances de gol e, na estreia da Holanda na Euro, não foi diferente. A equipe holandesa dominou o jogo e construiu várias oportunidades, mas desperdiçou-as e acabou derrotada por 1 a 0 para a Dinamarca, com gol de Krohn-Dehli.

Movimentação total

O início de jogo da Holanda foi fiel ao legado deixado por seu time histórico, a Laranja Mecânica da Copa de 74. Aquela equipe se caracterizava pela movimentação e trocas de posições dos jogadores, algo que apareceu constantemente nos primeiros minutos da partida.

A Holanda adiantou a marcação e ocupou totalmente o campo ofensivo. O time de Van Marwijk fazia a bola circular pelo meio-campo com paciência e os quatro homens mais adiantados (Robben, Sneijder, Affellay e Van Persie) movimentavam-se intensamente, dificultando a marcação.

O resultado foi o domínio completo do time holandês nos primeiros minutos, encurralando a Dinamarca no campo de defesa e criando boas oportunidades para abrir o marcador.

Um gol surpreendente

Tudo o que acontecia em campo dava a entender que a Holanda estava prestes a marcar seu gol, mas a Dinamarca, logo em sua primeira chegada efetiva à frente, conseguiu surpreender e sair na frente no placar.

Simon Poulsen tentou a jogada pelo lado esquerdo e foi travado pela zaga holandesa. A bola sobrou para Krohn-Dehli na entrada da área e ele dominou, limpou a marcação com um belo drible e bateu de pé esquerdo para fazer 1 a 0, aos 23 minutos.

Uma Holanda nervosa

O gol claramente mexeu com a equipe holandesa. Naturalmente, o time laranja seguiu tentando maior iniciativa ofensiva no jogo, mas o ritmo do toque de bola mudou drasticamente, da cadência paciente dos primeiros minutos às jogadas verticais no final do primeiro tempo.

Os holandeses pareciam querer resolver tudo rapidamente, o que aumentava o número de erros de passe e entregava a posse de bola para a Dinamarca, que conseguia, assim, sair um pouco de trás. Dessa forma, os minutos finais da primeira etapa foram mais abertos, com as duas equipes criando boas chances para marcar.

Chances em sequência

O início do segundo tempo foi bem parecido com o começo do jogo. A Holanda voltou a fazer a bola circular com eficiência e criar grandes chances de gol.

O destaque principal logo após o intervalo foi a movimentação de Sneijder, que variava entre o lado esquerdo e sua posição original, mais centralizada, para encontrar espaços e alimentar seus companheiros de frente. O resultado foi uma série de passes açucarados, todos eles desperdiçados com finalizações erradas.

Ousadia pela pressão final

Do meio para o final do segundo tempo, as iniciativas bem organizadas da Holanda transformaram-se em lances que buscavam o empate mais no ímpeto ofensivo que em jogadas trabalhadas. Para ajudar nessa pressão final, o técnico Bert van Marwijk fez duas alterações ousadas, colocando Huntelaar e Van der Vaart no lugar de Afellay e De Jong.

A desorganização laranja, porém, impediu que a equipe chegasse com maior perigo na frente, por mais que cercasse a área dinamarquesa. Do outro lado do campo, a Dinamarca aproveitava o desespero holandês para ligar contra-ataques ou simplesmente tocar a bola, fazendo o tempo passar e aproximando-se da surpreendente vitória.


Relacionados