thumbnail Olá,
Ao Vivo

Campeonato Brasileiro

  • 29 de julho de 2012
  • • 16:00
  • • Engenhão, Rio de Janeiro
  • Árbitro: Rodrigo Braghetto
  • • Público total: 19761
0
TF
0

Fluminense 0 x 0 Atlético Mineiro: muita marcação e gol anulado de Fred mantém zero no placar

Fluminense 0 x 0 Atlético Mineiro: muita marcação e gol anulado de Fred mantém zero no placar

Nelson Perez/Fluminense

Destaque da partida é o forte esquema de marcação armado pelos dois técnicos, que teve jogadores em cima de Bernard e Ronaldinho. Fred tem gol anulado e Atlético se mantém líder.

Em duelo muito disputado no Engenhão, Fluminense e Atlético Mineiro não saíram do zero e empataram sem gols. Os destaques da partida foram as marcações individuais, que nesta tarde de domingo dificultaram e muito a vida dos meias. Na próxima rodada, o time tricolor pega o Coritiba no Couto Pereira. Já o líder do Brasileirão vai voltar ao Engenhão para pegar o Flamengo, no reencontro entre Ronaldinho e o time da gávea.

Em primeiro tempo de muitas faltas e marcação pesada, goleiros evitam que equipes abram o placar

Jogando com todos os seus titulares, a equipe do Atlético mostrou porque lidera o Campeonato Brasileiro: tanto dentro como fora de casa, joga ofensivamente, com um leque bastante variado de opções ofensivas. O Fluminense entrou em campo apostando no forte esquema de marcação armado por Abel Braga e na volta de Deco ao meio campo tricolor, trazendo um pouco mais de qualidade à armação das jogadas.

No jogo que marcava mais um embate entre Ronaldinho Gaúcho e Deco, ex-companheiros de Barcelona, se destacaram mais os duelos pelas laterais de campo: Wallace ficou com a incumbência de parar Bernard, tido por muitos como o melhor jogador do campeonato até então; pelo lado do Atlético, Júnior César recebeu a dura missão de segurar Wellington Nem, que esbanja velocidade e criatividade pela ponta direita.

Nos primeiros 16 minutos, três cartões amarelos aplicados: Júnior César, Danilinho e Wallace. A forte marcação das duas equipes diminuíam as possibilidades de Ronaldinho e Deco e potencializava as joagada pelas alas. Explorando corretamente o jogo pela ponta esquerda, o Atlético chegou aos 24 minutos com Júnior César e houve a primeira polêmica da partida: após o cruzamento, a bola desvia claramente na mão de Wallace, dentro da área, mas o árbitro mandou o jogo seguir para desespero do técnico Cuca.

Estando as duas melhores defesas da competição em campo, vida nada fácil para os centroavantes Fred e Jô. Apesar disso, os dois jogadores conseguiram, cada um à sua maneira, contribuir para as jogadas ofensivas. A primeira chance foi de Jô: Danilinho escorou cruzamento de R10 na segunda trave e o atacante do clube mineiro conseguiu a cabeçada praticamente na risca da pequena área, para excelente defesa de Cavalieri, que pegou no susto, em dois tempos. Fred, sofrendo (e reclamando) com a marcação de Leonardo Silva, tentou sair um pouco da área para abrir espaço para seus companheiros. E foi com essa tática que conseguiu dar dois bons passes para Wellington Nem. No primeiro, saída atenta do goleiro Victor; na segunda, bom avanço pela esquerda e cruzamento de trivela para Nem, que desviou de cabeça no lado oposto, mas parou em defesa sensacional do goleiro do Atlético. Esse último lance já aos 44 minutos.

titulo segundo tempo

A ausência de substituições no intervalo não significou uma postura igual das duas equipes. Com um jogo menos faltoso, os times voltaram buscando a vitória e deixando a partida mais aberta. Apesar disso, nada de chances claras na segunda etapa, até a marca de 13 minutos, quando saíram logo dois lances perigosíssimos, um para cada lado. Após boa jogada de Wellington Nem, Fred recebeu já dentro da área, de frente, ajeitou o corpo e bateu forte, no canto, para excelente defesa de Victor. No contra ataque, Ronaldinho lançou para Marcos Rocha em liberdade pela esquerda. O lateral cruzou e achou Danilinho livre nas costas da defesa e dentro da área, mas o atacante bateu desajeitado, mandando por cima do gol de Cavalieri e perdendo chance incrível de abrir o marcador.

Aos 15, os treinadores dos dois times não esperaram mais seus comandados escalados incialmente resolverem o jogo e partiram para as substituições: Marcos Júnior no lugar de Thiago Neves (vaiado por parte da torcida) no Flu; Escudero e Guilherme no lugar de Bernard e Danilinho no Galo. As medidas surtiram mais efeito no time da casa, que voltou a chegar com Marcos Júnior, pela ponta esquerda. Após bom avanço, ele cruzou e Victor tirou da cabeça de Wellington Nem. A bola ficou com Deco na lateral da grande área, ele mandou para o meio e o próprio Marcos Júnior emendou próximo à meia-lua, por cima do gol.

A saída de Bernard fez o Atlético perder sua principal válvula de escape da partida, e Ronaldinho acabou sendo bem mais acionado a partir daí. O meia conseguiu bons passes, mas não era um bom dia do ataque mineiro. Aos 42, o lance mais polêmico da partida: Fred recebeu completamente livre, fintou Victor e mandou para as redes, mas o auxiliar (com bastante atraso) anulou, marcando impedimento. Muita reclamação das duas equipes, tanto pela marcação quanto pela demora também do árbitro principal, que chegou a apontar o meio de campo.

Fim de partida e tudo igual na parte de cima da tabela. No duelo entre líder e terceiro colocado, a marcação, que recebeu grande atenção dos treinadores durante a semana, sobressaiu à criação de jogadas, mantendo o jogo no zero a zero.

Relacionados